Pacientes Oncológicos Pediátricos: Manifestações Bucais da Terapia Antineoplásica

Camila Oliveira Borges Frazão, Thays Almeida Alfaya, Raphael Coimbra Costa, Monica Lage da Rocha, Cresus Vinicius Depes Gouvêa, Andréa Pereira de Morais

Resumo


As doenças neoplásicas malignas têm apresentado alta prevalência nos últimos anos, sendo o diagnóstico precoce de grande importância. Em crianças, apesar de a prevenção ser mais difícil, o câncer é mais sensível ao tratamento e, portanto, tem melhores resultados. O tratamento se resume basicamente em químio e radioterapia, sendo comum o aparecimento de alterações na cavidade oral, sejam elas no desenvolvimento craniofacial ou decorrente do quadro de imunossupressão. O objetivo deste trabalho foi realizar uma revisão de literatura sobre as principais alterações bucais decorrentes do tratamento antineoplásico em pacientes pediátricos, destacando o papel do cirurgião-dentista juntamente com a equipe médica na prevenção, diagnóstico, controle e tratamento dos efeitos colaterais na cavidade bucal. Tendo em vista que a presença de um cirurgião-dentista na equipe oncológica multidisciplinar é de grande importância no acompanhamento dos pacientes, ressalta-se o seu papel fundamental desde a avaliação odontológica inicial até exames periódicos no transcorrer da terapia antineoplásica.

Palavras-chave


Neoplasias; Criança; Odontologia.

Texto completo:

PDF


Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.