ANÁLISE DE VERBETES EM DICIONÁRIOS ESCOLARES DO TIPO 3 DO PROGRAMA NACIONAL DO LIVRO DIDÁTICO

  • Maria Laura da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)
  • Márcio Sales Santiago Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Professor Adjunto da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), lotado no Departamento de Letras do CERES. Professor permanente do Programa de Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS) da UFRN. Chefe do Departamento de Letras do CERES (biênio 2018-2020).
Palavras-chave: Lexicografia pedagógica, Dicionário escolar, PNLD.

Resumo

O dicionário escolar é um importante instrumento de ensino/aprendizagem de língua materna, entretanto, pouco utilizado em sala de aula, haja vista que muitos professores não possuem o domínio das múltiplas funções que o dicionário pode alcançar ao ser explorado nas suas diversas especificidades. Nessa perspectiva, este trabalho objetivou analisar verbetes que figuram nos dicionários escolares do tipo 3, avaliados e selecionados pelo Programa Nacional do Livro Didático (PNLD - Dicionários 2012), do Ministério da Educação (MEC). Estes dicionários escolares são destinados para os alunos do sexto ao nono ano do ensino fundamental II. Em face disso, observamos as várias possibilidades pedagógicas do uso do dicionário em sala de aula por meio da análise contrastiva dos verbetes. Tomamos como pressuposto teórico da Lexicografia Pedagógica os trabalhos de Krieger (2007; 2012), Pontes (2009) e Santiago (2012, 2015). O corpus foi constituído por cinco dicionários do tipo 3 aprovados pelo PNLD Dicionários 2012, nos quais foram selecionados verbetes a partir de alguns critérios pertinentes. Os dados relativos aos verbetes foram registrados em fichas criadas em um banco de dados com a finalidade de armazenar as informações de cada verbete. As análises revelaram aspectos paradigmais divergentes de um mesmo verbete em diferentes dicionários, bem como informações que são comuns entre os dicionários analisados.

Biografia do Autor

Maria Laura da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)
Licenciada em Letras (Língua Portuguesa e suas Literaturas) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem (PPGEL) da UFRN. Bolsista de Iniciação Científica do CNPq de 2016 a 2018 no projeto “Lexicografia Pedagógica aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: perspectivas para a formação docente”.
Márcio Sales Santiago, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Professor Adjunto da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), lotado no Departamento de Letras do CERES. Professor permanente do Programa de Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS) da UFRN. Chefe do Departamento de Letras do CERES (biênio 2018-2020).
Doutor em Letras/Estudos da Linguagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Docente Adjunto da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), atuando no Departamento de Letras do Centro de Ensino Superior do Seridó (CERES) e no Programa de Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS).

Referências

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. Campinas: Unicamp, 1992.

BECHARA, E. (Org.). Dicionário escolar da Academia Brasileira de Letras. 3. ed. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 2011.

BRASIL. Com direito à palavra: dicionários em sala de aula. Brasília: Ministério da Educação; Secretaria de Educação Básica, 2012.

FERREIRA, A. B. H. Aurélio Júnior: dicionário escolar da língua portuguesa. 2. ed. Curitiba: Positivo, 2011.

GEIGER, P. (Org.). Caldas Aulete: minidicionário contemporâneo da língua portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2011.

KRIEGER, M. G. Dicionário em sala de aula: guia de estudos e exercícios. Rio de Janeiro: Lexikon, 2012.

KRIEGER, M. G. Políticas públicas e dicionários para escola: o Programa Nacional do Livro Didático e seu impacto sobre a lexicografia didática. Cadernos de tradução (UFSC), v. 18, p. 235-252, 2007.

PONTES, A.L. Dicionário para uso escolar: o que é como se lê. Fortaleza: EdUECE, 2009.

RAMOS, R. A. (Ed.). Dicionário didático de língua portuguesa. 2. ed. São Paulo: SM, 2011.

SANTIAGO, M. S. Análises contrastivas de microestruturas em dicionários escolares. Pesquisas em Discurso Pedagógico, n. 1, p. 1-14, 2012.

SANTIAGO, M. S. Critérios de avaliação de dicionários escolares de língua portuguesa no Programa Nacional do Livro Didático. In: LIMA, A. M. P.; DUARTE, A. L. M. et al. (Org.). Reflexões linguísticas e literárias. Fortaleza: HBM, 2015. p. 69-79.

SARAIVA, K. S. A.; OLIVEIRA, R. C. G. Saraiva jovem: dicionário da língua portuguesa ilustrado. São Paulo: Saraiva, 2010.

ZAVAGLIA, C. O “proibido” em dicionários. In: ALVES, I. M.; GANANÇA, J. H. L. (Org.). Os estudos lexicais em diferentes perspectivas. v. VI. São Paulo: FFLCH/USP, 2016. p. 9-18.

Publicado
2018-12-11
Seção
Artigos Originais