AMAZÔNIA EM DESENVOLVIMENTO ENTRE O PROGRESSO E O REGRESSO: UM OLHAR CRÍTICO SOBRE A MEMÓRIA BIOCULTURAL

Marilza Bulhões Silva

Resumo


O presente artigo apresenta uma possível chave de leitura no que se refere aos conceitos de progresso ambiental, partindo de um contexto amazônico. O texto tem por base uma relação entre a sociedade considerada moderna e os povos considerados primitivos ou rústicos (povos da floresta) no modo de pensar o progresso e o desenvolvimento ambiental. Também se procura abordar as origens do conceito moderno de progresso, sua aplicação no contexto atual e as implicações das práticas da economia, da política, do desenvolvimento da Amazônia que daí surgem, sobretudo, no impacto que tudo isso provoca na vida do homem amazônico. Trabalham-se ainda a noção do significado do termo regresso e o que ele pode representar para as populações da floresta, além de um alerta para a retomada da memória biocultural.

Palavras-chave


Homem e natureza; Cultura; Conhecimento; Mudança; Comunidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BOVÉ, J. Desfazer o Desenvolvimento para Refazer o Mundo. São Paulo: Cidade Nova, 2009.

CHILDE, G. Fundamentos de Filosofia. São Paulo: Saraiva, 2010.

DOLABELA F. Educação, Industrialismo e Empreendedores; Instituto Millenium. Disponível em: . Acesso em: 01 dez. 2016.

GOLDSMITH, E. Desfazer o Desenvolvimento para Refazer o Mundo. São Paulo: Cidade Nova, 2009.

FRANCISCO, P. Laudato Si. São Paulo: Paulinas, 2015.

FRANCISCO, W. C. Comores: Brasil Escola. Disponível em: . Acesso em: 29 nov. 2016.

GOLDSMITH, E. Antes do Desenvolvimento (Desfazer o Desenvolvimento Para Refazer o Mundo). São Paulo: Cidade Nova, 2009.

PÉREZ, R. História Básica da Filosofia. São Paulo: Nerman, 1988.

RUSSELL, B. Perspectivas da Civilização Industrial. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

SELVAGGI, F. Filosofia do Mundo. São Paulo: Loiola, 1988.

SANDY. A Conduta Humana e os Fatores que a Determinam. Disponível em: . Acesso em: 05 dez. 2016.

SAHLINS, M. Tribal Economics. Garden City: Economic Development and Social Chang. 1971.

TOLEDO, V. M.; BARRERA-BASSOLS, N. A Memória Biocultural. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

YAMÃ, Y. Sehapóri: o Livro Sagrado do Povo Saterê-Mawé. São Paulo: Petrópoles , 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9168.2017v10n4p1161-1177

Revista em Agronegócio e Meio Ambiente
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1981-9951 Impressa
ISSN 2176-9168 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.