Qual a influência do veganismo no setor agroalimentar?

  • Anelise Daniela Schinaider Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Leonardo Xavier da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Marielen Aline Costa da Costa Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Alessandra Daiana Schinaider Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Agronegócio, Estilo de vida, Veganos, Revisão sistemática

Resumo

As formas alternativas de consumo baseadas em diferentes posições relacionadas às dietas alimentares, tais como o veganismo, vegetarianismo, vêm crescendo sua popularidade, aumentando o número de adeptos ao movimento e protagonizando o bem-estar dos animais. Ressalta-se que o mercado vegano está relacionado à produção de alimentos. Nesse sentido, objetivou-se descrever a influência do veganismo no setor agroalimentar. Para atender o objetivo, foi realizada uma análise sistemática e bibliométrica das pesquisas científicas publicadas nas bases de dados Web of ScienceTM e Scielo. Dessa forma, foram encontrados 23 artigos científicos que continham as palavras-chave vegan* e agri* em título, resumo ou palavra-chave no documento. Percebe-se que os resultados dos artigos se relacionam a dieta alimentar vegana com a produção de alimentos, uma vez que as pesquisas sugerem mudanças no nome dos produtos que complementam a dieta alimentar, a fim de educar os consumidores sobre escolhas alimentares mais saudáveis. Ainda, a dieta vegana está associada por três motivos: direito dos animais, bem-estar pessoal e/ou à saúde e meio ambiente. Concluiu-se que a conexão que o veganismo tem com o setor agroalimentar incorpora nas cadeias produtivas alimentares, refletindo no aspecto econômico, social e ambiental entre as nações, proporcionando uma dieta alternativa sustentável e de consumo consciente aos consumidores que adotam esse novo estilo de vida.

Biografia do Autor

Anelise Daniela Schinaider, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutoranda e Mestra no Programa de Pós-Graduação em Agronegócios pela UFRGS e Administradora pela UFSM- campus Palmeira das Missões. Atua em pesquisas voltadas ao Agronegócio, Comportamento do Consumidor, Veganismo, Inovação Sustentável, Produção de Alimentos Ecoinovadores, Cadeias Produtivas e Gestão de Empresas.
Leonardo Xavier da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Possui graduação em Ciências Econômicas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1994), mestrado em Economia Rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1997) e doutorado em Economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2002). Atualmente é professor do Departamento de Economia e Relações Internacionais (DERI) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), estando vinculado aos programas de pós-graduação em Desenvolvimento Rural (PGDR) e em Agronegócios (PPGAgronegócios). Ocupa o cargo de diretor do Centro de Estudos e Pesquisas Econômicas (IEPE) e é membro suplente da comissão de graduação do curso de Ciências Econômicas (ComGrad Economia) e da comissão de pós-graduação do Programa de Pós-Graduação em Agronegócios da universidade. É coordenador substituto do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural (PGDR). Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Economia rural e teoria macroeconômica, atuando principalmente nos seguintes temas: desenvolvimento rural, agricultura, agricultura familiar, política econômica e agricultura brasileira; política macroeconômica e análise dos agregados econômicos.
Marielen Aline Costa da Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Engenheira agrônoma formada pela Universidade de Passo Fundo (2012). Mestre em Desenvolvimento Rural pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2015). Atualmente é doutoranda em agronegócios pelo Centro de Estudos e Pesquisa em Agronegócios (CEPAN) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Alessandra Daiana Schinaider, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Atua no programa Agentes Locais de Inovação (SEBRAE/CNPq), difundindo a cultura de inovação nas Empresas de Pequeno Porte do setor de comércio e serviços da Região Metropolitana de Porto Alegre. Mestra em Desenvolvimento Rural (PGDR), pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Possui graduação em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria - Campus Palmeira das Missões/RS (2015).

Referências

AZEVEDO, E. Alimento Saudável para que/m?/Healthy food: for who/m?. Geografares, n. 25, p. 105-112, 2018.

BARCELLOS, M. D. “Beeflovers”: um estudo cross-cultural sobre o comportamento de consumo da carne bovina. 2007. 329f. Tese (Doutorado em Agronegócios)-Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

BAKER, S.; THOMPSON, K. E.; PALMER-BARNES, D. Crisis in the meat industry: a values-based approach to communications strategy. Journal of Marketing Communications, v. 8, n. 1, p. 19-30, 2002.

BAPTISTA, C. O.; MANTELLI, J.. A Produção De alimentos de base agroecológica no município do Rio Grande–RS. Revista Eletrônica de Diálogo e Divulgação em Geografia, v. 1, n. 8, 2018.

BRUERS, S. An argument for veganism. Tijdschrift Voor Filosofie, v. 78, n. 3, p. 525-555, 2016.

BRYNGELSSON, D.; HEDENUS, F.; JOHANSSON, D. J. A.; AZAR, C.; WIRSENIUS, S. How do dietary choices influence the energy-system cost of stabilizing the climate? Energies, v. 10, n. 182, 2017.

CAPES. Portal de Periódicos da Capes. Disponível em: www.periodicos.capes.gov.br. Acesso em: 06 abr. 2017.

COP21 PARIS. Adoção do Acordo Paris. 2015. Disponível em: https://nacoesunidas.org/acordodeparis/. Acesso em: 27 dez. 2016.

DAVIS, S. L. The least harm principle may require that humans consume a diet containing large herbivores, not a vegan diet. Journal of Agricultural and Environmental Ethics, v. 16, n. 4, p. 387-394, 2003.

DAVIS, S. L. What would the world be like without animals for food, fiber, and labor? Are we morally obligated to do without them? Poultry Science, v. 87, p. 392-394, 2008.

DE BIASE, S. G. et al. Dieta vegetariana e níveis de colesterol e triglicérides. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, v. 88, n. 1, p. 35-9, 2007.

DWYER, J.; LOEW, F. M. Nutritional risks of vegan diets to women and children: are they preventable? Journal of Agricultural and Environmental Ethics, v. 7, n. 1, p. 87-109, 1994.

FREWER, L. J.; RISVIK, E.; SCHIFFERSTEIN, H.; N. J.; VON ALVENSLEBEN, R. Food, people and society: a european perspective of consumers food choices. London: Springer, 2001.

FROEHLICH, G. O bem-estar na carne: um estudo antropológico sobre as relações entre humanos e animais a partir da categoria de “bem-estar animal”. 2016. 283f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

GOLDSTEIN, B.; HANSEN, S. F.; GJERRIS, M.; LAURENT, A.; BIRKVED, M. Ethical aspects of life cycle assessments of diets. Food Policy, v. 59, p. 139-151, 2016.

HESS, T.; CHATTERTON, J.; DACCACHE, A.; WILLIAMS, A. The impact of changing food choices on the blue water scarcity footprint and greenhouse gas emissions of the British diet: the example of potato, pasta and rice. Journal of Cleaner Production, v. 112, p. 4558-4568, 2016.

JANSSEN, M. et al. Motives of consumers following a vegan diet and their attitudes towards animal agriculture. Appetite, v. 105, p. 643-651, 2016.

LIGHTOWLER, H. J.; DAVIES, G. J. Iodine intake and iodine deficiency in vegans as assessed by the duplicate-portion technique and urinary iodine excretion. British Journal of Nutrition, v. 80, p. 529-535, 1998.

MEIER, T.; CHRISTEN, O.; SEMLER, E.; JAHREIS, G.; VOGET-KLESCHIN, L.; SCHRODE, A.; ARTMANN, M. Balancing virtual land imports by a shift in the diet. Using a land balance approach to assess the sustainability of food consumption. Germany as an example. Appetite, v. 74, p. 20-34, 2014.

NACONECY, C. Ética & vegetarianismo. São Paulo: Sociedade Vegetariana Brasileira, 2015.

NUNES, L. H. Repercussões globais, regionais e locais do aquecimento global. Terra Livre, v. 1, n. 20, p. 101-110, 2015.

OLIVEIRA, G. S. de; VECCHIA, F. A. S. Mudanças climáticas. Brasília: MEC, SEB, 2009.

RANA, S. K.; SANDERS, T. A. B. Taurine concentrations in the diet, plasma, urine and breast milk of vegans compared with omnivores. British Journal of Nutrition, v. 56, p. 17-27, 1986.

RAUW, W. M. Philosophy and ethics of animal use and consumption: from Pythagoras to Bentham. CAB Rev, 10, 1-25, 2015.

SAMPAIO, R. F.; MANCINI, M. C. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 11, n. 1, p. 83-89, jan./fev. 2007.

SCHUCK, C.; RIBEIRO, R. Comendo o planeta: impactos ambientais da criação e consumo de animais. 3. ed. São Paulo: Sociedade Vegetariana Brasileira, 2015.

SILVA, C. L. Inovação e sustentabilidade. Curitiba: Aymará Educação, 2012.

SINGER, P. Movimento de libertação animal. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

THE VEGAN SOCIETY. Definition of veganism. Disponível em: https://www.vegansociety.com/go-vegan/definition-veganism. Acesso em: 15 maio. 2017.

WATSON, D. Vegan news: magazine of the non-dairy vegetarians. Leicester: Donald Watson, 1944.

Publicado
2020-02-21
Seção
Agronegócio