CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE SOBRE O DIAGNÓSTICO E CONDUTA PARA ANQUILOGLOSSIA EM BEBÊS

Ana Beatriz Rocha Pinto, Jéssica Behrens Crispim, Thaynara de Souza Lopes, Andressa Mioto Stabile, Gabriela Cristina Santin, Marina de Lourdes Calvo Fracasso

Resumo


O estudo avaliou o conhecimento de profissionais da área de saúde, sobre o diagnóstico e conduta clínica para o tratamento da anquiloglossia em bebês. A amostra (n=84) foi dividida em: G1 (46 médicos da ESF); G2 (13 pediatras); G3 (5 fonoaudiólogas) e G4 (20 dentistas da ESF), que responderam ao questionário (dados pessoais e aplicação do protocolo de avaliação do freio lingual, preconizado por Martinelli et al. (2012)6. Um total de 21 profissionais responderam adequadamente o questionário sendo estes 66,6% do gênero feminino, com idade média de 46,4±12,5 anos de modo que 80,9% já receberam pacientes com queixa de anquiloglossia. Quanto à obrigatoriedade do teste da linguinha constatou-se que o Grupo 1 apresentou menor grau de informação (57,1%) comparado ao Grupo 4 (21,4%), no entanto 57,1% dos profissionais avaliados não o fazem rotineiramente. Referente ao protocolo, nos itens 1, 2 e 3, três profissionais (14,2%) assinalaram figuras com diagnóstico correto (G1 e G3); em relação ao item 4, dez profissionais (47,6%) pontuaram corretamente. Conclui-se que houve grande desconhecimento quanto à obrigatoriedade do teste da linguinha e dificuldade no correto diagnóstico de anquiloglossia em bebês.

Palavras-chave


Anquiloglossia; Freio lingual; Bebês.

Texto completo:

PDF

Referências


Ballard JL, Auer CE, Khoury JC. Ankyloglossia: Assessment, Incidence, and Effect of Frenuloplasty on the Breastfeeding Dyad. Pediatrics. 2002; 110(5):63.

Braga LAS, Silva J, Pantuzzo CL, Motta AR. Prevalência de alterações de frênulo lingual e suas implicações na fala de escolares. RevCEFAC. 2009;11(3):378-390.

Brito SF, Marchesan IQ, Bosco CM, Carrilho ACA, Rehder MI. Frênulo lingual: classificação e conduta segundo ótica fonoaudiológica, odontológica e otorrinolaringológica. Rev CEFAC. 2008;10(3):343-51.

Martinelli RLC, Marchesan IQ, Berretin-Felix G. Protocolo para avaliação do frênulo lingual para bebês: Relação entre aspectos anatômicos e funcionais. Rev CEFAC. 2013;15(3):599-610.

Segal LM, Stephenson R, Dawes M, Feldman P. Prevalence, diagnosis, and treatment of ankyloglossia: methodologic review. Can Fam Physician. 2007; 53(6):1027-33.

Martinelli RLC, Marchesan IQ, Rodrigues AC, Berretin-Felix G. Protocolo de avaliação do frênulo da língua em bebês. Rev CEFAC. 2012;14(1):138-45.

Procópio IMS. Tratamento cirúrgico da anquiloglossia [monografia]. Brasília: Universidade de Brasília; 2014.

Buryk M, Bloom D, Shope T. Efficacy of neonatal release of ankyloglossia: a randomized trial. Pediatrics, 2011;128(2):280-8.

Marchesan IQ, Martinelli RLC, Gusmão RJ. Frênulo lingual: modificações após frenectomia. J Soc Bras Fonoaudiol. 2012;24(4):409-12.

Brasil. Presidência da República. Lei n° 13.002, de 20 de junho de 2014. Obriga a realização do Protocolo de Avaliação do Frênulo da Língua em Bebês. Diário Oficial [da União]. Brasília, DF; 23 jun. 2014. Seção 1, p. 4.

Cartilha do teste da linguinha: para mamar, falar e viver melhor. São José dos Campos, SP: Pulso Editorial, 2014.

Sousa EA. Teste da linguinha agora é obrigatório. [publicação na web]; 2014 acesso em 25 de março de 2015. Disponível em: http://www.redehumanizasus.net/86749-teste-da-linguinha-agora-e-obrigatorio

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. [homepage na internet]. Índice de desenvolvimento humano do município de Maringá-PR[acesso em 25 de março de 2015]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/maringa/pesquisa/37/30255

Prefeitura Municipal de Maringá. [página na internet]. Plano Municipal de Saúde de Maringá/Paraná [acesso em 25 de março de 2015]. Disponível em: http://www2.maringa.pr.gov.br/sistema/arquivos/b65b3c5fcd38.pdf.

O’Shea JE, Foster JP, O’Donnell CPF, Breatnach D, Jacobs SE, Todd DA, et al. Frenotomy for tongue‐tie in newborn infants. Cochrane Database Syst Rev [Internet]. 2014. [acesso em 2018 jul. 15] Disponível em: https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858.CD011065.pub2/full

Walker RD, Messing S, Rosen-Carole C, Benoit MM. Defining Tip–Frenulum Length for Ankyloglossia and Its Impact on Breastfeeding: A Prospective Cohort Study. Breastfeed Med. 2018;13(3):204-10.

Martinelli RLC, Marchesan IQ, Gusmão RJ, Honório HM, Berretin-Felix G. The effects of frenotomy on breastfeeding. J. Appl. Oral Sci. 2015;23(2):153-57.

Kupietzky A, Botzer E. Ankyloglossia in the infant and young child: clinical suggestions for diagnosis and management. Pediatr Dent. 2005; 27(1):40-6

Walsh J, Tunkel D. Diagnosis and treatment of ankyloglossia in newborns and infants: a review. JAMA. 2017;143(10):1032-39.

Silveira LMD, Prade LS, Ruedell AM, Haeffner LSB, Wienmann ARM. Aleitamento materno e sua influência nas habilidades orais de crianças. Revista de Saúde Pública. 2013;47(1):37-43.

Kramer MS, Kakuma R. Optimal duration of exclusive breastfeeding. Cochrane Database Syst Rev [Internet]. 2012.[acesso em 2018 jul. 15] Disponível em: https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858.CD003517.pub2/epdf/fu

Melo NSFO, Lima AAS, Fernandes A, Silva RPGVC. Anquiloglossia: relato de caso. RSBO. 2011;8(1):102-7.

Gomes E, Araújo FB, Rodrigues JA. Freio lingual: abordagem clínica interdisciplinar da Fonoaudiologia e Odontopediatria. Rev Assoc. Paul. Cir. Dent. 2012;69(1):20-4.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9206.2019v12n2p233-240

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.