Jardim com Plantas Medicinais

Igor Grecco de Lima, Bruna Barbosa Barroca, Antonio Claret Pereira de Miranda, Pérsio Sandir D´Oliveira

Resumo


Este trabalho foi executado para avaliar o uso de plantas medicinais na formação de jardins. Foram empregadas oito espécies, escolhidas pelo aroma, beleza, porte, rusticidade e velocidade de crescimento: babosa (Aloe vera L.), bálsamo (Cotyledon orbiculata L.), capuchinha (Tropaeolum majus L.), hortelã (Mentha piperita L.), losna (Arthemisia absinthium L.), manjericão (Ocimum basilicum L.), mil-folhas (Achillea millefolium L.) e orégano (Origanum vulgare L.). O experimento foi conduzido em condições de campo, com mudas obtidas por via vegetativa, produzidas no Horto de Plantas Medicinais do CESUMAR. O plantio ocorreu no mês de novembro de 2007, e o jardim foi avaliado em julho de 2008. A adubação de plantio foi feita com vermicomposto (3 kg m-2). Durante todo o período as plantas foram monitoradas para manutenção da fitossanidade, bem como irrigadas durante a época seca. Ao final do período do experimento, verificou-se que as plantas medicinais não apresentaram sintomas de ataque de pragas e doenças, e todas, com exceção da hortelã, mostraram desenvolvimento adequado nas condições de clima e solo do ensaio. As plantas medicinais podem ser usadas para a formação de jardins com finalidade ornamental.

Palavras-chave


Urbanismo; Paisagismo; Plantas Medicinais; Sustentabilidade.

Texto completo:

Artigo_Pdf


Iniciação Científica Cesumar
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9192 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1518-1243 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.