Imunização contra a Hepatite B e os Acidentes Ocupacionais: Importância do Conhecimento na Odontologia

Artênio José Isper Garbin, Bruno Wakayama, Mariana Martins Ortega, Cléa Adas Saliba Garbin

Resumo


A prática odontológica está diretamente ligada às várias fontes de contaminação com o vírus da hepatite B, portanto medidas protetivas são necessárias a fim de evitar sua infecção. O objetivo do estudo foi avaliar a conduta dos acadêmicos frente ao protocolo de vacinação contra a hepatite B e sua atitude pós-acidentes perfuro-cortantes. Trata-se de um estudo transversal descritivo quantitativo, com 153 acadêmicos de odontologia de uma universidade pública do noroeste paulista. Para análise dos dados, utilizou-se o software Epi.Info 7.1, por meio da estatística descritiva. Observou-se que 92,16% dos alunos afirmaram ter sido imunizados com a vacina, entretanto, 73,1% destes não fizeram o exame anti-HBS. Em relação aos acidentes ocupacionais, 18,3% dos indivíduos já se feriram, e apenas 28,6% fizeram os exames com a frequência recomendada. Conclui-se que há falhas nas condutas e atitudes dos alunos sobre os temas abordados, necessitando de discussões sobre as medidas preventivas e protetivas a fim de torná-las mais seguras e eficazes em sua rotina de trabalho.

Palavras-chave


Condutas na prática dos dentistas; Estudantes de odontologia; Exposição ocupacional; Hepatite B; Vacina conta hepatite B.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9206.2016v9n2p343-348

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.