Emissão de gases do efeito estufa no Brasil: análise de curto e longo prazo

Palavras-chave: Cointegração, Rebanho, Séries temporais, Veículos

Resumo

A discussão sobre emissões de gases do efeito estufa e alterações no sistema global são temas frequentemente debatidos pela literatura nacional e internacional. Assim, este artigo tem por objetivo examinar os determinantes das emissões líquidas de gases do efeito estufa no Brasil, para o período de 1990 até 2017, inserindo variáveis até então não consideradas. Utilizou-se a abordagem para séries temporais e os elementos analisados foram população, PIB per capita, rebanho de bovinos e frota de veículos. Primeiramente, os testes de raiz unitária revelaram que as variáveis são integradas de ordem (I(1)). Os resultados posteriores indicaram haver cointegração, sendo, portanto, estimado um modelo VEC. O modelo VEC revelou não haver relacionamento de curto prazo entre as variáveis, mas no longo prazo, o aumento de 1% no rebanho de bovinos aumentou as emissões líquidas de gases do efeito estufa em 4,41% no período, já o aumento de 1% na frota de veículos reduziu as emissões em 2,62%. Embora o efeito negativo da frota de veículos foi contrário ao esperado, afirmou-se que a redução das emissões superou o efeito do tamanho da frota no período devido ao período relativamente curto de análise, a situação econômica de crise recente e a introdução da injeção eletrônica e catalisador de três vias nos veículos. Mesmo assim as evidências alertam para a necessidade de políticas econômicas e energéticas de longo prazo no Brasil.

Biografia do Autor

Taíse Fátima Mattei, Instituto Federal do Paraná - IFPR, campus de Palmas
Docente substituta no Instituto Federal do Paraná (IFPR), Câmpus de Palmas (PR), Brasil.
Marina Silva da Cunha, Universidade Estadual de Maringá - UEM
Professora Titular da Universidade Estadual de Maringá e docente permanente do Programa de Pós-graduação em Ciências Econômicas (PCE/UEM), Maringá (PR), Brasil.

Referências

ANG, J. B. CO2 emissions, energy consumption, and output in France. Energy policy, v. 35, n. 10, p. 4772-4778, 2007.

BALOGH, J. M.; JÁMBOR, A. Determinants of CO2 emission: A global evidence. International Journal of Energy Economics and Policy, v. 7, n. 5, p. 217-226, 2017.

BÂKI IZ H. Is the global sea surface temperature rise accelerating? Geodesy and Geodynamics, v. 9, p. 432-438, 2018.

BORGES, G. M.; CAMPOS, M. B. de; SILVA, L. G. de C. Transição da estrutura etária no Brasil: oportunidades e desafios para a sociedade nas próximas décadas. In: Mudança demográfica no Brasil no século XXI: subsídios para as projeções da população. Rio de Janeiro: IBGE, p. 138-151, 2015.

DRUMM, F. C.; GERHARDT, A. E.; FERNANDES, D. D.; CHAGAS, P.; SUCOLOTTI, M. S.; KEMERICH, P. D. C. Poluição atmosférica proveniente da queima de combustíveis derivados do petróleo em veículos automotores. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, v. 18, n. 1, p. 66-78, 2014.

EISSEN, M.; METZGER, J. O.; SCHNEIDEWIND, U. 10 years after Rio-concepts on the contribution of chemistry to a sustainable development. Angewandte Chemie International Edition, v. 41, n. 3, p. 414-436, 2002.

GIOVANINI, A.; FREITAS, C. A.; CORONEL, D. A. Análise da quantidade produzida de CO2 pela bovinocultura no Estado do Rio Grande do Sul. Ciência Rural, Santa Maria, v. 43, n. 10, p. 1918-1923, 2013.

GREENE, W.H. Econometric Analysis. 7. ed. Boston: Pearson, 2012.

GUIMARÃES, R. P.; FONTOURA, Y. S. R. Rio+ 20 ou Rio-20?: crônica de um fracasso anunciado. Ambiente & Sociedade, v. 15, n. 3, p. 19-39, 2012.

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estatística da Produção Pecuária. 2018. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/3087/epp_pr_2018_1tri.pdf. Acesso em: 06 jul. 2019.

JOO, Y-J.; KIM, C. S.; YOO, S-H. Energy consumption, Co2 emission, and economic growth: Evidence from Chile. International Journal of Green Energy, v. 12, n. 5, p. 543-550, 2015.

KALKUHL, M.; WENZ, L. The impact of climate conditions on economic production. Evidence from a global panel of regions. Journal of Environmental Economics and Management, v. 103, 2020.

KLEIN, C. F.; DE LIMA, J. F. O desenvolvimento econômico regional do Brasil. Revista Desafios, v. 2, n. 2, p. 155-180, 2016.

KUZNETSOVA, T. V. LONG-TERM spectral components of global, north and south hemisphere temperatures over the last millennium and solar-lunar forcing. Journal of Atmospheric and Solar-Terrestrial Physics, 2020.

LEITE, R. C. C.; LEAL, M. R. L. V. O biocombustível no Brasil. Novos estudos CEBRAP, São Paulo, n. 78, p. 15-21, 2007.

LIMA, M. A. et al. Estimativa das emissões de gases de efeito estufa provenientes de atividades agrícolas no Brasil. In: LIMA, M. A. de; CABRAL, O. M. R.; GONZALEZ MIGUEZ, J. D. (Ed.). Mudanças climáticas globais e a agropecuária brasileira. Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente, 2001. 397p. Cap. 7, p.169-189.

MOLION, L. C. B. Aquecimento global: uma visão crítica. Revista brasileira de climatologia, Curitiba, v. 3, 2008.

POCHMANN, M.; SILVA, L. C. Concentração espacial da produção e desigualdades sociais. Revista brasileira de estudos urbanos e regionais, v. 22, 2020.

SARI, R.; SOYTAS, U. Are global warming and economic growth compatible? Evidence from five OPEC countries?.Applied Energy, v. 86, n. 10, p. 1887-1893, 2009.

SEEG- Sistema de Estimativas de Emissões de Gases do Efeito Estufa. Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Brasil 1970 - 2017, 2018.

SILVA, F. F. et al. Determinantes da emissão de CO2 por uso de combustíveis fosseis para países sul-americanos, a partir da abordagem STIRPAT. Revista de Economia, Curitiba, v. 41, n. 1, 2015.

SINDIPEÇAS- Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores. Relatório Balança Comercial do Setor de Autopeças. 2018.

SOYTAS, U.; SARI, R.; EWING, B. T. Energy consumption, income, and carbon emissions in the United States. Ecological Economics, v. 62, n. 3-4, p. 482-489, 2007.

ZHOU, C.; WANG, S.; FENG, K. Examining the socioeconomic determinants of CO2 emissions in China: A historical and prospective analysis. Resources, Conservation and Recycling, v. 130, p. 1-11, 2018.

ZOTTI, C. A.; PAULINO, V. T. Metano na produção animal: Emissão e minimização de seu impacto. Ecologia de Pastagens. Instituto de Zootecnia. Nova Odessa (SP): APTA/SAA, 2009. 24p.

Publicado
2021-07-31