MOTIVO DA PROCURA DO CENTRO OBSTÉTRICO DO HOSPITAL SÃO JOSÉ POR GESTANTES DO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA

Gabriela Vefago Nunes, Érica Berckenbrock Brunel, Francielle Lazzarin de Freitas Gava, Cecília Marly Spiazzi dos Santos, Mônica Dal Pont Bonfanti, Ioná Vieira Bez Birolo

Resumo


O presente estudo objetiva identificar os motivos que levam as gestantes a procurar o centro obstétrico do hospital São José do município de Criciúma-SC. Trata-se de uma pesquisa de abordagem quantitativa transversal e descritiva. A pesquisa aconteceu com 353 gestantes/parturientes, no período de novembro de 2016 a março de 2017, onde se aplicou entrevista semiestruturada elaborada pelo comitê de mortalidade materno-infantil de Criciúma-SC juntamente com as pesquisadoras. A análise dos dados foi realizada a partir dos dados coletados, atendendo critérios estatísticos. Os resultados mostraram que os principais motivos que levaram as gestantes a procurar o centro obstétrico foram dor (49,9%), contração (15%), sangramento (13%), perda de líquido amniótico (12,7%), pressão alta (9,6) e expectativa de parturir (9,1%). A maioria das participantes não procurou a Unidade Básica de Saúde antes de ir ao centro obstétrico, e, as que procuraram consideraram o atendimento como não resolutivo. Sugerimos que os profissionais da equipe de saúde busquem ações para aumentar o vínculo com as gestantes/parturientes durante todo o processo gestacional.

Palavras-chave


Pré-natal; Gestante; Unidade Básica de Saúde; Centro obstétrico; Enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde Gravidez, parto e nascimento com saúde, qualidade de vida e bem-estar. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013.

Veras TCS, Mathias TAF. Hospitalizations leading causes for maternal disorders. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo. 2014; 48(3):401-8.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2012.

Oliveira DC, Mandú ENT. Mulheres com gravidez de maior risco: vivências e percepções de necessidades e cuidado. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro. 2015;19(1):93-101.

CEP/HSJ. Dados cedidos pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital São José. Criciúma, SC; 2016.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº. 510, de 07 de abril de 2016. Brasília, DF, 2016. Disponível em:

Oliveira EKS, Alves JCC, Cavalcante AL, Santos LGML, Miyazawa AP, Moura MRW, et al. Perfil das gestantes cadastradas em um centro de referência da assistência social do município de Rio Largo no estado de Alagoas no período de 2013 a 2014. Cad. Grad. Ciênc. Biológ. Saúde. 2016;3(2):177-90.

Gaioso EMS, Santos FCS, Ferreira AGN, Santos LH, Santos Neto M, Santos FS. Gestantes atendidas em hospital de referência do SUS: quem são e quais os motivos. J Manag Prim Health Care. 2014;5(1):33-9.

Teixeira SVB, Rocha CR, Moraes DSD, Marques DM, Villa ASE. Educação em saúde: a influência do perfil sócio-econômico-cultural das gestantes. Rev enferm UFPE online. 2010;4(1):133-41.

Ojule JD, Ibe VC, Fiebai PO. Pregnancy outcome in elderly primigravidae. Ann Afr Med. 2011;10:204-8.

Castro MR, et al. Gestantes que participam da organização não governamental bem nascer: estudo descritivo. R. Enferm. Cent. O. Min. 2013; 3(3):851-62.

Ministério da Saúde (BR). Atenção à gestante e à puérpera no SUS–SP: manual técnico do pré-natal e puerpério. São Paulo: SES/SP; 2010.

Sawyer A, Ayers S, Gyte G, Rabe H, Duley L. Measures of satisfaction with care during labour and birth: a comparative review. Bmc Pregnancy Childbirth. 2013;13(1):1-10.

Baldisserotto ML. Associação entre as boas práticas de assistência ao trabalho de parto e parto e a avaliação pelas puérperas do cuidado recebido. [Dissertação mestrado]. Rio de Janerio: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz); 2015.

Rodrigues ET. Perfil epidemiológico das gestantes de alto risco internadas em um hospital de Cáceres - Mato Grosso. [Dissertação]. Brasília: Universidade de Brasília; 2010.

Silva YF. Avaliação postural através da biofotogrametria em gestantes com dor lombar. [trabalho de conclusão de curso]. Paraíba: Universidade Estadual da Paraíba; 2013.

Gomes MRA, Araújo RC, Lima AS, Pitangui ACR. Lombalgia gestacional: prevalência e características clínicas em um grupo de gestantes. Rev Dor. 2013;14(2):114-7.

Souza PS. Os benefícios da fisioterapia nas alterações posturais em grávidas do 3º ao 9º mês. [Dissertação]. Goiânia: Faculdade de Ávila; 2007.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual Técnico, Gestação de Alto Risco. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2012.

Nery IS, Viana LS, Viana LMM, Araújo TME, Feitosa VC, Pereira VF. Perfil epidemiológico e obstétrico de gestantes com Síndrome Hellp. Cogitare Enferm. 2014;19(1):147-52.

Santos KAG, Ribeiro JLS, Silva PO. Infecção do trato urinário em gestantes. Anais da Jornada Científica; outubro 2016; Faculdade de São Lourenço. São Lourenço, MG; 2016.

Passos AA, Moura ERF. Indicadores de processo do Programa de Humanização no pré-natal e nascimento no Ceará, Brasil: análise da série histórica 2001-2006. Cad. Saúde Pública. 2008; 24(7):1570-80.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/1983-1870.2018v11n1p7-16

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1983-1870 Impressa
ISSN 2176-9206 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.