A Bebida Alcoólica como “Porta de Entrada” para o Uso de Outras Drogas Psicoativas

Cristina Silveira Santos, Keila Mary Gabriel

Resumo


Esta pesquisa teve por objetivo específico investigar se o consumo da bebida alcoólica entre os dependentes químicos foi “a porta de entrada” para o uso de outras drogas psicoativas. Os objetivos gerais visaram integrar constantes revisões bibliográficas atinentes à temática proposta, as quais ofereceram respaldo teórico para os dados que se obteve. Para realização desta pesquisa de campo requereu-se a autorização do Comitê Permanente de Ética em Pesquisa da UniCesumar, explicaram-se ao responsável pela instituição eleita e a todos os participantes da pesquisa, todos os aspectos acerca da mesma, expondo seus objetivos. Com autorização da instituição na qual foi realizada a pesquisa, por meio de declaração de autorização, aplicaram-se os questionários, com a anuência dos participantes, por meio do termo de consentimento. Este trabalho foi uma pesquisa de campo, realizada em auditório de um grupo de apoio da cidade de Maringá - PR. Para a coleta de dados, empregou-se o método estatístico de amostragem com aplicação de questionário quantitativo fechado (Anexo “A”) contendo 14 perguntas. Estes questionários foram aplicados a 30 (trinta) indivíduos que tinham feito uso de outra substância psicoativa, além do álcool, e eram partícipes do grupo de apoio para dependentes químicos. As averiguações explicitaram que os dependentes químicos, em sua maioria, consideram que o consumo da bebida alcoólica foi “porta de entrada” para o uso de outras drogas psicoativas.

Palavras-chave


Alcoolismo; Dependência Química; Drogas Psicoativas

Texto completo:

PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.