<b>Efeito da Aplicação do eCG na Taxa de Aproveitamento e de Prenhez em Receptoras de Embriões

  • Carlos Henrique Vedana Cesumar
  • Rafael Alberto Balestrin Cesumar
  • Fábio Luiz bim Cavalieri Cesumar
  • Luiz Paulo Rigolon Cesumar
  • Fábio José Lourenço Cesumar
  • Milena Brandão Seko Cesumar
  • Izabelle Picada Cesumar
  • Marcio Tiburcio
  • Fabiola dos Santos Ramos
Palavras-chave: Cio, Embrião, Prenhez, Sincronização, Fertile Period, Embryos, Pregnancy, Synchrony.

Resumo

A taxa de prenhez de receptoras de embriões é um dos pontos mais importantes na transferência de embriões e na FIV (fertilização em vitro). Para isto foi realizado um experimento na fazenda do Cesumar, no período de janeiro a maio de 2006, sendo utilizadas 360 receptoras cruzadas Simental X Nelore e Abeerdin Angus X Nelore, com peso médio de 380 kg. Os animais foram divididos em três tratamentos com 120 indivíduos cada, separados em piquetes de braquiária a céu aberto, todos sofrendo as mesmas alterações climáticas e recebendo água e sal mineral à vontade. Os animais foram sincronizados, e aqueles do tratamento 1 receberam um dispositivo intravaginal impregnado de progesterona (Cronipress-Biogenisis) e aplicação intramuscular de 2,0mg de benzoato de estradiol (Estrogin®). Oito dias após a inserção do implante os dispositivos foram retirados e aplicados 150 µg de clorprostenol (Veteglan®-Serono Produtos Farmacêuticos Ltda), e 24 horas depois foi aplicado 1,0 mg de benzoato de estradiol. Nos animais do tratamento 2 e 3 aplicaram-se 400 UI de eCG (Folligon-Intervet) no D5 e/ou em D8 (momento da retirada do implante) respectivamente. Não houve efeito de tratamento (p>0,05) na taxa de prenhez para os animais do tratamento 1, 2 e 3, no entanto a taxa de aproveitamento de receptoras foi maior nos animais que receberam eCG no D5 ou D8, na comparação com o controle. Assim podemos concluir que a aplicação do eCG melhora a taxa de aproveitamento de receptoras para a inovulação de embrião, mas não altera a taxa de prenhez, independentemente do dia da aplicação.

Biografia do Autor

Carlos Henrique Vedana, Cesumar
Discente do Curso de Medicina Veterinária do Centro Universitário de Maringá – CESUMAR; Bolsista do Programa de Iniciação Científica CNPq/CESUMAR. E-mail: kaevedana@hotmail.com
Rafael Alberto Balestrin, Cesumar
Discente do Curso de Medicina Veterinária do Centro Universitário de Maringá – CESUMAR. E-mail: rafa_balestrin@hotmail.com
Fábio Luiz bim Cavalieri, Cesumar
Docente do Curso de Medicina Veterinária do Centro Universitário de Maringá – CESUMAR. E-mail: fabiobim@cesumar.br
Luiz Paulo Rigolon, Cesumar
Docente do Curso de Medicina Veterinária do Centro Universitário de Maringá – CESUMAR. E-mail: rigolon@cesumar.br
Fábio José Lourenço, Cesumar
Docente do Curso de Medicina Veterinária do Centro Universitário de Maringá – CESUMAR. E-mail: fjlourenco@onda.com.br
Milena Brandão Seko, Cesumar
Bióloga do Centro de Biotecnologia em Reprodução Animal do Centro Universitário de Maringá –BIOTEC-CESUMAR. E-mail: milenaseko@hotmail.com
Izabelle Picada, Cesumar
Docente do Curso de Medicina Veterinária do Centro Universitário de Maringá – CESUMAR. E-mail: isabelepicada@hotmail.com
Marcio Tiburcio
Médico Veterinário. E-mail: marcio_jvet@hotmail.com
Fabiola dos Santos Ramos
Médica Veterinária. E-mail: fabiolasramos@hotmail.com
Publicado
2008-10-27
Seção
Artigos de Iniciação Científica