<b>Análise de Substratos Alternativos para o Cultivo de Pleurotus ostreatoroseus e Pleurotus florida

  • Marcela Funaki dos Reis Centro Universitário de Maringá – CESUMAR
  • Fabiane Ducca Centro Universitário de Maringá – CESUMAR
  • Damiana Maria Ferdinandi Centro Universitário de Maringá – CESUMAR
  • Patrícia da Costa Zonetti Cesumar
  • Fábio Rogério Rosado Institute de La Recherche Agronomique – INRA
Palavras-chave: Cogumelos Comestíveis, Resíduo de Algodão, Substratos Lignocelulósicos.

Resumo

O consumo e cultivo de cogumelos estão crescendo devido as suas propriedades nutracêuticas. Uma alternativa viável para sua produção se constitui na utilização de substratos lignocelulósicos, os quais podem ser obtidos de resíduos vegetais. Este trabalho avaliou o desenvolvimento micelial e a produção dos cogumelos Pleurotus ostreatoroseus e Pleurotus florida em diferentes resíduos lignocelulósicos. As espécies foram cultivadas em resíduo de algodão, ligustre puro e suplementado, serragem suplementada e grãos de trigo. Diariamente foram efetuadas contagens para determinação do tempo médio de desenvolvimento do micélio. A produção foi realizada em resíduo de algodão puro e suplementado. O resíduo de algodão foi o substrato que permitiu o menor tempo médio de desenvolvimento micelial e maior produtividade quando suplementado.

Biografia do Autor

Marcela Funaki dos Reis, Centro Universitário de Maringá – CESUMAR
Discente do curso de Ciências Biológicas do Centro Universitário de Maringá – CESUMAR. E-mail: mayumebio@gmail.com
Fabiane Ducca, Centro Universitário de Maringá – CESUMAR
Licenciada em Ciências Biológicas do Centro Universitário de Maringá – CESUMAR. E-mail: fabianeducca@yahoo.com.br
Damiana Maria Ferdinandi, Centro Universitário de Maringá – CESUMAR
Discente do Curso de Biomedicina do Centro Universitário de Maringá - CESUMAR. E-mail: damianaferdinandi@hotmail.com
Patrícia da Costa Zonetti, Cesumar
Docente Doutora da Universidade Federal do Paraná - UFPR - Campus Palotina. E-mail: zonettipat@hotmail.com
Fábio Rogério Rosado, Institute de La Recherche Agronomique – INRA
Doutor em Biologia Celular e Molecular pela Universidade Estadual de Maringá – UEM; Pós doutorando do Institute de La Recherche Agronomique – INRA, France. E-mail: fabiorosado.bio@gmail.com
Publicado
2010-04-15
Seção
Meio Ambiente