<b>Avaliação de Dois Métodos de Separação, Diferenciação e Coloração de Linfócitos por meio da Reação de Microlinfocitotoxicidade

  • Glicélia da Rosa Cesumar
  • Alessandra Valéria de Oliveira Cesumar
  • Sueli Donizete Borelli UEM
  • Luciene Christina Marques da Silva Pereira UEM
Palavras-chave: microlinfocitotoxicidade, prova cruzada, anticorpos, microlymphocytotoxicity, cross match, antibodies

Resumo

A reação de microlinfocitotoxicidade é rotineiramente utilizada para realizar a prova cruzada. Os linfócitos do doador, nesta reação, são alvos dos aloanticorpos anti-HLA que podem estar presentes no soro do receptor, e por isso é importante definir a metodologia de separação, diferenciação e coloração dos linfócitos. Devido à fragilidade celular dos linfócitos, principalmente dos linfócitos B, os métodos de separação, diferenciação e coloração apresentam influência direta no resultado da reação. O objetivo deste estudo foi comparar duas metodologias de separação, diferenciação e coloração de linfócitos: os métodos de ficoll-hypaque/fluorobeads e azul de tripan/fluoroquent, respectivamente. Vinte e sete provas cruzadas foram desenvolvidas utilizando o método de ficoll-hypaque/tripan e 42 provas cruzadas pelo método de fluorobeads/fluoroquent. Os resultados mostraram a superioridade do método fluorobeads/fluoroquent no processo de separação, diferenciação e coloração para as duas populações de linfócitos, T e B.

Biografia do Autor

Glicélia da Rosa, Cesumar
Acadêmica do curso de Ciências Biológicas do Centro Universitário de Maringá – CESUMAR.
Alessandra Valéria de Oliveira, Cesumar
Docente do Departamento de Ciências Biológicas do Centro Universitário de Maringá – CESUMAR.
Sueli Donizete Borelli, UEM
Docente do Departamento de Análises Clínicas da Universidade Estadual de Maringá – UEM.
Luciene Christina Marques da Silva Pereira, UEM
Acadêmica do curso de Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Maringá – UEM.
Publicado
2007-11-20
Seção
Artigos Originais