Comentários do leitor

Dr. Paulo Maciel

por Isabelly Fernandes (2018-06-03)


Eu fiz três testes bastante satisfatórios. No primeiro dia, comi uma tapioca com manteiga (coisa suave) e não tive nenhuma reação. Dois dias depois, experimentei um bombom recheado com morango. Do mesmo jeito não tive nada. Por último, comi dois pedaços de torta com cobertura. Pra não manifestar que não tive nada, senti um leve inchaço, muito sutil, e completamente suportável. Em resumo: o medicamento é a solução pra todos os nosso problemas! Claro que deve ser administrado com cuidado e moderação. Se for comer qualquer coisa com muita lactose, tem que-se tomar dois tabletes. Os produtos com superior concentração de lactase é o Wallgreen's Lactose Fast Relief e o Lactaid Fast Act. Infelizmente eles não são vendidos no Brasil e a única forma é arrumar uma pessoa para trazer. E o melhor: são baratos!

alimentos funcionaisOs sintomas da intolerante à lactose são insuficiente específicos e conseguem passar-se numa pluralidade de doenças gastrointestinais, principalmente nas gastroenterites agudas. Se você se constatar mal após consumir um copo de leite uma vez, não necessariamente você tem intolerância à lactose. Contudo, se você se sentir mal toda vez que bebe leite (ou cada laticínio) a intolerância à lactose precisa ser suspeitada.

Diarreias causadas por gastroenterite viral Se tiver náusea, cólica, inchaço, gases ou diarréia após comer leite ou derivados de leite, talvez você tenha intolerância à lactose, que é uma reação ao consumo de laticínios. O Instituto Nacional de Diabetes e de Doenças Digestivas e dos Rins relata que entre 30 milhões e cinquenta milhões de norte-americanos têm intolerância à lactose. Segundo o livro The Sensitive Gut (O Sensível Aparelho Digestivo), publicado na Instituição de Medicina de Harvard, estima-se que até 70 por cento da população mundial tem qualquer tipo de dificuldade com a lactose. Um deles é avaliar como os nossos genes se "comportam" em relação aos nutrientes que obtemos pela alimentação. Na ciência, as evidências sobre isto as interações entre sentença gênica e dieta são conhecidas pelos exemplos clássicos da intolerância à lactose e da fenilcetonúria, duas condições clínicas relacionadas a manejos alimentares específicos. No primeiro caso, foram descritas mutações no gene da lactase, a enzima de hidrolisa o açúcar presente no leite e derivados (lactose) em glicose e galactose. No caso da fenilcetonúria, a deficiência genética da enzima fenilalanina-hidroxilase é responsável por mudanças mentais e convulsões.

SÃO PAULO - Depois dos alergênicos, a lactose necessita ser o próximo objeto a ser citado com destaque em rótulos de produtos industrializados comercializados no País. A inclusão da informação é considerada uma vitória pras pessoas com intolerância à lactose. Diagnosticada com a incapacidade de digerir a substância aos vinte e um anos, a enfermeira Flávia Regina Georgete, de trinta e cinco, diz que mesmo os alimentos funcionais comercializados como zero lactose não são garantia de que ela não terá reações. Fazia tempo que eu queria assimilar como a indústria consegue gerar leite sem lactose. Enfim eu consegui desvendar este mistério. Eu já sabia que a indústria utiliza uma versão industrial da enzima lactase com o objetivo de arredar a lactose do leite. Isto não é mistério nenhum, é só ler a relação de ingredientes pra saber que a lactase está lá. O que eu não sabia é como essa enzima age fora da nossa barriga.

Isto por causa de alguns pequenos possuem intolerância à lactose ou APLV (Alergia à Proteína do Leite de Vaca) e as opções de Ovos de chocolate sem leite ou lactose são menos frequentes que as habituais no comércio alimentício. A partir dessa deficiência, os pequenos que possuem restrição ao leite e à lactose não conseguem deliciar-se com todas as opções de ovos de chocolate que exercem sucesso nas prateleiras dos mercados.

Depois da quebra da lactose em glicose e galactose, se oferece o processo de metabolização desses monossacarídeos, que envolve catálises enzimáticas que levarão, em seu final, à conversão da galactose em glicose pra uso como fonte de energia. A fase de metabolização da galactose é a que mostra dificuldades no paciente galactosêmico, em consequência a deficiências enzimáticas em inúmeros níveis possíveis. Executam pelo menos 4 décadas que tentamos focar em calorias, ou seja, ingerir menos e se exercitar mais e o que conseguimos são só números recordes de obesidade e doenças. A gordura coopera na redução do colesterol total e da fração LDL (colesterol insatisfatório). Não é nutricionalmente prazeroso e nada que tem ali vai trazer um benefício. Os nutrientes do leite podem ser substituídas por outros alimentos. Por exemplo, carne, peixe, ovos, soja, feijão e algas marinhas fornecem proteína. Quanto às vitaminas, cálcio e sais minerais, estes conseguem ser localizados nas amêndoas, avelãs, algas, nozes, figos, tâmaras, dente de leão, agrião, soja, marisco, cevada ou trigo germinado. Certifique-se de que os alimentos e remédios que você consume não tenham ou possuam baixa quantidade de lactose. Iogurte e queijo cottage são melhor tolerados. O leite desnatado é mais destrutivo do que o leite integral.