A Moralidade Kantiana Questionada por Hegel: Fundamentos para a Bioética como Filosofia Moral

Ellara Valentini Wittckind, Vanessa de Oliveira Bernardi, Maria Eugenia Bunchaft

Resumo


Os filósofos Kant e Hegel desenvolveram estudos que até hoje influenciam questões éticas e políticas. Kant dedicou-se ao estudo do conhecimento e da ação humana e estabeleceu a justificação do princípio supremo da moralidade. Hegel, por seu turno, apresentou a crítica à moralidade kantiana, através da ponderação de que o “dever pelo dever” é uma “indeterminação abstrata”. Nessa linha, Hegel procurou superar o formalismo do imperativo categórico kantiano pela eticidade, via determinações do princípio da liberdade. Assim, a bioética entra no debate quando nela se vislumbra um novo ramo da filosofia moral, baseada no diálogo entre os seres racionais, a fim de universalizar direitos morais, à luz da filosofia de Kant e de Hegel.

Palavras-chave


Kant; Moral; Ética; Hegel; Bioética

Texto completo:

PDF

Referências


BARRETTO, Vicente de Paulo; BRAGATO, Fernanda Frizzo. Leituras de Filosofia do Direito. Curitiba: Juruá, 2013.

BARRETTO, Vicente de Paulo. Bioética, Biodireito e Direitos Humanos. Portal DHNET. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/direitosglobais/paradigmas_textos/v_barreto.html. Acesso em: 7 ago. 2015.

CAFFARENA, E. Gomez. Razón Práctica, Razón Utópica. Agora Papelos de Filosofía. Santiago de Compostela: Inprensa Universitaria, 1988, p. 177-192.

CHAUÍ, Marilena de Souza. Convite à Filosofia. São Paulo, SP: Ática, 2000.

COMTE-SPONVILLE, A. Bom dia, angústia! São Paulo: Martins Fontes, 1997.

FREITAG, Barbara. A questão da moralidade: da razão prática de Kant à ética discursiva de Habermas. Tempo Social Rev. Social. USP, São Paulo, v. 1, n. 1, 1989. Disponível em: http://www.fflch.usp.br/sociologia/temposocial/site/images/stories/edicoes/v012/a_questao.pdf. Acesso em: 6 ago. 2015.

ENGELHARDT, H. T. Manuale di Etica. Milano: Il Sagiatore, 1991.

GIMBERNAT, J. Antônio. Las renovadas objeciones hegelianas a la moralidade kantiana (El prisma de la ética discursiva). In: Kant después de Kant. Madrid: Tecnos, 1989.

HEGEL, G. W. F. Enciclopédia de las Ciencias Filosóficas. México: Juan Pablos, 1974.

HEGEL, G. W. F. Rechtsphilosophie. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1986.

HEGEL, G. W. F. Phänomenologie des Geistes. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1986.

HEGEL, G. W. F. Sobre las maneras de tratar cientificamente el derecho natural. Madrid: Aguilar, 1979.

HYPOLLITE, J. Introdução à Filosofia da História de Hegel. Lisboa: Edições 70, 1973.

JONAS, Hans. El principio del resposabilidad: ensayo de una ética para la civilizacion tecnologica. Barcelona: Herder, 1995.

JONAS, Hans. Le principe responsabilité. Paris: Flammarion, 1998.

KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes. Tradução de Paulo Quintela. São Paulo: Abril, 1980.

KANT, Immanuel. Grundlegung zur Metaphysik der Sitten. Tradução de Paulo Quintela, Lisboa: Edições 70, 1986.

KANT, Immanuel. Kritik der praktischen Vernunft. Crítica da Razão Prática. Tradução de A. Morão. Lisboa: Edições 70, 1994.

KANT, Immanuel. Kritik der reinen Vernunft. Crítica da Razão Pura. Tradução de M. P. dos Santos e A. F. Morujão. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1994.

KANT, Crítica da Razão Pura. 5 ed. Tradução: Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique Morujão. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

KANT, Fundamentação da metafísica dos costumes e outros escritos. Tradução: Leopoldo Holzbach. São Paulo, SP: Martin Claret, 2005.

MENESES, Ramiro Délio Borges de; REIS, Ana M. Machado Gonçalves Reis. Responsabilidade em Kant e em Lévinas: entre os conceitos e os fundamentos. Ágora Filosófica, v. 9, n. 2, p. 103-126, jul./dez. 2009. Disponível em: http://www.saavedrafajardo.org/Archivos/59.pdf. Acesso em 7 ago. 2015.

MONDIN, Battista. Curso de Filosofia. Tradução: Benoni Lemos. v. II. São Paulo: Paullus, 2007. 3 vol.

PATON, H. J. The categorial imperative: a study in Kant´s moral philosophy. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1971.

PORTOCARRERO, Maria Luísa. Bioética e filosofia: O princípio de autonomia e os desafios da fragilidade. Revista Filosófica de Coimbra, v. 44, 2013. Disponível em: http://www.uc.pt/fluc/dfci/public_/publicacoes/bioetica_e_filosofia. Acesso em: 6 ago. 2015.

TUGENDHAT, Ernst. Lições sobre ética. Trad. Ernildo Stein e Ronai Rocha. Petrópolis: Vozes, 1997.

VALCÁRCEL, Amelia. Hegel y la ética. Sobre la superación de la “mera moral”. Barcelona: Editorial Anthropos, 1988.

WEBER, Thadeu. Ética e Filosofia Política: Hegel e o formalismo kantiano. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9184.2016v16n3p785-815

Indexado
REDIB; Sumários.Org; DOAJ; Ulrich’s International Periodicals Directory; Latindex; RVBI

Revista Jurídica Cesumar - Mestrado
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1677-6402 Impressa
ISSN 2176-9184 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.