Propriedade Familiar e Desempenho de Empresas do Agronegócio Brasileiro

Jaqueline Carla Guse, Leandro Politelo, Maurício Leite, Tarcísio Pedro da Silva

Resumo


O agronegócio desempenha um papel significativo no cenário econômico e financeiro no Brasil. Esta pesquisa objetiva verificar a relação da propriedade familiar com o desempenho de empresas do agronegócio brasileiro. Para tanto é aplicada uma pesquisa descritiva com abordagem quantitativa em uma amostra de 25 empresas listadas na BM&FBovespa no período de 2010 a 2012. A Análise Envoltória de Dados (DEA) é aplicada para identificar a eficiência quanto ao desempenho das empresas familiares e não familiares, e a técnica estatística ANOVA para se verificar se as empresas familiares apresentavam maior ou menor eficiência em relação ao seu desempenho quando comparadas às empresas não familiares. Os resultados da pesquisa indicam que as empresas Excelsior, Iguaçu Café, Laep e Renar foram eficientes nos três anos analisados tanto em seus grupos (familiar ou não familiar) quanto em relação à amostra total. As empresas Tereos, Cacique e Josapar apresentaram-se como as menos eficientes. Apesar de não significativos, os resultados apresentam indicativos de que as empresas não familiares são mais eficientes que as empresas familiares quanto ao desempenho de curto prazo.

Palavras-chave


Agronegócio; Desempenho; Empresas Familiares

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9168.2015v8n2p271-289

Revista em Agronegócio e Meio Ambiente


Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 2176-9168 On-line
ISSN 1981-9951 Versão impressa interrompida em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.