<b>Saúde Indígena Urbana: Interface Entre Ações Estatais e Não Estatais

  • Viviane Sousa Universidade Estadual de Maringá - UEM
  • Marina Bennemann de Moura Universidade Estadual de Maringá - UEM
  • Lilian Denise Mai Universidade Estadual de Maringá - UEM
Palavras-chave: Atenção a saúde, Diversidade cultural, Saúde indígena

Resumo

A população indígena no Brasil corresponde a aproximadamente 800.000 indivíduos ou 0,4% da população brasileira. Apesar da maioria residir em terras indígenas (TI), parte expressiva desta vive hoje nas cidades. A atenção a saúde da população indígena merece destaque, pois os indicadores de saúde dessa população são sempre piores do que os dos demais segmentos populacionais. O presente texto teve por objetivo qualificar os atendimentos de saúde aos artesãos indígenas em Maringá e analisar a saúde indígena em uma perspectiva urbana. Trata-se de uma pesquisa descritivo-exploratória, de natureza quanti-qualitativa. Os sujeitos da pesquisa foram os indígenas registrados na Associação Indigenista de Maringá (Assindi) e, destes, os que possuíam registro de atendimento no sistema gestor do município em âmbito hospitalar e na atenção básica. Os cenários investigados foram a Assindi e os serviços públicos de saúde do município de Maringá, dois no âmbito hospitalar e todos da atenção básica. A análise dos dados orientou-se pela construção de um quadro geral quanto ao perfil dos sujeitos, a descrição dos atendimentos ocorridos e a análise da inserção da saúde indígena no sistema de saúde de Maringá. Conclui-se que não há uma ‘atenção diferenciada’ aos artesãos indígenas, mesmo em meio a muitas dificuldades próprias desta população; ainda, os dados apontam para a necessidade de que essa temática saia da marginalidade das políticas públicas e entre em discussão na pauta de todos os espaços de assistência e de formação em saúde, viabilizando indistintamente o direito à saúde como um direito constitucional de todos os brasileiros.

Biografia do Autor

Viviane Sousa, Universidade Estadual de Maringá - UEM
Acadêmica do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual de Maringá - UEM, Maringá – Paraná; E-mail: vivi_agito@hotmail.com
Marina Bennemann de Moura, Universidade Estadual de Maringá - UEM
Acadêmica do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual de Maringá - UEM, Maringá – Paraná. Bolsista PIBIC/CNPq - Fundação Araucária - UEM. marinabenn@hotmail.com
Lilian Denise Mai, Universidade Estadual de Maringá - UEM
Orientadora; Doutora em Enfermagem; Docente Adjunta do Departamento de Enfermagem da Universidade Estadual de Maringá-UEM, Maringá – Paraná, tutora do PET-Enfermagem; E-mail: ldmai@uem.br
Publicado
2012-05-28
Seção
Artigos de Iniciação Científica