SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO TRACOMA NO PIAUÍ, NORDESTE BRASILEIRO

Miguel Henrique Pereira de Paiva, Maria Amélia de Oliveira Costa, Rogério Ferreira Luz, Renato Douglas e Silva Souza, Adelmo Barbosa de Miranda Junior, Francisco Rogério de Araújo Melo Filho, Mayara Rafaela dos Reis

Resumo


Este estudo objetivou apresentar a epidemiologia do tracoma no Piauí com enfoque no número de casos positivos, formas clínicas e locais de ocorrência. Tratou-se de um estudo exploratório de abordagem quantitativa, realizado a partir da análise de dados de acesso restrito sobre a situação epidemiológica do tracoma no Piauí. Casos positivos de tracoma foram notificados em 34 municípios piauienses nos últimos nove anos, a maioria localizada na região Sudoeste do Estado e apresentando baixo índice de desenvolvimento humano. O município de Uruçuí apresentou o maior número de casos. foram notificados 593 casos de tracoma, sendo o tracoma folicular a forma clínica mais frequente, além de casos raros de tracoma inflamatório intenso e um caso de tracoma cicatricial. Considerando dados do último inquérito nacional do tracoma no Piauí, houve redução de municípios afetados, corroborando com a meta da Organização Mundial de Saúde de eliminação de tracoma até 2020.

Palavras-chave


Tracoma; Epidemiologia; Prevalência; Inquéritos epidemiológicos; Promoção da saúde

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN ACADEMY OF OPHTHALMOLOGY. Trachoma - Latin America. Washington: AAO, 2016. Disponível em: . Acesso em: 2 dez. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de vigilância do tracoma e sua eliminação como causa de cegueira. Brasília: MS, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Sistema nacional de vigilância em saúde: relatório de situação: Piauí. Brasília: MS, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Sistema de Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Tracoma: notificações registradas - banco de dados. Brasília: 2016.

EMERSON, P.M.; BURTON, M.; SOLOMON, A.W.; BAILEY, R.; MABEY, D. The Safe strategy for trachoma control: using operational research for policy, planning and implementation. Bull World Health Org, v.84, n.8, p. 613-619, 2006.

HOTEZ, P.J.; BOTTAZZI, M.E.; FRANCO-PAREDES, C.; AULT, S.K.; PERIAGO, M.R. The neglected tropical diseases of Latin America and the Caribbean: a review of disease burden and distribution and a roadmap for control and elimination. PLoS Negl Trop Dis, v.9, n.1, p.1-11, 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo populacional 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: . Acesso em: 6 dez. 2016.

INTERNATIONAL COALITION FOR TRACHOMA CONTROL. Práticas preferidas para administração em massa do Zithromax. Washington: ICTC, 2016.

KOIZUMI, I.K.; MEDINA, N.H.; D’AMARAL, R.K.K.; MORIMOTO, W.T.M.; CALIGARIS, L.S.A.;CHINEN, N. et al. Prevalência do tracoma em pré-escolares e escolares no município de São Paulo. Rev. Saúde Pública, v.39, n.6, p. 937-942, 2005.

LOPES, M. de F.C.; LUNA, E.J. de A.; MEDINA, N.H.; CARDOSO, M.R.A.; FREITAS, H.S. de A.; KOIZUME, I.K. et al. Prevalência de tracoma entre escolares brasileiros. Rev. Saúde Pública, v.47, n.3, p.451-459, 2013.

LUNA, E.J.A.; LOPES, M.F.C.; MEDINA, N.H.; FAVACHO, J.; CARDOSO, M.R. Prevalence of trachoma in schoolchildren in Brazil. Ophthalmic Epidemiol, v.23, n.6, p.360-365, 2016.

MARIOTI, S.P.; PASCOLINI, D.; ROSE-NUSSBAUMER, J. Trachoma: global magnitude of a preventable cause of blindness. Br J Ophthalmol., v.93, n.5, p. 563-568, 2009.

MELO, M.C.B. de.; FALCÃO, T.M.L.; SILVA, J.A.M.; ROCHA, T.T. de A.; ANDRADE, A.R. de. Tracoma: atenção prestada pelos profissionais da estratégia saúde da família em uma área endêmica. Saúde Pesqui., v.9, n.2. p.273-281, 2016.

OLIVEIRA, M.D. Situação epidemiológica do tracoma entre estudantes da rede pública de municípios do Piauí. 2015. 53f. Dissertação (Mestrado em Epidemiologia em Saúde Pública) - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Teresina, 2015.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Report of the 2nd Global Scientific Meeting on Trachoma. Washington: WHO, 2003. Disponível em: . Acesso em: 4 dez. 2016.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. WHO simplified trachoma grading system. Community Eye Health, v.17, n.52, p.1, 2015.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. Desenvolvimento Humano e IDH. Brasília: PNUD, 2010. Disponível em: . Acesso em: 1 jan. 2017.

RAMESH, A.; KOVATS, S.; HASLAM, D.; SCHMIDT, E.; GILBERT, C.E.The impact of climatic risk factors on the prevalence, distribution, and severity of acute and chronic trachoma. PLoS Negl Trop Dis, v.7, n.11, p. 1-8, 2001.

SOLOMON, A.W.; ZONDERVAN, M.; KUPER, H.; BUCHAN, J.C.; MABEY, D.C.W.; FOSTER, A. Trachoma control: a guide for programme managers. Geneva: WHO, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/1983-1870.2017v10n1p127-134

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1983-1870 Impressa
ISSN 2176-9206 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.