<b>Avaliação do Tratamento da Enxaqueca Uma Abordagem Literária

  • Maria Ingra Oliveira Martins Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI
  • Tamires Santana de Sá Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI
  • Luiz Felipe Oliveira Barros Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI e das Faculdades Unidas do Norte de Minas - FUNORTE
Palavras-chave: Cefaleia, Enxaqueca, Tratamento

Resumo

A enxaqueca é uma forma de cefaleia crônica primária que pode ser definida como uma doença neurológica caracterizada por ataques de dor de cabeça unilateral ou bilateral, com caráter pulsátil e latejante, de intensidade moderada a intensa e manifestações associadas como fotofobia, fonofobia, náuseas e/ou vômitos, podendo ser precedida ou não por sinais psíquicos, clínicos e neurológicos denominados aura. Com as crises, muitos pacientes abandonam suas atividades, gerando sensível impacto social. Por se tratar de um mal tão comum entre as pessoas, o presente trabalho tem como objetivo avaliar as diferentes formas de tratamento sintomático e profilático da enxaqueca, através de medidas farmacológicas e não farmacológicas. Trata-se de uma revisão bibliográfica baseada em artigos e periódicos nacionais e internacionais, como também em livros relacionados ao assunto. A abordagem mais eficiente para o tratamento inclui o afastamento dos fatores deflagradores, tratamento medicamentoso para o alívio das crises, tratamento preventivo e as terapias complementares ou não medicamentosas. Para o tratamento agudo utilizam-se várias classes de medicamentos que incluem analgésicos comuns, anti-inflamatórios não esteroides, alcaloides de ergot, triptanos e antieméticos. Para o tratamento profilático as classes utilizadas são os betabloqueadores, antidepressivos tricíclicos, anticonvulsivantes, bloqueadores de canais de cálcio e agonistas do receptor 5-HT2. Quando individualizados e usados corretamente, estes medicamentos para o tratamento da fase aguda e os profiláticos têm sido responsáveis por reduções importantes na frequência e intensidade dos episódios de enxaqueca, diminuindo, assim, o sofrimento e melhorando a qualidade de vida dos pacientes.

Biografia do Autor

Maria Ingra Oliveira Martins, Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI
Discente do curso de Farmácia da Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI
Tamires Santana de Sá, Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI
Discente do curso de Farmácia da Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI
Luiz Felipe Oliveira Barros, Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI e das Faculdades Unidas do Norte de Minas - FUNORTE
Docente do Departamento de Ciências Farmacêuticas da Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI e das Faculdades Unidas do Norte de Minas - FUNORTE.
Publicado
2013-12-12
Seção
Artigos de Revisão