AS HORTAS URBANAS E A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE INSTITUÍDA NA CONSTITUIÇÃO

Ana Thais Freitas Borges, Cecilia Maria Cardoso Freitas, Kleycilene de Jesus Nunes Santos, Maria Cecilia de Freitas Borges

Resumo


Este estudo é fundamentado nos ditames do “Estatuto das Cidades”, lei federal nº. 10.257, leis do estado do Maranhão e na Constituição da República Federativa do Brasil que institui, dentre os direitos individuais e coletivos, que a propriedade atenderá a sua função social. Daremos enfoque no aprimoramento social à evolução dos direitos concernentes aos espaços urbanos que geram grandes expectativas de progressos aplicados a políticas habitacionais advindas, sobretudo, dos reclamos dos movimentos populares organizados, que apontam uma mudança nos rumos do processo e apropriação do espaço urbano nas cidades brasileiras. No entanto, a implantação dessas leis têm encontrado sérias barreiras que dificultam a caminhada no sentido de construção de cidades ambientalmente equilibradas e socialmente mais justas. Para chegar a esta solução de cunho social urbano, o trabalho contou com fundamentação legislativa urbanística do município de São Luis, projeto arquitetônico, teoria básica sobre agroecologia, paisagem, tecnologias sustentáveis.

Palavras-chave


Agricultura urbana; Estatuto; Função social

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 16. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

BRASIL. Lei n° 10.257, de 10 de julho 2001. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Palácio do Planalto, Brasília, DF,10 jul. 2001.

BRASIL. Lei nº 4.590, de 11 de janeiro de 2006. Dispõe sobre a construção, reconstrução e conservação de muros e calçadas e dá outras providências. Disponível em: http://www2.saoluis.ma.gov.br/custom_files/File/Lei%20n_4590.2006.pdf. Acesso em: 12 jul. 2015.

BURNETT, F. L. Uso do solo e ocupação territorial na região metropolitana de São Luís: dinâmica econômica e realidade sócio-ambiental dos Municípios de São Luís e São José de Ribamar. São Luís: Setagraf, 2012. 84 p.

CARNEIRO, F. F.; AUGUSTO, L. G. S.; RIGOTTO, R. M.; Friedrich, K.; BÚRIGO, A. C. (Org.). Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. Rio de Janeiro: EPSJV; São Paulo: Expressão Popular, 2015.

SALVADOR, C. A. Agricultura orgânica. Secretaria da Agricultura e do Abastecimento. Paraná, 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2015.

SÃO LUÍS. Lei 3.253, de 29 de dezembro de 1992. Dispõe Sobre o zoneamento, parcelamento, uso e ocupação do solo urbano e dá outras providências. Disponível em: http://www.gepfs.ufma.br/legurb/LEI%203253.pdf. Acesso em: 12 jul. 2015.

SILVA, G.; ROMERO, M. Sustentabilidade urbana aplicada: análise dos processos de dispersão, densidade e uso e ocupação do solo para a cidade de Cuiabá, Estado de Mato Grosso, Brasil. EURE (Santiago), v. 41, n.122, p. 209-237, 2015. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2015.

SILVA, J. A. Curso de direito constitucional positivo. 17. ed. rev e atualizada. São Paulo: Basso, 2015.

SOUZA, E. Como fazer cidades: “guerrilheiros urbanos” e os jardins urbanos em Berlim. 2012. Disponível em: . Acesso em: 4 dez. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/1518-1243.2017v19n1p75-86

Iniciação Científica Cesumar

Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1518-1243 Impressa
ISSN 2176-9192 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.