CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO, DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E DAS CONDIÇÕES SOCIAIS DE IDOSOS OCTOGENÁRIOS

Matheus Santos Gomes Jorge, Willian Guerra de Lima, Patrícia Rodigheri Vieira, Sabrina Casarin Vogelmann, Rafaela Simon Myra, Lia Mara Wibelinger

Resumo


O objetivo deste estudo foi caracterizar o perfil sociodemográfico, as condições de saúde e as condições sociais de idosos octogenários. Estudo quantitativo, descritivo de corte transversal, que avaliou o perfil sociodemográfico (12 itens), as condições de saúde (15 itens) e as condições sociais (04 itens) de 58 idosos octogenários, por meio de um questionário estruturado, totalizando 31 itens avaliados. Os resultados demonstraram que a amostra era predominantemente feminina (68,96%), viúva (62,06%), com 80-89 anos (79,31%), com escolaridade básica (89,63%) e aposentada (75,86%). Possuíam casa própria (65,51%), tinham filhos e/ou netos (89,65%), eram católicos (84,48%), tinham plano de saúde (58,62%), apresentavam alterações oculares (72,41%) e faziam uso de dispositivos para correção (72,41%). A maioria apresentava hipertensão arterial sistêmica (55,17%), fazia uso de hipotensores (55,17%), realizava consultas médicas regulares (63,79%), já realizou fisioterapia (53,44%), praticava atividade física (65,11%) e classificou sua saúde como regular ou boa (43,10%). Em suma, o perfil sociodemográfico, as condições de saúde e as condições sociais dos idosos descritas neste estudo podem contribuir para o conhecimento sobre os octogenários, o que torna isto uma questão de saúde pública em virtude do progressivo crescimento populacional destes indivíduos.

Palavras-chave


Idoso de 80 anos ou mais; Idoso; Longevidade; Perfil de saúde; Condições sociais

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Em 10 anos, cresce número de idosos no Brasil. Portal Brasil, 2016A. Disponível em: . Acesso em: 28 de maio de 2017.

BRASIL. Expectativa de vida no Brasil sobe para 75,5 anos em 2015. Portal Brasil, 2016B. Disponível em: . Acesso em: 16 de maio de 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Área Técnica Saúde do Idoso. Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento. Brasília, DF, 2010, 44p.

BRITO T. A. et al. Capacidade funcional e fatores associados em idosos longevos residentes em comunidade: estudo populacional no Nordeste do Brasil. Fisioter Pesq, v. 21, n. 4, p. 308-313, 2014.

BRITO T. A. et al. Quedas e capacidade funcional em idosos longevos residentes em comunidade. Texto Contexto Enferm, v. 22, n. 1, p. 43-51, 2013.

CAMARANO, A. A. Envelhecimento da população brasileira: uma contribuição demográfica. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; 2002.

CELICH, K.L.S.; GALON, C. Dor crônica em idosos e sua influência nas atividades da vida diária e convivência social. Rev Bras Geriatr Gerontol, v. 12, n. 3, p. 345-359, 2009.

CHARLES, S.T.; CARSTENSEN, L. L. Social and Emotional Aging. Annu Rev Psychol, v.61, n.1, p. 383-409, 2010.

DUARTE, Y. A. O. et al. Religiosidade e envelhecimento: uma análise do perfil de idosos do município de São Paulo. Saúde Coletiva, v. 5, n. 24, p. 173-177, 2008.

GOLDESTEIN, L. L. Desenvolvimento do adulto e da religiosidade: uma questão de fé. In: NÉRI, A. L. (Org.). Qualidade de vida e idade madura. Campinas: Papirus, 1993. p. 83-108.

GRDEN, C. R. B. et al. Características sociodemográficas e de acesso de longevos aos serviços de saúde. Cienc Cuid Saude, v. 14, n. 4, p. 1505-1512, 2015.

KRUG R. R. et al. Prevalence of commuting physical activity and associated factors in long-lived older adults. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum, v. 18, n. 5, p. 520-529, 2016.

KUMMER, J. A.; FAREZIN, S.; WIBELINGER, L. M. Caracterização das condições de saúde de idosos participantes de grupos de convivência. EFDeportes, v. 19, n. 194, p. 1, 2014.

KÜPPER. B.; ZICK, A. Inverse gender gap in Germany: social dominance orientation among men and women. Int J Psychol, v. 46, n.1, p.33-45, 2011.

LENARDT, M. H. et al. Prevalence of pre-frailty for the component of gait speed in older adults. Rev Latino-Am Enfermagem, v. 21, n. 3, p. 734-774, 2013.

LENARDT, M. H.; CARNEIRO, N. H. K. Associação entre as características sociodemográficas e a capacidade funcional de idosos longevos da comunidade. Cogitare Enferm, v. 18, n. 1, p. 13-20, 2013.

LIN, J.C. et al. Alcohol, tobacco, and nonmedical drug use disorders in U.S. Adults aged 65 years and older: data from the 2001-2002 National Epidemiologic Survey of Alcohol and Related Conditions. Am J Geriatr Psychiatry, v.19, n.3, p.292-299, 2011.

MASTROENI, M. F. et al. Perfil demográfico de idosos da cidade de Joinville, Santa Catarina: Estudo de base domiciliar. Rev Bras Epidemiol, v. 10, n. 2, p. 190-201, 2007.

MENDES, G. S.; MORAES, C. F.; GOMES, L. Prevalência de hipertensão arterial sistêmica em idosos no Brasil entre 2006 e 2010. Rev Bras Med Fam Comunidade, v. 9, n. 32, p. 273-278, 2014.

MENEZES R. L.; BACHION, M. M. Condições visuais autorrelatadas e quedas em idosos institucionalizados. Rev Bras Oftalmol, v. 71, n. 1, p. 23-27, 2012.

MOURA, M. A. V.; DOMINGOS, A. M.; RASSY, M. E. C. A qualidade na atenção à saúde da mulher idosa: um relato de experiência. Esc Anna Nery, v. 14, n. 4, p. 848-855, 2010.

NAHAS, M. V. Atividade física, saúde e qualidade de vida. 4. ed. Londrina: Midiograf, 2008.

NEVES, S. J. F. et al. Epidemiologia do uso de medicamentos entre idosos em área urbana do Nordeste do Brasil. Rev Saúde Pública, v. 47, n. 4, p. 759-768, 2013.

NOGUEIRA, S. L. et al. Fatores determinantes da capacidade funcional em idosos longevos. Rev Bras Fisioter, v. 14, n. 4, p. 322-329, 2010.

PORCIÚNCULA, R. C. R. et al. Perfil socioepidemiológico e autonomia de longevos em Recife-PE, Nordeste do Brasil. Rev Bras Geriatr Gerontol, v. 17, n. 2, p. 315-325, 2014.

QUEIROZ, D. B. B. et al. Funcionalidade, aptidão motora e condições de saúde em idosos longevos residentes em domicílio. Arq Ciênc Saúde, v. 23, n. 2, p. 47-53, 2016.

RIBEIRO, D. K. M. N. et al. Fatores contributivos para a independência funcional de idosos longevos. Rev Esc Enferm USP, v. 49, n. 1, p. 89-95, 2015.

ROSSET, I. et al. Diferenciais socioeconômicos e de saúde entre duas comunidades de idosos longevos. Rev Saúde Pública, v. 45, n. 2, p. 391-400, 2011.

SENGER, A. E. V. et al. Alcoolismo e tabagismo em idosos: relação com ingestão alimentar e aspectos socioeconômicos. Rev Bras Geriatr Gerontol, v. 14, n. 4, p. 713-9, 2011.

SILVA, I.R.; GUNTHER, I.A. Papéis sociais e envelhecimento em uma perspectiva de curso de vida. Psc: Teoria e Pesquisa, v.16, n.1, p. 31-40, 2000.

VAROTO, V.A.G.; TRUZZI, O.M.S.; PAVARINI, S.C.L. Programas para idosos independentes: um estudo sobre seus egressos e a prevalência de doenças crônicas. Texto e Contexto Enferm., v.13, n. 1, p. 107-114, 2004.

VEIGA, B. et al. Avaliação de funcionalidade e incapacidade de idosos longevos em acompanhamento ambulatorial utilizando a WHODAS 2.0. Rev Bras Geriatr Gerontol, v. 19, n. 6, p. 1015-1021, 2016.

ZAITUNE, M. P. A. et al. Fatores associados ao tabagismo em idosos: Inquérito de Saúde no Estado de São Paulo (ISA-SP). Cad Saúde Pública, v. 28, n. 3, p. 583-595, 2012.

ZANIN, C. et al. Autopercepção de saúde em idoso com hipertensão arterial sistêmica. Rev Interdisciplinar de Ciências Médicas – MG, v. 1, n.1, p. 26-33, 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/1983-1870.2017v10n1p61-73

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1983-1870 Impressa
ISSN 2176-9206 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.