A REVELAÇÃO DE PUÉRPERAS NA ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL EM ESTRATÉGIAS DE SAÚDE DA FAMÍLIA

Patricia Menezes Schmitt, Bárbara Maldonado Tomazzetti, Letícia Hermes, Izabel Cristina Hoffmann, Melissa Medeiros Braz, Naiashy Vanuzzi Martelo

Resumo


O objetivo deste estudo foi averiguar junto às puérperas da maternidade de um Hospital Universitário referência em alto risco de um município do Rio Grande do Sul, suas percepções sobre a qualidade da assistência pré-natal oferecida em Estratégias de Saúde da Família (ESF). Pesquisa de abordagem qualitativa, descritiva, utilizado um questionário semiestruturado com 16 puérperas. Para o tratamento dos dados foi utilizada a análise de conteúdo de Minayo. Emergiu por meio da análise das falas das puérperas quatro categorias. Os resultados inerentes às análises, evidenciou-se que existem diferentes olhares na assistência pré-natal e são necessárias ações conjuntas em saúde pública que favoreçam a assistência de qualidade. Considera-se imprescindível que haja ações profissionais acolhedoras, redes de serviços com comunicação efetiva entre os profissionais envolvidos na atenção à saúde pública e mudança na cultura da sociedade com relação ao modelo biomédico centralizado.

Palavras-chave


Assistência pré-natal; Gestação; Estratégia saúde da família.

Texto completo:

PDF

Referências


Castro ME, Moura MAV, Silva LMS. Qualidade da assistência pré-natal: uma perspectiva de puérperas egressas. Rev Rene. 2010;11(Número Especial):72-81.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Saúde. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília: Ministério da Saúde; 2001. 202p.

Gonçalves, R, Urasaki MBM, Merighi, MAB, D Ávila CG. Avaliação da efetividade da assistência pré-natal de uma Unidade de Saúde da Família em um município da Grande São Paulo. Rev bras enferm. 2008;6(3):349-53.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Saúde. Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento. Brasília: Ministério da saúde; 2002. 28p.

Coutinho T, Teixeira MTB, Dain S, Sayd JD, Coutinho LM. Adequação do processo de assistência pré-natal entre as usuárias do sistema único de saúde em juiz de fora - MG. Rev Bras de Gin e Obst. 2003;25(10):717-24.

Moura S G, Melo MMM, Cézar ESR, Silva VCL, Dias MD, Filha MOF. Prenatal assistance carried out by nurse: a pregnant woman look J. Res.: fundam. care. [online]. 2015;7(3):2930-38.

Minayo, MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo(SP): Hucitec-Abrasco; 2013.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Saúde. Política Nacional da Humanização. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.16 p.

Menetrier JV, Almeida G. Perfil epidemiológico de gestantes de alto risco com parto prematuro em um hospital de referência. Revista Saúde e Pesquisa.2016; 9(3):433-41.

Oliveira RLA, Fonseca CRB, Carvalhaes MABL, Parada CMGL. Avaliação da atenção pré-natal na perspectiva dos diferentes modelos na atenção primária. Rev Latino-Americana de Enferm. 2013;21(2):8 telas.

Vieira SM, Bock LF, Zocche DA, Pessota CU. Percepção das puérperas sobre a assistência prestada pela equipe de saúde no pré-natal. Rev. Texto Contexto Enferm. 2011;20:255-62.

Guerreiro EM, Rodrigues DP, Silveira MAM, Lucena, NBF. O cuidado pré-natal na atenção básica de saúde sob o olhar de gestantes e enfermeiros. Rev Min de Enferm. 2012;16(3):315-32.

Alves CN, Wilhelm LA, Barreto CN, Santos CC, Meincke SMK, Ressel, LB. Cuidado pré-natal e cultura: uma interface na atuação da enfermagem.Rev Esc Anna Nery. 2015;19(2):265-71.

Melo RS, Costa ACPJ, Santos LH, Saldan PC, Santos Neto M, Santos FS. Práticas de aleitamento materno exclusivo entre profissionais de saúde de um hospital amigo da criança. Cogitare Enferm. 2017;22(4):505-23.

Duarte, SJH. Motivos que levam as gestantes a fazerem o pré-natal: um estudo das representações sociais. Rev Ciência y Enfermeria. 2013; 18(2):75-82.

Esposti CDD, Oliveira AE, Santos Neto ET, Travassos C. Representações sociais sobre o acesso e o cuidado pré-natal no Sistema Único de Saúde da Região Metropolitana da Grande Vitória, Espírito Santo. Saúde soc. 2015;24(3):765-79.

Navarro ASS, Guimaraes RLS, Garanhani ML. Trabalho em equipe: o significado atribuído por profissionais da estratégia de saúde da família. Rev Min Enferm. 2013;17(1):61-8.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Saúde. Manual Técnico do Pré-Natal e Puerpério Atenção qualificada e humanizada. Brasília: Ministério da Saúde; 2010. 162 p.

Pires D, Fertonani HP, Conill EM, Matos TA, Cordova FP, Mazur CS. A infl0uencia da assistência profissional em saúde na escolha do tipo de parto: um olhar sócio antropológico na saúde suplementar brasileira. Rev.Bras. de Saúde Matern. Infant. 2010;10(2):191-97.

Mota EM. Sentimentos e expectativas vivenciados pelas primigestas adolescentes com relação ao parto. Rev. da Rede de Enferm. do Nordeste. 2011;12(4):692-98.

Ministério da Saúde (BR). Portaria/GM/MS N°. 570, de 1° de junho de 2000. Institui o Componente I do Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento - Incentivo à Assistência Pré-natal no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília DF.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/1983-1870.2018v11n1p129-137

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1983-1870 Impressa
ISSN 2176-9206 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.