CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DE CONTEÚDO DO PLANO MULTIPROFISSIONAL DE ALTA EM TERAPIA INTENSIVA

Thatiana Lameira Maciel Amaral, Kelly Regina Pires da Silva Caciano, Bruna Martins de Carvalho, Jakeline de Lima Israel, Irla Maiara Silva Medeiros, Manuela Albuquerque Lima Ribeiro, Celso Gustavo Ritter

Resumo


O presente estudo objetiva construir e validar o conteúdo do instrumento de sistematização da continuidade do cuidado, mediante plano multiprofissional de alta. Foram realizadas as seguintes etapas: levantamento bibliográfico nas bases de dados Pubmed e BVS; construção do instrumento; validação do conteúdo por 20 especialistas, segundo técnica Delphi, e análise e consolidação dos itens do instrumento, sendo calculado o índice de concordância para os itens linguagem, pertinência, relevância, organização, clareza e aplicabilidade. A concordância entre os avaliadores variou de 85,0 a 100,0%, com uma concordância global de 94,2% para o modelo inicial. Foram incluídas dez (23,2%) variáveis e 31 itens (72,0%) sofreram modificações. Após a validação do plano, o instrumento permaneceu com 11 domínios e 55 itens. Este estudo favoreceu o planejamento para uma alta eficaz, por meio do uso de instrumento validado, para a obtenção de uma assistência multiprofissional de qualidade.

Palavras-chave


Estudos de Validação; Unidade de terapia intensiva; Equipe de Assistência ao Paciente

Texto completo:

PDF

Referências


Nascimento KC, Gomes AMT, Erdmann AL. A estrutura representacional do cuidado intensivo para profissionais de Unidade de Terapia Intensiva móvel. Rev esc enferm USP. 2013; 47(1):176-84. DOI: 10.1590/S0080-62342013000100022.

Araújo TG, Rieder MM, Kutchak FM, Franco Filho JW. Readmissões e óbitos após a alta da UTI - um desafio da terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2013; 25(1):32-8. DOI: 10.1590/S0103-507X2013000100007.

Silva MCM, Sousa RMC, Padilha KG. Destino do paciente após alta da unidade de terapia intensiva: unidade de internação ou intermediária?. Rev Latino-Am Enfermagem. 2010; 18(2):224-32. DOI: 10.1590/S0104-11692010000200013.

Mendes MMR, Alvarenga MRM. Percepção da Enfermagem sobre reinternações e alta hospitalar de idosos: Resultados preliminares da análise de conteúdo. Rev latino-Am Enfermagem. 2012; 8(2):111-2. DOI: 10.1590/S0104-11692000000200017.

Alochio KV, Cruz ICF. Security and preparation of patient on discharge process of UTI: systematic review of literature for a clinical protocol. J Specialized Nursing Care. 2016; 8(1):1-19. Disponível em: http://www.jsncare.uff.br/index.php/jsncare/article/view/2804/679.

Delatorre PPG, Sá SPC, Valente, GSC, Silvino ZR. Planning for hospital discharge as a strategy for nursing care: integrative review. Rev Enferm. 2013; 21(2):7151-9.

Correia JN, Bonette A. Avaliação do risco de desenvolvimento de lesão tecidual por pressão em clientes internados na unidade de terapia intensiva. Rev Saúde e Pesquisa. 2011; 4(1):123-7. Disponível em: http://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/saudpesq/article/view/1597/1212.

Alexandre NMC, COLUCI MZO. Validade de conteúdo nos processos de construção e adaptação de instrumentos de medidas. Rev Ciênc. Saúde coletiva. 2011; 16(7): 3061-68. DOI: 10.1590/S1413-81232011000800006.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto contexto - enferm. 2008; 17(4):758-64. DOI: 10.1590/S0104-07072008000400018.

Silva AES, Pontes UO, Genzini T, Prado PR, Amaral TLM. Revisão integrativa sobre o papel do enfermeiro no pós-transplante renal. Cogitare Enferm. 2014; 19(3):597-603. Disponível em: http://www.saude.ufpr.br/portal/revistacogitare/wp-content/uploads/sites/28/2016/10/34414-140478-1-PB.pdf.

Pasquali L. Instrumentação psicológica: Fundamentos e práticas. Porto Alegre: Artmed; 2010.

Mendonça SCB, Zanetti ML, Sawada NO, Barreto IDC, Andrade JS, Otero LM. Construction and validation of the Self-care Assessment Instrument for patients with type 2 diabetes mellitus. Rev Latino-Am Enfermagem. 2017; 25: e2890. DOI: 10.1590/1518-8345.1533.2890.

Araújo DS, França AF, Mendonça JKS, Bettencourt ARC, Amaral TLM, Prado PR. Construção e validação de instrumento de sistematização da assistência de enfermagem em terapia intensiva. Rev Rene. 2015; 16(4):461-9. DOI: 10.15253/2175-6783.2015000400002.

Bôas MLCV, Shimizu HE, Sanches MN. Elaboração de instrumento de classificação de complexidade assistencial de pacientes em atenção domiciliar. Rev Esc Enferm USP. 2016; 50(3):434-41. DOI: 10.1590/S0080-623420160000400009.

Gelbcke FL, Matos E, Sallum NC. Desafios para a integração multiprofissional e interdisciplinar. Rev. Actas de saúde Coletiva. 2012; 6(4):31-9.

Garske CCD, Brixner B, Freitas AP, Schneider APH. Avaliação das interações medicamentosas potenciais em prescrições de pacientes em unidade de terapia intensiva. Rev Saúde e Pesquisa. 2016; 9(3):483-90. DOI: 10.17765/1983-1870.2016v9n3p483-490.

Oliveira FF. Educação em saúde no contexto da alta hospitalar de paciente de unidade de terapia intensiva. Revista Multitexto. 2016; 4(1):38-43. Disponível em: http://www.ead.unimontes.br/multitexto/index.php/rmcead/article/view/172.

Cruz IML, Mantovani MF. Orientação de enfermagem para a alta hospitalar do paciente neoplásico. Rev Cogitare enfermagem. 2014; 19(4):687-93. DOI: 10.5380/ce.v19i4.36261.

Marinho PML, Campos MPA, Rodrigues EOL, Gois CFL, Barreto IDC. Construção e validação de instrumento de Avaliação do Uso de Tecnologias Leves em Unidades de Terapia Intensiva. Rev Latino-Am Enfermagem. 2016; 24: e2816. DOI: 10.1590/1518-8345.1002.2816.

Lunardi AC, Resende JM, Cerri OM, Carvalho CRF. Efeito da continuidade da fisioterapia respiratória até a alta hospitalar na incidência de complicações pulmonares após esofagectomia por câncer. Rev Fisioter Pesqui. 2008; 15(1):72-5. DOI: 10.1590/S1809-29502008000100012.

Dietrich, C.; Cardoso, J.R.; Vargas, F.; Sanchez, E.C.; Dutra, F.H.; Moreira, C, et al. Capacidade funcional em idosos e idosos mais velhos após alta da unidade de terapia intensiva. Coorte prospectiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2017; 29(3):293-302. DOI: 10.5935/0103-507x.20170055.

Leal AA. A Iatrogenia na enfermagem. Rev. Eletrônica da Univa. 2013; 01(9):102-8.

Bispo MM, Dantas ALM, Silva PKA, Fernandes MICD, Tinôco JDS, Lira ALBC. Diagnóstico de enfermagem risco de aspiração em pacientes críticos. Esc. Anna Nery. 2016; 20(2):357-62. DOI: 10.5935/1414-8145.20160049.

Mussalem MAM, Silva ACSV, Couto LCLV, Marinho L, Florencio ASM, Araújo VS, et al. Influência da mobilização precoce na força muscular periférica em pacientes na Unidade Coronariana. ASSOBRAFIR Ciência. 2014; 5(1): 77-88. Disponivel em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/rebrafis/article/view/17530/14460

Silva MTG, Oliveira MM. A importância da terapia nutricional nas Unidades de Terapia Intensiva. BRASPEN. 2016; 31(4):347-56. Disponivel em: http://www.braspen.com.br/wp-content/uploads/2017/02/12-AO-A-import%C3%A2ncia-da-terapia-nutri.pdf.

Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de Setembro de 1990. Condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União 20 de Set 1990; Seção 1: 18055.

Duchini L, Jordão AA, Brito TT, Diez-Garcia RW. Avaliação e monitoramento do estado nutricional de pacientes hospitalizados: uma proposta apoiada na opinião da comunidade científica. Rev Nutri. 2010; 23(4):513-22. DOI: 10.1590/S1415-52732010000400002.

Camponagara S, Viero CM, Pinno C, Soares SGA, Rodrigues IL, Cielo C. Percepções de pacientes pós-alta da unidade de cuidados intensivos sobre a hospitalização nesse setor. R. Enferm. Cent. O. Min. 2015 jan/abr; 5(1):1505-1513. DOI:10.19175

Pompeo DA, Pinto MH, Cesarino CB, Araújo RRDF, Poletti NAA. Atuação do enfermeiro na alta hospitalar: reflexões a partir dos relatos de pacientes. Acta paul enferm. 2007; 20(3):345-50. DOI: 10.1590/S0103-21002007000300017.

Mondadori AG, Zeni EM, Oliveira A, Silva CC, Wolf VLW, Taglietti M. Humanização da fisioterapia em Unidade de Terapia Intensiva Adulto: estudo transversal. Fisioter Pesqui. 2016; 23(3):294-300. DOI: 10.1590/1809-2950/16003123032016.

Ranzani OT, Forte DN, Forte AC, Mimica I, Forte WCN. Utilidade da avaliação de bactérias revestidas por anticorpos em aspirados traqueais para o diagnóstico de pneumonia associada à ventilação mecânica: um estudo caso-controle. J bras pneumol. 2016; 42(3):203-10. DOI: 10.1590/S1806-37562015000000244.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/1983-1870.2018v11n1p39-48

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1983-1870 Impressa
ISSN 2176-9206 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.