<b>Alterações fisiopatológicas no período gestacional, relacionadas à ocupação das gestantes do "Lar Prevenção da Vida" no município de Maringá no ano de 2002

  • Halina Camargo Senhorinho CESUMAR
  • Nádia Pastoril Carreira de Souza CESUMAR
  • Cibelle Hedviges Sousa CESUMAR
  • Carla Cristina Torres Gabriel CESUMAR
Palavras-chave: gestação, fisiopatologia gestacional, fisioterapia

Resumo

O "Lar Prevenção da Vida" é uma instituição mantida por doações e abriga gestantes de baixa renda. As gestantes têm acesso restrito a serviços de saúde e, quando ingressam no Lar, passam a trabalhar como fiandeiras durante 6 a 8 horas por dia. É um trabalho desgastante, pois exige longos períodos na posição sentada, realizando um mesmo movimento. Essas mulheres receberam pouca ou nenhuma orientação, tanto em relação à gestação, quanto ao trabalho. Devido à precariedade do local e as atividades, elas apresentam uma série de distúrbios osteomusculares e circulatórios, alguns comuns na gravidez, porém reforçados pela posição inadequada do trabalho, outros excessivos, podendo vir a comprometer a saúde da mãe no futuro, Objetivou-se avaliar as gestantes de forma holística a fim de determinar as principais queixas e alterações em nível postural, para com isso traçar medidas para uma gestação saudável e ao longo da vida e analisar o ambiente, para a detecção de alterações ergonômicas e melhorá-las com a utilização de materiais do próprio Lar ou doações. Para este fim, foram realizados: questionário estruturado, aberto e fechado, avaliação postural e músculo-esquelético, testes espaciais, dentre eles: teste de diástase do reto abdominal e teste de trendelemburg para varizes, com 100% das gestantes que habitam no Lar, e a avaliação do ambiente, para a detecção de alterações ergonômicas que possam intervir na qualidade de vida das futuras mães. No cotidiano das gestantes analisadas, as patologias são freqüentes e muitas vezes tornam-se recidivas. Dentre 100% das gestantes analisadas, 60% apresentam lombalgia como principal queixa, 20% apresentam dor abdominal, enquanto as 20% restantes se dividem entre varizes e paresias/parestesias. Dentre as alterações posturais encontradas, a hiperlordose, assimetria da cintura escapular, cifose e profusão de ombros são as mais prevalentes, acometendo 100%, 80%, 50% das gestantes, respectivamente. Da análise das inadequações posturais na realização do trabalho e afazeres domésticos, a postura inadequada foi prevalente em 100% das gestantes, e da análise das condições de itens de estrutura física do local, foi obtido em torno de 60% de alterações ergonômicas. A partir dos dados levantados e parametrizados, foram realizadas adaptações com materiais do próprio "Lar" dentre eles: madeira, listas telefônicas, sacos de espuma, almofadas; e as doações de cadeiras e mesas melhoraram 80% as condições iniciais da Instituição. Para as inadequações posturais durante a rotina das gestantes, queixas principais e secundárias e alterações físicas encontradas, foram dadas orientações, aulas de alongamento e exercícios para as gestantes, com melhora referida por 100% destas.

Biografia do Autor

Halina Camargo Senhorinho, CESUMAR
Discente do Curso de Fisioterapia do CESUMAR - Centro Universitário de Maringá
Nádia Pastoril Carreira de Souza, CESUMAR
Discente do Curso de Fisioterapia do CESUMAR - Centro Universitário de Maringá
Cibelle Hedviges Sousa, CESUMAR
Discente do Curso de Fisioterapia do CESUMAR - Centro Universitário de Maringá
Carla Cristina Torres Gabriel, CESUMAR
mestranda, Orientadora, Docente do Curso de Fisioterapia do CESUMAR Centro Unversitário de Maringá
Publicado
2007-07-18
Seção
Artigos Originais