Estudo Comparativo do Tratamento da Escoliose Idiopática Adolescente Através dos Métodos de RPG e Pilates

Dora de Castro Agulhon Segura, Fabiano Carlos do Nascimento, Carlos Alexandre Chiossi, Manoel Américo Alves da Silva, Juliane Honório Guilherme, Jeniffer Vilar Santos

Resumo


A escoliose é definida como um desvio lateral da coluna vertebral, sendo que 80% dos casos são considerados de origem idiopática. Pequenos graus de curvatura ocorrem em até 20% dos adolescentes, porém no sexo feminino a probabilidade de progressão do desvio é maior. Diversas técnicas são citadas como corretivas, entre elas a Reeducação Postural Global e o Método Pilates descrevem os melhores resultados. Assim, este estudo descritivo objetivou realizar uma comparação da evolução clínica, avaliada pela analise do ângulo de Cobb e pela escala visual analógica de dor em 16 pacientes do sexo feminino, idade entre 10 e 16 anos, com diagnóstico de escoliose idiopática toráco-lombar, com angulação anormal entre 10°e 20°. As meninas foram divididas em dois grupos: um submetido à técnica da RPG, através das posturas sentada e rã no ar, durante cerca de 45 minutos à sessão, e outro ao método Pilates, através da realização dos exercícios spine stretch forward, swimming, leg pull front, leg pull front (variação), leg pull back, one leg up-down e rolling back, com séries de 10 repetições, durante 40 minutos a sessão, ambas técnicas efetuadas 2 vezes semanais totalizando 20 sessões. A analise estatística foi realizada através do cálculo das médias e análise das diferenças pelo teste t de Student. Os resultados demonstraram melhora significativa na redução do nível de dor e da curva escoliótica em ambas as técnicas, sendo assim extremamente indicadas no tratamento conservador da escoliose.

Palavras-chave


Escoliose; Método Pilates; Reeducação Postural Global.

Texto completo:

Artigo_Pdf

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.