Visibilizando invisíveis: caracterização de acamados e cuidadores adscritos à uma Unidade Básica de Saúde

Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Estratégia Saúde da Família, Pessoas acamadas, Saúde Coletiva, Vigilância em Saúde

Resumo

Identificar e caracterizar o perfil de usuários acamados que vivem em domicílio na comunidade e a sobrecarga de cuidadores. Estudo observacional transversal. Aplicou-se: questionário perfil sociodemográfico e saúde; Índice Katz; Escala de Risco Familiar Coelho Savassi; Escala de classificação socioeconômica ABEP; e Escala Zarit reduzida. Análise descritiva com dados categóricos expressos por frequência e porcentagem, e dados contínuos, por média e desvio padrão, com intervalo de confiança. Foram avaliados 23 acamados: maioria idosos do sexo masculino, com alguma disfunção familiar relatada e que viviam em moradias de alvenaria sem acessibilidade ou adaptações adequadas. Os 27 cuidadores eram em sua maioria informais, quase todos familiares do sexo feminino, com sobrecarga de cuidado considerada grave. O enfrentamento dessas questões pelos profissionais da saúde pode oferecer respostas adequadas às necessidades desta população, ainda muito negligenciada e desassistida. Visibilizar invisíveis é humanizar o cuidado e proporcionar o acesso à saúde.

Biografia do Autor

Murilo Santos de Carvalho, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre
Mestrando em Ciências da Reabilitação pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Porto Alegre (RS), Brasil.
Franciele Souza Santos, University of Vale do Rio dos Sinos
Mestranda em Saúde Coletiva pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo (RS), Brasil
Alessandra Bombarda Müller, Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Fisioterapeuta (IPA, 1999). Especialização em Cinesiologia (ESEFID/UFRGS, 2001) e em Saúde da Família (IEP/HMV, 2012). Formação no Conceito Bobath (ABRADIMENE, 2005). Mestrado (2008) e Doutorado (2016) em Ciências do Movimento Humano, área de concentração desenvolvimento motor (ESEFID/UFRGS). Pesquisadora colaboradora do Grupo de Pesquisa Avaliações e Intervenções Motoras ESEFID/UFRGS (desde 2003). Membro da Associação Brasileira de Fisioterapia Neurofuncional (ABRAFIN) desde 2014, delegada estadual (desde 2018). Representante da Fisioterapia Neurofuncional na Câmara Técnica de Especialidades da Fisioterapia do CREFITO 5 (desde 2020). Professora da Escola de Saúde da Unisinos (desde 2013), no Curso de Fisioterapia e na Residência Integrada Multiprofissional em Atenção Básica. Tutora no Programa PET-Saúde Unisinos e Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre (2022-2023). Professora da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (desde 2023). Professora convidada do Programa de Pós-Graduação da Faculdade Moinhos de Vento (desde 2006), no Curso Fisioterapia Hospitalar e Terapia Intensiva Pediátrica e Neonatal. Experiência na prática, no ensino e na pesquisa da avaliação e do acompanhamento do desenvolvimento infantil, temas relacionados à recuperação funcional após lesão do sistema nervoso e hospitalização neonatal e pediátrica.

Referências

Ministry of Health (BR). Caderno de atenção domiciliar / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013.

World Health Organization. International Classification of Functioning, Disability and Health (ICF). Genebra, Switzerland, 2001.

Arantes LJ, Shimizu HE, Mérchan-Hamann E. The benefits and challenges of the Family Health Strategy in Brazilian Primary Health care: a literature review. Ciên Saúde Colet. 2016; 21(5): 1499-1509. doi: 10.1590/1413-81232015215.19602015

Ministry of Health (BR). Atenção Domiciliar na Atenção Primária à Saúde/ Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção Especializada à Saúde, Departamento de Atenção Hospitalar, Domiciliar e de Urgência. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2020.

Katz S, Ford AB, Moskowitz RW. Studies of illness in the aged. The index of ADL: a standardized measure of biological ans psychosocial function. JAMA. 1963; 185(12):914-9. doi: 10.1001/jama.1963.03060120024016.

Savassi LCM, Lage JL, Coelho FLG. Sistematização de um instrumento de estratificação de risco familiar: escala de risco familiar de Coelho-Savassi. J Manag Prim Health Care. 2012; 3(2):179-185. doi: 10.14295

Brazilian Association of Business and Reasearch (BR). Critério de Classificação Econômica Brasil 2022. ABEP, 2022.

World Health Organization. Medication Without Harm – Global Patient Safety Challenge on Medication Safety. Genebra, Switzerland, 2017.

Bordin D, Loiola AFL, Cabral LPA, Arcaro G, Bobato GR, Grden CRB. Factors associated to the condition of bedridden in Brazilian old people, results from the National Health Survey, 2013. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2020; 23(2): 1-13. doi:10.1590/1981-22562020023.200069

Arruda GO, Marcon SS. Health risk behaviors of men from the Southern Brazil. Texto & Contexto Enferm. 2018; 27(22):1-12. doi: 10.1590/0104-070720180002640014.

Souza JO, Oliveira BC, Souza VL, Figueiras SRD, Bastos AD. A prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em usuários acamados assistidos em uma unidade básica de saúde da família. Saúde Redes. 2016; 2(3):292-300. doi: 10.18310/2446-4813

Bohusch G. Caracterização dos usuários do programa de atendimento domiciliar aos acamados do centro de saúde IAPI/Porto Alegre. 2012. [Completion of Course Work]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Porto Alegre, 2012.

Medeiros AA, Alves MS, Franco WSA. Health in the Riverside region of Aquidauana, MS: knowing the profile of bedridden users, their caregivers and the access to physical therapy services. Inter. 2021; 22(2): 671-681. doi: 10.20435/inter.v22i2.2972.

Rabelo JS, Nunes RZS, Zavadil SC, Tomasi CD, Ceretta LB, Tuon L. Atenção domiciliar: percepção do usuário que apresenta condição crônica sobre o cuidado ofertado pela atenção primária à saúde. Saúde Redes. 2021; 7(3):1-14. doi: 10.18310/244648132021v7n3.3312g774

Zanesco C, Bordin D, Santos CB, Müller EV, Fadel CB. Factors determining the negative perception of the health of Brazilian elderly people. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2018; 21(3):283-92. doi: 10.1590/1981-22562018021.170210.

Rigo II, Bós AJG. Family dysfunction in nonagenarians and centenarians: the importance of health conditions and social support. Ciên Saúde Colet. 2021; 26(6):2355-2364. doi: 10.1590/1413-81232021266.15082019

Vaitsman J, Lobato LVC. Continuous Cash Benefit (BCP) for disabled individuals: access barriers and intersectoral gaps. Ciênc Saúde Colet. 2017; 22(11):3527-3536. doi: 10.1590/1413-812320172211.20042017

Andrade NO, Alves AM, Luchesi BM, Martins TCR. Polimedicação em adultos e idosos cadastrados na Estratégia Saúde da Família: associação com fatores sociodemográficos, estilo de vida, rede de apoio social e saúde. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2020; 15(42)2462, 2020. doi: 10.5712/rbmfc15(42)2462

Ministry of Health (BR). Portaria n° 963, de 27 de maio de 2013. Redefine a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013.

Viana RAS, Zuffi FB, Ohl RIB, Chavaglia SRR. Socioepidemiological profile of clients with limited mobility and of their caregivers. Rev Enferm UERJ. 2013; 21(4):439-45.

Cunha LCC, França AKTC, Santos MSB, Santos, EM. Cardiovascular risk in hypertensive and diabetic inidividuals followed up in a Basic Health Unit. Saud Pesq. 2023; 16(2):e-11508. doi: 10.17765/2176-9206.2023v16n2.e11508

Malta DC, Andrade SSCA, Oliveira TP, Moura L, Prado RR, Souza MFM. Probability of premature death for chronic non-communicable diseases, Brazil and Regions, projections to 2025. Rev Bras Epidemiol. 2019; 22(1):1-13. doi: 10.1590/1980-549720190030.

Wu X, Li Z, Cao J, Jiao J, Wang Y, Liu G et al. The association between major complications of immobility during hospitalization and quality of life among bedridden patients: a 3 month prospective multi-center study. PLoS ONE. 2018; 13(10):205-219. doi: 10.1371/journal.pone.0205729

Fabricio SEP, Cestari VRF, Carvalho IS, Magalhães PSF, Gomes ILV, Moreira TMM. Chronic noncommunicable diseases and motivation for a healthy lifestyle in adult women. Saud Pesq. 2023; 16(3):e-11609. doi: 10.17765/2176-9206.2023v16n3.e11609

Oliveira BLCA, Campos MAG, Queiroz RCS, Alves MTSSB, Souza BF, Santos AM et al. Prevalence and factors associated with covid-19 vaccine hesitancy in Maranhão, Brazil. Rev Saúde Pública. 2021; 55(12):1-12. doi: 10.11606/s1518-8787.2021055003417

Lemos PL, Júnior GJO, Souza NFC, Silva IM, Paula IPG, Silva KC et al. Factors associated with the incomplete opportune vaccination schedule up to 12 months of age, Rondonópolis, Mato Grosso. Rev Paul Pediatr; 2022; 40(1):1-11. doi: 10.1590/1984-0462/2022/40/2020300

Bittencourt BF, Mattos M, Goulart LS, Santos DAS, Lemos PL. Reliable sources of information about COVID-19 among usersof the Family Health Strategy. Saud Pesq. 2023; 16(1):e-11455. doi: 10.17765/2176-9206.2023v16n1.e11455

Pereira LTS, Novaes GJ, Moraes L, Borges CJ, Souza MR, Silva LA et al. A look at the health of women caregivers of elderly people: challenges and opportunities. Rev Kairós. 2017; 20(1):277-297. doi: 10.23925/2176-901X.2017v20i1p277-297

Bim CR, González Alberto. Territorial distribution of physiotherapists in the State of Paraná and insertion in first aid teams. Saúde Pesq. 2020 jan-mar; 13(1): 83-91. doi: 10.17765/2176-9206.2020v13n1p83-91

Rezende AC, Trujilo C, Amorim EL, Uchida KK, Trizote LGO, Silva RFG et al. The effectiveness of home visits in the care of bedridden patients. Revista de Epid. e Saúde Pública. 2023; 1(2): 1-13. doi: https://doi.org/10.59788/resp.v1i2.16.

Ministry of Health (BR). Sistema de Informação em Saúde para a Atenção Básica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção Primária à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2023.

Publicado
2024-03-31
Seção
Artigos Originais