MUDANÇAS NA PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO TAMANDUÁ, EM IPORÁ, GOIÁS

Alexandre Luiz Gomes, Tiago Batista Mendonça, Jefferson Eduardo Silveira Miranda

Resumo


O objetivo desse estudo foi analisar as mudanças na paisagem da bacia hidrográfica do córrego Tamanduá, localizada no município de Iporá, em Goiás. Para isso foram analisadas imagens dos satélites Landsat 5 e 8, para classificar a paisagem em três anos: 1996, 2006 e 2016. Os resultados revelaram avanço da área urbana e redução da vegetação, com diminuição dos fragmentos de vegetação nativa. O crescimento urbano da cidade de Iporá gerou perda de habitat, através do desmatamento para realizar loteamentos e construção de residências. Com isso há evidente perda de vegetação causada pelo processo de urbanização.

Palavras-chave


Cerrado; Ecologia de paisagem; Fragmentação da paisagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ABERS, R.; JORGE, K. D. Descentralização da gestão da água: por que os comitês de bacias estão sendo criados?. Ambiente & Sociedade, v. 8, n. 2, 2005.

AB’SABER, A. Os domínios de natureza no Brasil. 2. ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

ALVARES, C. A.; STAPE, J. L.; SENTELHAS, P. C.; GONÇALVES, J. L. DE M.; SPAROVEK, G. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2013.

AZEVEDO, H. A. M. A.; BARBOSA, R. P. Gestão de recursos hídricos no Distrito Federal: uma análise da gestão dos comitês de bacia hidrográfica. Ateliê Geográfico, v. 5, n. 13, p. 162-182, 2011.

BATISTA, D. F.; CABRAL, J. B. P.; ROCHA, T.; BARBOSA, G. B. Avaliação do oxigênio dissolvido nas águas do ribeirão Paraíso em Jataí-GO e córrego Tamanduá em Iporá-GO. Caminhos de Geografia, v. 18, n. 64, p. 296-309, 2017.

BERNARDI, E. C. S.; PANZIERA, A. G.; BURIOL, G. A.; SWAROWSKY, A. Bacia hidrográfica como unidade de gestão ambiental. Disciplinarum Scientia, v. 13, n. 2, p. 159-168, 2012.

BRASIL. Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 8 jan. 1997.

BRASIL. Fragmentação de ecossistemas: causas, efeitos sobre a biodiversidade e recomendações de políticas públicas. Brasília: MMA/SBF, 2003.

BRASIL. Agência Nacional de Águas. O Comitê de Bacia Hidrográfica: o que é e o que faz? Brasília: SAG, 2011. 64 p. ISBN 978-85-89629-76-8.

CHAVES, H. M. L.; SANTOS, L. B. Ocupação do solo, fragmentação da paisagem e qualidade da água em uma pequena bacia hidrográfica. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 13, p. 922-930, 2009.

COELHO, V. H. R.; MONTENEGRO, S. M. G. L.; ALMEIDA, C. N.; LIMA, E. R. V.; RIBEIRO NETO, A.; MOURA, G. S. S. Dinâmica do uso e ocupação do solo em uma bacia hidrográfica do semiárido brasileiro. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 18, n. 1, p. 64-72, 2014.

CORDEIRO, G. G.; GUEDES, N. M.; KISAKA, T. B.; NARDOTO, G. B. Avaliação rápida da integridade ecológica em riachos urbanos na bacia do rio Corumbá no Centro-Oeste do Brasil. Revista Ambiente e Água, v. 11, n. 3, 2016. DOI: 10.4136/ambi-agua.1857.

DONADIO, N. M. M.; GALBIATTI, J. A.; PAULA, R. C. Qualidade da água de nascentes com diferentes usos do solo na Bacia Hidrográfica do Córrego Rico, São Paulo, Brasil. Engenharia Agrícola, v. 25, p. 115-125, 2005.

EMMETT, B. A.; HUDSON, J. A.; COWARD, P. A.; REYNOLDS, B. The impact of a riparian wetland on stream water quality in a recently afforested upland catchment. Journal of Hydrology, v. 162, p. 337-353, 1994.

ETTO, T. L.; LONGO, R. M.; ARRUDA, D. R.; INVENIONI, R. Ecologia da paisagem de remanescentes florestais na bacia hidrográfica do ribeirão das pedras - Campinas-SP. Revista Árvore, v. 37, n. 6, p. 1063-1071, 2013.

FAHRIG, L. Effects of habitat fragmentation on biodiversity. Annual Review of Ecology, Evolution and Systematics, v. 34, p. 487-515, 2003. DOI: 10.1146/annurev.ecolsys.34.011802.132419.

GARCEZ, L. N.; ALVAREZ, G. A. Hidrologia. 10. ed. rev. e atual. São Paulo: Blucher, 1988. ISBN 978-85-212-0169-4.

GOIÁS (Estado). Secretaria de Indústria e Comércio. Superintendência de Geologia e Mineração. Caracterização climática do Estado de Goiás. Goiânia, 2006. p. 133.

LIMA, J. E. F. W.; SILVA, E. M. Estimativa da produção hídrica superficial do cerrado brasileiro. In: SCARIOT, A.; SOUSA-SILVA, J. C.; Felfili, J. M. (ed.). Cerrado: ecologia, biodiversidade e conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005.

MCGARIGAL, K.; CUSHMAN, S. A.; ENE, E. Fragstats v4: spatial pattern analysis program for categorical and continuous maps. [s. l.]: [s. n.], 2012.

MARMONTEL, C. V. F.; RODRIGUES, V. A. Parâmetros indicativos para qualidade da água em nascentes com diferentes coberturas de terra e conservação da vegetação ciliar. Floresta e Ambiente, v. 22, n. 2, p. 171-181, 2015. DOI: 10.1590/2179-8087.082014.

PEREIRA, J. M.; ALVES, W. S. Córregos em áreas urbanas: a atual situação do córrego Tamanduá em Iporá-GO. Revista Visão Acadêmica, v. 4, n. 6, p. 5-17, 2013. DOI: 10.4136/ambi-agua.1802.

PEREIRA, B. W. F. et al. Uso da terra e degradação na qualidade da água na bacia hidrográfica do rio Peixe-Boi, PA, Brasil. Revista Ambiente e Água, v. 11, n. 2, 2016.

PIRES, J. S. R.; SANTOS, J. E.; DEL PRETTE, M. E. A utilização do conceito de bacia hidrográfica para a conservação dos recursos naturais. In: SCHIAVETTI, Alexandre; CAMARGO, Antonio F. M. (ed.). Conceitos de bacias hidrográficas: teorias e aplicações. Ilhéus: Editus, 2002. p. 261-291.

PIVELLO, V. R. Manejo de fragmentos de Cerrado: princípios para a conservação da biodiversidade. In: SCARIOT, A.; SOUSA-SILVA, J. C.; FELFILI, J. M. (ed.). Cerrado: ecologia, biodiversidade e conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005. p. 439.

PORTO, M. F. A.; PORTO, L. R. Gestão de bacias hidrográficas. Estudos Avançados, v. 22, n. 63, 2008.

PRIMACK, R. B.; RODRIGUES, E. Biologia da conservação. Londrina: Editora Planta, 2001. p. 327.

ROSS, J. L. S.; DEL PRETTE, M. E. Recursos hídricos e as bacias hidrográficas: âncoras do planejamento e gestão ambiental. Revista do Departamento de Geografia, n. 12, p. 89-121, 1998.

SANTOS, E. F.; SOUSA, F. A. Aspectos morfométricos da bacia do córrego Tamanduá em Iporá-GO. Acta Geográfica, v. 7, n. 15, p. 191-199, 2013. DOI: 10.5654/actageo2013.0715.0012.

SAUNDERS, D. A.; HOBBS, R. J.; MARGULES, C. R. Biological consequences of ecosystem fragmentation: a review. Conservation Biology, v. 5, n. 1, p. 18-32, 1991.

SAWYER, D. Índice de pressão antrópica (IPA): uma proposta metodológica. In: BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Biodiversidade do Cerrado e Pantanal: áreas e ações prioritárias para conservação. Brasília: MMA, 2007. p. 540.

SILVA, F. A. M.; ASSAD, E. D.; EVANGELISTA, B. A. Caracterização climática do bioma cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P.; RIBEIRO, J. F. (ed.). Cerrado: ecologia e flora. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2008. p. 69-87.

SOUZA, M. M.; GASTALDINI, M. C. C. Avaliação da qualidade da água em bacias hidrográficas com diferentes impactos antrópicos. Engenharia Sanitária Ambiental, v. 19, n. 3, p. 263-274, 2014. DOI: 10.1590/S1413-41522014019000001097.

TABARELLI, M.; GASCON, C. Lições da pesquisa sobre fragmentação: aperfeiçoando políticas e diretrizes de manejo para a conservação da biodiversidade. Megadiversidade, v. 1, n. 1, 2005.

TEODORO, V. L. I.; TEIXEIRA, D.; COSTA, D. J. L.; FULLER, B. B. O conceito de bacia hidrográfica e a importância da caracterização morfométrica para o entendimento da dinâmica ambiental local. Revista Uniara, v. 20, p. 137-156, 2007.

VIEGAS, E. C. Gestão da água e princípios ambientais. 2. ed. Caxias do Sul: Educs, 2012. ISBN 978-85-7061-639-5.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9168.2019v12n4p1317-1331

Revista em Agronegócio e Meio Ambiente


Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 2176-9168 On-line
ISSN 1981-9951 Versão impressa interrompida em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.