PERSPECTIVAS E DESAFIOS NA CRIAÇÃO DE UMA RESERVA EXTRATIVISTA MARINHA

Geusa da Purificação Pereira, André Neves Fenelon, Marcelo Leles Romarco de Oliveira

Resumo


As Reservas Extrativistas - Resex são formadas a partir dos espaços territoriais criados com o intuito de contribuir para a conservação de determinadas áreas ambientais, aliando a preocupação em conservar os recursos naturais com a sua utilização sustentável e a permanência e manutenção dos meios de vida das populações tradicionais residentes nesses territórios. Tais espaços são produtos da luta histórica, iniciada, sobretudo, na região Norte do país. O processo de constituição das Resex é palco de uma diversidade de interesses, o que vai acarretar no surgimento de conflitos, especialmente, o conflito socioambiental. No caso das Resex Marinhas, os conflitos que as envolvem adquirem uma dimensão ainda maior, haja vista a localização privilegiada em que essas unidades são criadas. Assim, este trabalho busca trazer uma contribuição ao debate para se pensar nas principais perspectivas e desafios envolvidos na criação de uma Resex. Trata-se de uma pesquisa de caráter descritivo, que compreende, além de informações bibliográficas referentes à temática em análise, dados de campo obtidos a partir de entrevistas a extrativistas da Resex Marinha de Canavieiras, Bahia. Como resultado, conclui-se que a conservação de determinados espaços ambientais por meio da criação de uma Resex é fundamental para a proteção territorial e a manutenção dos meios de vida das populações. No entanto, para a sua criação é imprescindível a organização e mobilização das populações tradicionais, com vistas ao enfrentamento dos interesses contrários à sua criação dada suas especificidades, localização e as diferentes formas de conflitos socioambientais inerentes a esse processo.

Palavras-chave


Conservação ambiental; Populações tradicionais; Resex; Território.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, P. C. B. de. Transformações socioambientais do município de Canavieiras (Bahia): uma análise à influência da Resex. 2011. 130 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente) - Programa Regional de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, 2011.

ALMEIDA, M. B. W. Direitos à floresta e ambientalismo: seringueiros e suas lutas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 19, n. 55, jun. 2004.

BENETTI, J. H. A criação de unidades de conservação em áreas de apossamento de populações tradicionais um problema agrário ou ambiental? [Aleixo, AM]: Fundação Vitória Amazônia, 1998.

BRASIL. Câmara dos Deputados. PL 3068/2015. Dispõe sobre a criação da Área de Proteção Ambiental de Canavieiras, localizada nos Municípios de Canavieiras, Belmonte e Una, no Estado da Bahia. Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=1738598. Acesso em: 28 ago. 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília: Senado Federal, 1988. 292 p.

BRASIL. Decreto nº 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm. Acesso em: 1 dez. 2016.

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=322. Acesso em: 15 jan. 2016.

BRASIL. Ministério dos Direitos Humanos. Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Comunidades tradicionais: o que são. Disponível em: http://www.seppir.gov.br/comunidades-tradicionais/o-que-sao-comunidades-tradicionais. Acesso em: 27 ago. 2018.

CHAMY, P. Reservas extrativistas marinhas como instrumento de reconhecimento do direito consuetudinário de pescadores artesanais brasileiros sobre territórios de uso comum. In: CONGRESO BIENAL DE LA ASOCIACIÓN INTERNACIONAL PARA EL ESTUDIO DE LA PROPIEDAD COLECTIVA (IASCP), 10., 2004, Oaxaca. Anais [...]. Oaxaca, México: [IASCP], 2004.

CURADO, I. B. Resex Canavieiras: articulação social como resposta aos conflitos vivenciados na criação da unidade. In: REUNIÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA, 29., 2014, Natal. Anais [...]. Brasília: Associação Brasileira de Antropologia, 2014.

DIEGUES, A. C. Ecologia humana e planejamento em áreas costeiras. São Paulo: NUPAUB, 2001.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Resex de Canavieiras. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/resex-de-canavieiras?highlight=WyJjYW5hdmllaXJhcyJd. Acesso em: 27 ago. 2018a.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Unidades de conservação. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/unidadesdeconservacao/biomas-brasileiros. Acesso em: 28 ago. 2018b.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Universidade Federal de Viçosa. Relatório Parcial II Reserva Extrativista Marinha de Canavieiras, localizada nos municípios de Canavieiras, Una e Belmonte no Estado da Bahia. Viçosa, 2015.

LITTLE, P. E. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Brasília, 2002.

MILANEZ, F. 25 anos sem Chico Mendes. Carta Capital, 22 dez. 2013.

MUCELIN, C. A.; BELLINI, M. Lixo e impactos ambientais perceptíveis no ecossistema urbano. Revista Sociedade & Natureza, v. 20, n. 1, p. 111-124, 2008.

MUNIZ, L. M. Ecologia política, o campo de estudos dos conflitos socioambientais. Revista Pós Ciências Sociais, v. 6, n. 12, p. 85-103, 2009.

NAKASHIMA, M. Chico Mendes por ele mesmo. São Paulo: Martin Claret, 1992.

NUNES, L. H. Repercussões globais, regionais e locais do aquecimento global. Terra Livre, ano 19, v. 1, n. 20, p. 101-110, 2003.

OLIVEIRA FILHO, Marco Aurélio Maia Barbosa. A luta dos seringueiros e a criação das reservas extrativistas: os trabalhadores da borracha numa perspectiva histórica. Revista Eletrônica Centro de Memória Operária e Popular, n. 1, mar. 2012.

OLIVEIRA, A. U. de. A longa marcha do campesinato brasileiro: movimentos sociais, conflitos e reforma agrária. Estudos Avançados, v. 15, n. 43, set./dez. 2001.

REDE WEB NEWS. Projeto de Lei transforma (RESEX) de Canavieiras em (APA) Área de Proteção Ambiental. 2018. Disponível em: https://istoenoticia.com/?p=5999. Acesso em: 28 ago. 2018.

RESERVA Extrativista Alto Juruá. In: UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO BRASIL. Disponível em: https://uc.socioambiental.org/uc/177. Acesso em: 28 ago. 2018.

RODRIGUES FILHO, S.; SANTOS, A. S. Um futuro incerto: mudanças climáticas e a vida no planeta. Rio de Janeiro: Garamond, 2011.

SANTOS, C. Z.; SCHIAVETTI, A. Reservas extrativistas marinhas do Brasil: contradições de ordem legal, sustentabilidade e aspecto ecológico. Boletim Instituto de Pesca, n. 39, v. 4, p. 479-494, 2013.

SILVA JÚNIOR, S. R. da; SIQUEIRA, D.; MANESCHY, M. C.; RIBEIRO, T. G. Conservação dos recursos naturais, práticas participativas e institucionalização: reserva extrativista de Caeté-Taperaçu/Amazônia brasileira. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, Barcelona, v. 18, n. 477, maio 2014.

SILVA, N. Q. A. da; MULLER, C. A. da S. Reservas extrativistas na Amazônia: uma visão dos atores por meio do discurso do sujeito coletivo. Revista em Agronegócio e Meio Ambiente, v. 10, n. 1, p. 191-212, jan./mar. 2017.

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO BRASIL. Reserva extrativista. Disponível em: http://uc.socioambiental.org/uso-sustentável/reserva-extrativista. Acesso em: 28 ago. 2018.

VALLEJO, Luiz Renato. Unidades de conservação: uma discussão teórica à luz dos conceitos de território e de políticas públicas. GEOgraphia, Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, 2003.

VIEGAS, Rodrigo Nunes. Conflitos ambientais e lutas materiais e simbólicas. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 19, p. 145-157, jan./jun. 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9168.2019v12n4p1291-1316

Revista em Agronegócio e Meio Ambiente


Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 2176-9168 On-line
ISSN 1981-9951 Versão impressa interrompida em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.