ATITUDES LINGUÍSTICAS DOS RIKBAKTSA: DISCURSO PÚBLICO SOBRE A LÍNGUA

Mileide Terres de Oliveira

Resumo


Neste trabalho trazemos o povo Rikbaktsa, habitantes de 35 comunidades indígenas situadas no noroeste do Estado de Mato Grosso. A proposta de nossa pesquisa é de cunho sociolinguístico, em que analisamos as atitudes linguísticas dos Rikbaktsa a partir da situação de contato entre a língua rikbaktsa e o português, em que a atitude linguística consiste no discurso público sobre a língua. Para o referido trabalho, enfatizamos o discurso público sobre a língua a partir de uma pesquisa bibliográfica e coleta de dados, realizada por meio de um questionário fechado aplicado, a 30 colaboradores bilíngues rikbaktsa/português. Dos resultados encontrados, enfatizamos que a educação indígena é um mecanismo de auxílio para a preservação do idioma nativo, além da formação de professores indígenas capacitados para ministrarem aulas nas aldeias e consequentemente preservar a sua cultura.

Palavras-chave


Língua rikbaktsa; Sociolinguística; Atitudes linguísticas.

Texto completo:

PDF

Referências


ARRUDA, R. S. V. Os Rikbaktsa: mudança e tradição. 1992. Tese (Doutorado em Antropologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1992.

ATHILA, A. R. “Arriscando corpos:” permeabilidade, alteridade e as formas de socialidade entre os Rikbaktsa (Macro-Jê) do sudoeste Amazônico. 2006. Tese (Doutorado em Sociologia e Antropologia) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2006.

BOSWOOD, J. Evidências Para a Inclusão do Aripaktsa no Filo Macro-Jê. Série Linguística, Associação Internacional de Linguística – SIL, Anápolis, n. 1, p. 67-78, 1973. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2016.

CALVET, L.J. Sociolinguística: uma introdução crítica. São Paulo: Parábola, 2002.

FISHMAN, J. Sociología del Lenguaje. Trad. Ramón Sarmiento y Juan C. Moreno. Madrid: Cátedra, 1995.

GIMENES MORALIS, E. Dialetos em contato: um estudo sobre atitudes Linguísticas. 2000. Disponível em: . Acesso em:17 out. 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. 2010. Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2016.

ISA- Instituto Socioambiental. 2014. Disponível em: . Acesso em: 17. out. 2016.

MEDEIROS, I. A. Inclusão Social na Universidade: Experiências na UNEMAT. Dissertação (Mestrado em Política Científica e Tecnológica) - UNICAMP, 2008.

PACINI, A. Pacificar: Relações Interétnicas e Territorialização dos Rikbaktsa. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1999.

PACINI, A. Um artífice da paz entre seringueiros e índios. São Leopoldo: Ed. da UNISINOS, 2015.

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA AS ESCOLAS INDÍGENAS - RCNEI. MEC. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: JB, 2008.

SCHLIEBEN-LANGE, B. História do falar e história da linguística. Tradução de Fernando Tarallo et al. Campinas: Ed. da UNICAMP, 1993.

SILVA, L. J. Aspectos da Fonologia e Morfologia na Língua Rikbaktsa. 2005. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Unb, 2005.

WEINRICH, U. Languages in contact: French, German and Romansh in twentieth-century Switzerland. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/1518-1243.2018v20n2p131-142

Iniciação Científica Cesumar
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9192 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1518-1243 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.