<b>Contribuições do Institucionalismo Sociológico em Abordagens de Estratégia

  • Cristiane Marques de Mello Professora de cursos de graduação e pós-graduação da Faculdade Integrado de Campo Mourão
  • Sandro Aparecido Gonçalves Instituto de Brasileiro de Pesquisas e Estudos Sociais/IBEPES
Palavras-chave: Escola Ambiental, Escola Cognitiva, Escola Cultural, Estratégia, Institucionalismo Sociológico

Resumo

O texto de Mintzberg, Ahlstrand e Lampel (2000) teve um impacto na sistematização das abordagens de estratégia, similar ao que Morgan (1996) obteve nos estudos organizacionais, em que pese a diferença entre os trabalhos, o primeiro apresenta maiores problemas, principalmente quando se compara o conteúdo apresentado com os autores originais abordados. Como forma de contribuir para a expansão e melhoria do que foi tratado, selecionamos três de suas escolas, quais sejam: a cognitiva, a cultural e a ambiental não por acaso, mas por apresentarem potencial de expansão mediante a abordagem, frente ao institucionalismo de tradição sociológica. Não se trata de uma crítica ao livro, mas de uma ampliação de suas possibilidades, na qual foi tomado o cuidado de não se fazer uma apreciação de uma abordagem a partir de outra distinta, o que em si só, não teria sentido epistemológico. Posto nesta medida, o que se estaria fazendo seria uma explicação institucional para abordagens não institucionais. Contudo, o que se pretendeu fazer aqui foi incluir contribuições do institucionalismo aos três conceitos escolhidos, tanto para preencher lacunas do texto original, quanto para levantar novas perspectivas.

Biografia do Autor

Cristiane Marques de Mello, Professora de cursos de graduação e pós-graduação da Faculdade Integrado de Campo Mourão
Doutora em Administração pela Universidade Positivo; Docente de cursos de graduação e pós-graduação da Faculdade Integrado de Campo Mourão, PR, Brasil
Sandro Aparecido Gonçalves, Instituto de Brasileiro de Pesquisas e Estudos Sociais/IBEPES
Doutor em Administração de Empresas pela EAESP/FGV; Instituto Brasileiro de Pesquisas e Estudos Sociais (IBEPES)
Publicado
2015-08-07
Seção
Artigos Originais