Polifarmácia em Idosos

Elaine Aparecida da Silva, Luciana Conci Macedo

Resumo


Em todo o mundo, as condições de saúde da população humana apresentou uma melhora significativa, o que provocou o aumento na proporção de idosos. Juntamente com o avanço da idade cronológica, surgem inúmeras patologias, o que faz deste grupo populacional os maiores usuários de medicamentos. Polifarmácia é definida como o uso concomitante de dois ou mais medicamentos ou o uso desnecessário de pelo menos um medicamento. A polifarmácia os torna vulneráveis aos efeitos adversos e às interações medicamentosas, o que aumenta quando se utilizam fármacos inadequados. De fato, os riscos pertinentes à utilização inadequada de medicamentos são maiores nesta fase da vida. Neste cenário, profissionais de saúde, incluindo o farmacêutico, devem dar atenção especial à polifarmácia e à prescrição de medicamentos potencialmente inapropriados, para que se alcance, de maneira concreta, uma melhor qualidade de vida do idoso. É sabido que farmacêutico é o único profissional formado pela sociedade, que possui conhecimento de todos os aspectos de um fármaco e, portanto, ele pode dar uma informação privilegiada às pessoas, garantindo, assim, uma terapia de sucesso, com menos riscos. Nesse sentido, este trabalho teve como objetivo realizar um levantamento bibliográfico sobre a polifarmácia em idosos, através de uma pesquisa bibliográfica utilizando como fontes de estudo livros, revistas, periódicos e sites de literatura científica referentes ao assunto proposto.

Palavras-chave


Idosos; Polifarmácia; Reações Adversas; Interações Medicamentosas; Medicamentos Potencialmente Inapropriados

Texto completo:

PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.