Aplicação do método isostretching em pacientes mastectomizadas: série de casos

Alessandra Benatti Burkle, Fabiana Orita Shiraishi, Fernanda Naomi Yabiku

Resumo


O câncer de mama é uma das neoplasias mais comum entre as mulheres. A mastectomia pode ser realizada de várias maneiras, dependendo do quadro do paciente, podendo ser do tipo tumorectomia, quadrandectomia, mastectomia simples ou total, mastectomia radical modificada ou mastectomia radical. O objetivo deste trabalho foi aplicar o método Isostretching em pacientes mastectomizadas e avaliar função pulmonar, expansibilidade torácica, amplitude de movimento do ombro homolateral à cirurgia e qualidade de vida. Todos os procedimentos foram realizados na Clínica Escola de Fisioterapia do Centro Universitário de Maringá. Por ser a mastectomia um tratamento capaz de causar complicações que acarretam a diminuição da qualidade de vida, este trabalho se justifica pelo fato de contribuir para a literatura da área da saúde em pacientes mastectomizadas. Todas as pacientes submetidas ao método Isostretching, ao final das 12 sessões, obtiveram melhora em todos os itens avaliados: função pulmonar, expansibilidade torácica, amplitude de movimento do ombro homolateral à cirurgia e qualidade de vida. Concluiu-se que o Isostretching mostrou-se eficaz quando aplicado em pacientes mastectomizadas, tendo ação relevante sobre as complicações decorrentes do procedimento cirúrgico.

Palavras-chave


Câncer de mama; fisioterapia; ginástica postural global; Global posture gymnastics; Physiotherapy; Breast cancer.

Texto completo:

Artigo_Pdf


Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.