Fatores relacionados à autopercepção sobre o envelhecimento de idosos cadastrados em uma Unidade de Atenção ao Idoso

Palavras-chave: Autoimagem, Envelhecimento, Idoso, Qualidade de vida

Resumo

Este estudo teve o objetivo de identificar a percepção sobre o envelhecimento dos idosos usuários de uma Unidade de Atenção ao Idoso de um município brasileiro e avaliar a relação entre características sociodemográficas e de autopercepção sobre o envelhecimento. Estudo de caráter quantitativo, analítico, observacional e transversal realizado com 228 idosos. Foram utilizados os seguintes instrumentos: questionário sociodemográfico, Mini Exame do Estado Mental, APQ (Aging Perception Questionnaire), WHOQOL-Bref, WHOQOL OLD e ASKAS. Foram realizadas análises bivariada e multivariada. Encontrou-se predomínio do sexo feminino, com média de idade de 78,86 anos. A autopercepção sobre o envelhecimento foi moderada. Idosos do sexo feminino e aqueles que residem com filhos demonstraram maior autopercepção do envelhecimento.

Biografia do Autor

Ana Flávia Machado de Oliveira Alves, Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM
Enfermeira pela Universidade federal do Triângulo Mineiro, UFTM. Residente em Saúde do Idoso pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Brasil.
Henrique Ciabotti Elias, Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM
Enfermeiro pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro, UFTM. Mestre em Atenção a Saúde (UFTM), Doutorando pela Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
Giovanna Gaudenci Nardelli, Prefeitura Municipal de Uberaba, MG
Doutorado em Atenção à Saúde pela UFTM e Enfermeira Assistencial da Prefeitura municipal de Uberaba, Uberaba (MG), Brasil.
Priscila Andreja Oliveira, Hospital de Clínicas da UFTM, Uberaba, MG
Mestranda pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (EERP-USP), Brasil.
Álvaro da Silva Santos , Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM
Pós-doutorado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Professor Adjunto da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Brasil.

Referências

1. Fhon JRS, Cabral LMS, Giacomini SBL, Reis NA, Resende MC, Rodrigues RAP. Fragilidade e fatores sociodemográficos, de saúde e rede de apoio social em idosos brasileiros: estudo longitudinal. RevEscEnferm USP, 2022; (56): e20210192. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-220X-REEUSP-2021-0192.

2. Melo LA, Lima KC. Fatores associados às multimorbidades mais frequentes em idosos brasileiros. CienSaudeColet., 2020; 25 (10): 3879-3888. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320202510.35632018.

3. Leal RC, Veras SMJ, Silva MAS, Gonçalves CFG, Silva CRDT, Sá AKL et al. Percepção de saúde e comorbidades do idoso: perspectivas para o cuidado de enfermagem. Braz J Dev., 2020; 6 (7): 53994-54004. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-881.

4. Lima PA, Silva MGF, Ferreira JDF, Morais PCA, Maurício TF, Moreira PR. Atividades Educativas sobre saúde cardiovascular para idosos em domicílio. RevEnf UFPE online, 2017; 11 (11): 4498-504. DOI: http://doi.org/10.5205/reuol.23542-49901-1-ED.1111201728.

5. Santos SC, Souza MAS, Pereira JS, Alexandre ACS, Rodrigues KF. A percepção dos idosos sobre a sexualidade e o envelhecimento. BJHR, 2020; 3 (2): 3486-3503. DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2-180.

6. Santos PMF, Oliveira PA, Alves FR, Santos AS. Ações de Educação em Saúde voltadas à Pessoa Idosa: uma Revisão Integrativa da Literatura. RevVivências, 2022; 18 (35): 7-26. DOI: https://doi.org/10.31512/vivencias.v18i35.517.

7. Travassos GF, Coelho AB, Arends-Kuenning MPA. The elderly in Brazil: demographic transition, profile, and socioeconomic condition. RevBrasEstudPopul., 2020; 37: 1-27, e0129. DOI: http://dx.doi.org/10.20947/S0102-3098a0129.

8. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeções e estimativas da população do Brasil e das Unidades de Federação. Brasília, 2021. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/index.html?utm_source=portal&utm_medium=popclock.

9. Poubel PB, Lemos ELC, Araújo FC, Leite GG, Freitas IS, Silva RMS et al. Autopercepção de saúde e aspectos clínicos-funcionais dos idosos atendidos em uma unidade básica de saúde no norte do Brasil. J Health Biol Sci., 2017; 5 (1): 71-78. DOI: http://dx.doi.org/10.12662/2317-3076jhbs.v5i1.1054.p71-78.2017.

10. Lindemann IL, Reis NR, Mintem GC. Autopercepção da saúde entre adultos e idosos usuários da Atenção Básica de Saúde. CienSaudeColet., 2019; 24 (1): 45-52. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018241.34932016.

11. Seabra CAM, Xavier SPL, Sampaio YPCC, Oliveira MF, Quirino GS, Machado MFAS. Health education as a strategy for the promotion of the health of the elderly: an integrative review. RevBrasGeriatrGerontol., 2019; 22 (4): e190022. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-22562019022.190022.

12. Merchán-Hamman E, Tauil PL. Proposta de classificação dos diferentes tipos de estudos epidemiológicos. Epidemiol.Serv.Saúde., 2021; 30 (1). DOI: https://doi.org/10.1590/s1679-49742021000100026.

13. Polit DF, Beck CT, Hungler BP. Fundamentos de Pesquisa em Enfermagem: métodos, avaliação e utilização. 7ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

14. Prefeitura Municipal de Uberaba. Atividade da UAI atrai centenas de idosos, 2013. Disponível em: http://www.uberaba.mg.gov.br/portal/conteudo,27929.

15. Bertolucci PHF, Brucki SMD, Campacci S. O Mini-Exame do Estado Mental em uma população geral: impacto da escolaridade. ArqNeuropsiquiatr., 1994; 52 (1): 1-7. DOI: https://doi.org/10.1590/S0004-282X1994000100001.

16. Viana HB, Guirardello EB, Madruga VA. Tradução e adaptação cultural da escala ASKAS: Aging Sexual Knowledge and Attitudes Scale em idosos brasileiros. Texto e Contexto Enferm. 2010; 19 (2): 238-245. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-07072010000200004

17. Barker M, O'Hanlon A, McGee HM, Hickey A, Conroy R. Cross-sectional validation of the Aging Perceptions Questionnaire: a multidimensional instrument for assessing self-perceptions of aging. BMC Geriatrics. 2007; 7 (9). DOI: https://doi.org/10.1186/1471-2318-7-9.

18. Fleck MP, Chachamovich E, Trentini C. Development and validation of the portuguese version of the WHOQOL-OLD module. Rev Saúde Pública. 2006;40 (5). DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102006000600007

19. Capp E, Nienow OE. Bioestatística quantitativa aplicada. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), 2020. 260p.

20. Nardelli GG, Malaquias BSS, Gaudenci EM, Ledic CS, Azevedo NF, Martins VE et al. Conhecimentos sobre síndrome da imunodeficiência humana de idosos de uma Unidade de Atenção ao Idoso. Rev Gaúcha Enferm., 2016; 37 (esp): 2016-0039. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2016.esp.2016-0039.

21. Figueiredo AEB, Ceccon RF, Figueiredo JHC. Doenças crônicas não transmissíveis e suas implicações na vida de idosos dependentes. CienSaudeColet., 2021; 26 (1): 77-88. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232020261.33882020.

22. Yamaguchi, MB, Silva J, Lins CL, Conceição MF, Oliveira SS, Camasmie A et al. Perfil dos Idosos do Centro-dia para Idosos “A Mão Branca”. RevKairos, 2018; 21 (2): 393-405. DOI: https://doi.org/10.23925/2176-901X.2018v21i2p393-405.

23. Keomma K, Coura AS, Júnior EPP, França ISX, Bousquat A. O perfil do idoso na Atenção Primária à Saúde em uma cidade média do Brasil. RevKairos, 2018; 21 (2): 135-153. DOI: http://dx.doi.org/10.23925/2176-901X.2018v21i2p135-153.

24. Wollmann PGA, Coelho SA, Boaventura LG, Murici BG, D'Oliveira GDF, Melo GF. Associação entre a autopercepção do envelhecimento e a autopercepção da saúde. Estudinterdisciplenvelhec., 2018; 23 (3): 95-110. DOI: https://doi.org/10.22456/2316-2171.65634.

25. Uchôa YS, Costa DCA, Júnior IAPS, Silva STSE, Freitas WMTM, Soares SCS. A sexualidade sob o olhar da pessoa idosa. RevBrasGeriatGerontol., 2016; 19 (6): 939-949. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-22562016019.150189.

26. Casarotto VF. Relações entre a atividade física, sintomatologia depressiva e autopercepção do envelhecimento em idosas socialmente ativas no município de Porto Alegre/RS. [Dissertação]. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2017. 63p. Mestrado em Gerontologia Biomédica. Disponível em: https://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/7565.

Publicado
2022-11-18
Seção
Artigos Originais