Contato pele a pele na primeira hora de vida do recém-nascido sob o olhar materno

Palavras-chave: Aleitamento Materno, Método canguru, Parto, Recém-nascido, Relações Mãe-filho

Resumo

Identificar, por meio de relatos das puérperas, a experiência do contato pele a pele (mãe-filho) na primeira hora de vida do recém-nascido. Estudo descritivo, prospectivo de abordagem qualitativa, realizado por meio de entrevista aberta, semiestruturada, com puérperas internadas em uma maternidade referência em alto risco, vinculada ao Sistema Único de Saúde, do Espírito Santo. Foram elaboradas três categorias temáticas: vivenciando os primeiros sentimentos ao conhecer e amamentar o bebê; influência do tempo sobre o contato pele a pele; e, condutas dos profissionais de saúde no contato pele a pele. As puérperas apresentaram sentimentos positivos em relação à experiência do contato pele a pele e destacaram a importância da presença dos profissionais de saúde. O estudo torna-se relevante para reflexão e postura dos profissionais em relação aos cuidados prestados ao binômio mãe-bebê e à qualificação da prática do contato pele a pele de forma humanizada.

Biografia do Autor

Mariana Mariana Rabello Laignier, Universidade Federal do Espírito Santo
Possui graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal do Espírito Santo (2001), mestrado em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Espírito Santo (2005) e doutorado em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2016). Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal do Espírito Santo. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem em Saúde da Criança e do Adolescente, atuando principalmente nos seguintes temas: avaliação de Tecnologias em Saúde, saúde da criança, saúde da criança com necessidade especial e sua família, saúde do adolescente, saúde da mulher e saúde do trabalhador/processo de trabalho.
Lara de Souza Santos, Universidade Federal do Espírito Santo
Graduanda em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal do Espírito Santo (2021-Atual).
Rayane Ribeiro Ventura Martins, Universidade Federal do Espírito Santo
Graduanda em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal do Espírito (2020-Atual). Bolsista no Projeto de Extensão "Ações de Enfermagem em Saúde Mental", coordenado pela Dra. Renata Santos de Souza. Possui interesse em projetos de extensão e pesquisa voltados para Saúde Mental e Psiquiatria.
Aline Piovezan Entringer, Universidade Federal do Espírito Santo
Possui doutorado em Saúde da Criança e da Mulher pelo IFF/FIOCRUZ. Mestrado em Saúde da Criança e da Mulher e Especialista em enfermagem Neonatal pelo IFF\FIOCRUZ. Graduada em Enfermagem/ Obstetrícia pela Universidade Federal do Espírito Santo. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem Neonatal. Realiza pesquisas na área de Avaliação de Tecnologias em Saúde/ Avaliação econômica em saúde e Saúde da Criança. Atualmente é Professora da Universidade Federal do Espírito Santo.
Wânia Ribeiro Trindade, Universidade Federal do Espírito Santo
Atua como Enfermeira Obstetra no Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes pela Empresa Brasileira de Serviços hospitalares (EBSERH). Cursando Doutorado em Saúde Coletiva na Universidade Federal do Espírito Santo. Cursou graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Espírito Santo (2000), Especialização em Enfermagem Obstétrica pela Universidade Federal do Espírito Santo (2001), Especialização em Gestão da Clínica nas Regiões de Saúde pelo Hospital Sírio Libanês (2013) e Especialização em Preceptoria em Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2021). Cursou Mestrado em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro (2007). Atuou como professora na Associação Educacional de Vitória (FAESA) e ministrou as disciplinas Saúde da Mulher, Semiologia em Enfermagem, Fundamentos em Enfermagem e Urgência e Emergência Obstétrica.

Referências

Justino DCP, Lopes MS, Santos CDPS, Andrade FB. Avaliação Histórica das Políticas Públicas de Saúde Infantil no Brasil: revisão integrativa. Rev. Ciênc. Plur. 2019. 5(1): 71-88. doi: 10.21680/2446-7286.2019v5n1ID17946

Monteiro BR. Fatores intervenientes no contato pele a pele entre mãe e bebê na hora dourada. [Dissertação]. Natal, RN. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem; 2019.

Safari K, Saeed AA, Hasan SS, Moghaddam-Banaem L. The effect of mother and newborn early skin-to-skin contact on initiation of breastfeeding, newborn temperature and duration of third stage of labor. Int Breastfeed J. 2018. doi: 10.1186/s13006-018-0174-9

Lotto CR. Linhares, MBM. Contato "pele a pele" na prevenção de dor em bebês prematuros: revisão sistemática da literatura. Trends Psychol. 2018. doi: 10.9788/TP2018.4-01

World Health Organization. WHO. Evidências científicas: dez passos para o sucesso do aleitamento materno. WHO. 2001.

Moura JS, Silva LB. A amamentação e a prática do contato pele a pele entre mãe e bebê. 2020. 24f. Artigo (Graduação em Enfermagem) - Centro Universitário Fametro, Fortaleza, 2020.

Campos PM, Gouveia HG, Strada JKR, Moraes BA. Contato pele a pele e aleitamento materno de recém-nascidos em um hospital universitário. Rev. gaúch. enferm. 2020. doi: 10.1590/1983-1447.2020.20190154

Brasil. Ministério da Saúde (BR). Pré-Natal e Parto. 2022. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-de-a-a-z/s/saude-da-crianca/pre-natal-e-parto. Acesso em: 05 jun.2023.

Kologeski TK, Strapasson MR, Schneider V, Renosto JM. Rev. Enferm, Contato pele a pele do recém-nascido com sua mãe na perspectiva da equipe multiprofissional. 2017. doi: 10.5205/reuol.9978-88449-6-1101201712

Brasil. Ministério da saúde (BR). Governo do Brasil - Saúde atualiza diretrizes para atenção humanizada ao recém-nascido. 2017. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/noticias/saude/2014/ 05/saude-atualiza-diretrizes-para-atencaohumanizada-a-recem-nascido. Acesso em: 17 de mai. de 2023.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70 Ltda, 1977.

Minayo MCS. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. 10. ed. São Paulo: HUCITEC, 2007. 406 p.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública [Internet]. 2008Jan; 24(1):17–27. Available from: https://doi: 10.1590/S0102-311X2008000100003

Jung SM, Rodrigues FA, Herber S. Contato pele a pele e aleitamento materno: Experiências de Puérperas. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro.2020; doi: 10.19175/recom. v10i0.3657

Abdala LG, da Cunha MLC. Contato pele a pele entre mãe e recém-nascido e amamentação na primeira hora de vida. Clinical and Biomedical Research, [S. l.], v. 38, n. 4, 2019.

Brasil. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Além da sobrevivência: práticas integradas de atenção ao parto, benéficas para a nutrição e a saúde de mães e crianças / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno. – 1. ed., 1. reimp. – Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

Fundação Oswaldo Cruz. Portal Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente. 2021. Contato pele a pele na cesárea.

Sampaio ÁRR, Bousquat A, Barros C. Skin-to-skin contact at birth: a challenge for promoting breastfeeding in a “Baby Friendly” public maternity hospital in Northeast Brazil.2016. doi: 10.5123/S1679-49742016000200007

World Health Organization. WHO. Recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience. Geneva, 2018.

Silva LLA, Cirino IP, Santos MS, Oliveira EAR, Sousa AF, Lima LHO. Prevalência do aleitamento materno exclusivo e seus fatores de risco. Saúde e Pesquisa. 2028; 11(3): 527-534. doi: 10.17765/1983-1870.2018v11n3p527-534

Santos IG, Oliveira PP, Roos MO, Benedetti FJ, Teixeira DA, Rangel RF, et al. Importância do acompanhante e do contato pele a pele no parto e no nascimento. Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem, 2021. doi: 10.24276/rrecien2021.11.36.268-275

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Políticas de Saúde, Área Técnica da Mulher. 2001. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher/ Ministério da Saúde.

Porto MA, Pinto MJC. (2019). Prematuridade e vínculo mãe-bebê: uma análise em UTI neonatal. Perspect Psicol, 23(1), 139-51. Disponível em: doi: 10.14393/PPv23n1a2019-51041

Russo JA, Nucci MF. Parindo no paraíso: parto humanizado, ocitocina e a produção corporal de uma nova maternidade. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v. 24, p. e180390, 2020. doi: 10.1590/Interface.180390

Fundação Oswaldo Cruz. Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente. Principais questões sobre o contato pele a pele, 2019.

Publicado
2024-03-31
Seção
Artigos Originais