CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO, DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E DAS CONDIÇÕES SOCIAIS DE IDOSOS OCTOGENÁRIOS

  • Matheus Santos Gomes Jorge Fisioterapeuta e pós-graduando do Curso de Especialização em Fisioterapia Traumato-ortopédica, Faculdade de Educação Física e Fisioterapia, Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo (RS), Brasil
  • Willian Guerra de Lima Graduando do Curso de Fisioterapia, Faculdade de Educação Física e Fisioterapia, Universidade de Passo Fundo, Bolsista Pibic/CNPq, Passo Fundo (RS), Brasil.
  • Patrícia Rodigheri Vieira Graduanda do Curso de Fisioterapia, Faculdade de Educação Física e Fisioterapia, Universidade de Passo Fundo, Bolsista Pibic/UPF, Passo Fundo (RS), Brasil
  • Sabrina Casarin Vogelmann Graduanda do Curso de Fisioterapia, Faculdade de Educação Física e Fisioterapia, Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo (RS), Brasil
  • Rafaela Simon Myra Graduanda do Curso de Fisioterapia, Faculdade de Educação Física e Fisioterapia, Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo (RS), Brasil
  • Lia Mara Wibelinger Doutora em Gerontologia Biomédica pela Pontifícia Universidade Católica, Porto Alegre (RS), Brasil. Docente do Curso de Fisioterapia e do Programa de Pós-graduação em Envelhecimento Humano, Faculdade de Educação Física e Fisioterapia, Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo (RS), Brasil
Palavras-chave: Idoso de 80 anos ou mais, Idoso, Longevidade, Perfil de saúde, Condições sociais

Resumo

O objetivo deste estudo foi caracterizar o perfil sociodemográfico, as condições de saúde e as condições sociais de idosos octogenários. Estudo quantitativo, descritivo de corte transversal, que avaliou o perfil sociodemográfico (12 itens), as condições de saúde (15 itens) e as condições sociais (04 itens) de 58 idosos octogenários, por meio de um questionário estruturado, totalizando 31 itens avaliados. Os resultados demonstraram que a amostra era predominantemente feminina (68,96%), viúva (62,06%), com 80-89 anos (79,31%), com escolaridade básica (89,63%) e aposentada (75,86%). Possuíam casa própria (65,51%), tinham filhos e/ou netos (89,65%), eram católicos (84,48%), tinham plano de saúde (58,62%), apresentavam alterações oculares (72,41%) e faziam uso de dispositivos para correção (72,41%). A maioria apresentava hipertensão arterial sistêmica (55,17%), fazia uso de hipotensores (55,17%), realizava consultas médicas regulares (63,79%), já realizou fisioterapia (53,44%), praticava atividade física (65,11%) e classificou sua saúde como regular ou boa (43,10%). Em suma, o perfil sociodemográfico, as condições de saúde e as condições sociais dos idosos descritas neste estudo podem contribuir para o conhecimento sobre os octogenários, o que torna isto uma questão de saúde pública em virtude do progressivo crescimento populacional destes indivíduos.

Referências

BRASIL. Em 10 anos, cresce número de idosos no Brasil. Portal Brasil, 2016A. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2016/12/em-10-anos-cresce-numero-de-idosos-no-brasil>. Acesso em: 28 de maio de 2017.

BRASIL. Expectativa de vida no Brasil sobe para 75,5 anos em 2015. Portal Brasil, 2016B. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/governo/2016/12/expectativa-de-vida-no-brasil-sobe-para-75-5-anos-em-2015>. Acesso em: 16 de maio de 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Área Técnica Saúde do Idoso. Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento. Brasília, DF, 2010, 44p.

BRITO T. A. et al. Capacidade funcional e fatores associados em idosos longevos residentes em comunidade: estudo populacional no Nordeste do Brasil. Fisioter Pesq, v. 21, n. 4, p. 308-313, 2014.

BRITO T. A. et al. Quedas e capacidade funcional em idosos longevos residentes em comunidade. Texto Contexto Enferm, v. 22, n. 1, p. 43-51, 2013.

CAMARANO, A. A. Envelhecimento da população brasileira: uma contribuição demográfica. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; 2002.

CELICH, K.L.S.; GALON, C. Dor crônica em idosos e sua influência nas atividades da vida diária e convivência social. Rev Bras Geriatr Gerontol, v. 12, n. 3, p. 345-359, 2009.

CHARLES, S.T.; CARSTENSEN, L. L. Social and Emotional Aging. Annu Rev Psychol, v.61, n.1, p. 383-409, 2010.

DUARTE, Y. A. O. et al. Religiosidade e envelhecimento: uma análise do perfil de idosos do município de São Paulo. Saúde Coletiva, v. 5, n. 24, p. 173-177, 2008.

GOLDESTEIN, L. L. Desenvolvimento do adulto e da religiosidade: uma questão de fé. In: NÉRI, A. L. (Org.). Qualidade de vida e idade madura. Campinas: Papirus, 1993. p. 83-108.

GRDEN, C. R. B. et al. Características sociodemográficas e de acesso de longevos aos serviços de saúde. Cienc Cuid Saude, v. 14, n. 4, p. 1505-1512, 2015.

KRUG R. R. et al. Prevalence of commuting physical activity and associated factors in long-lived older adults. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum, v. 18, n. 5, p. 520-529, 2016.

KUMMER, J. A.; FAREZIN, S.; WIBELINGER, L. M. Caracterização das condições de saúde de idosos participantes de grupos de convivência. EFDeportes, v. 19, n. 194, p. 1, 2014.

KÜPPER. B.; ZICK, A. Inverse gender gap in Germany: social dominance orientation among men and women. Int J Psychol, v. 46, n.1, p.33-45, 2011.

LENARDT, M. H. et al. Prevalence of pre-frailty for the component of gait speed in older adults. Rev Latino-Am Enfermagem, v. 21, n. 3, p. 734-774, 2013.

LENARDT, M. H.; CARNEIRO, N. H. K. Associação entre as características sociodemográficas e a capacidade funcional de idosos longevos da comunidade. Cogitare Enferm, v. 18, n. 1, p. 13-20, 2013.

LIN, J.C. et al. Alcohol, tobacco, and nonmedical drug use disorders in U.S. Adults aged 65 years and older: data from the 2001-2002 National Epidemiologic Survey of Alcohol and Related Conditions. Am J Geriatr Psychiatry, v.19, n.3, p.292-299, 2011.

MASTROENI, M. F. et al. Perfil demográfico de idosos da cidade de Joinville, Santa Catarina: Estudo de base domiciliar. Rev Bras Epidemiol, v. 10, n. 2, p. 190-201, 2007.

MENDES, G. S.; MORAES, C. F.; GOMES, L. Prevalência de hipertensão arterial sistêmica em idosos no Brasil entre 2006 e 2010. Rev Bras Med Fam Comunidade, v. 9, n. 32, p. 273-278, 2014.

MENEZES R. L.; BACHION, M. M. Condições visuais autorrelatadas e quedas em idosos institucionalizados. Rev Bras Oftalmol, v. 71, n. 1, p. 23-27, 2012.

MOURA, M. A. V.; DOMINGOS, A. M.; RASSY, M. E. C. A qualidade na atenção à saúde da mulher idosa: um relato de experiência. Esc Anna Nery, v. 14, n. 4, p. 848-855, 2010.

NAHAS, M. V. Atividade física, saúde e qualidade de vida. 4. ed. Londrina: Midiograf, 2008.

NEVES, S. J. F. et al. Epidemiologia do uso de medicamentos entre idosos em área urbana do Nordeste do Brasil. Rev Saúde Pública, v. 47, n. 4, p. 759-768, 2013.

NOGUEIRA, S. L. et al. Fatores determinantes da capacidade funcional em idosos longevos. Rev Bras Fisioter, v. 14, n. 4, p. 322-329, 2010.

PORCIÚNCULA, R. C. R. et al. Perfil socioepidemiológico e autonomia de longevos em Recife-PE, Nordeste do Brasil. Rev Bras Geriatr Gerontol, v. 17, n. 2, p. 315-325, 2014.

QUEIROZ, D. B. B. et al. Funcionalidade, aptidão motora e condições de saúde em idosos longevos residentes em domicílio. Arq Ciênc Saúde, v. 23, n. 2, p. 47-53, 2016.

RIBEIRO, D. K. M. N. et al. Fatores contributivos para a independência funcional de idosos longevos. Rev Esc Enferm USP, v. 49, n. 1, p. 89-95, 2015.

ROSSET, I. et al. Diferenciais socioeconômicos e de saúde entre duas comunidades de idosos longevos. Rev Saúde Pública, v. 45, n. 2, p. 391-400, 2011.

SENGER, A. E. V. et al. Alcoolismo e tabagismo em idosos: relação com ingestão alimentar e aspectos socioeconômicos. Rev Bras Geriatr Gerontol, v. 14, n. 4, p. 713-9, 2011.

SILVA, I.R.; GUNTHER, I.A. Papéis sociais e envelhecimento em uma perspectiva de curso de vida. Psc: Teoria e Pesquisa, v.16, n.1, p. 31-40, 2000.

VAROTO, V.A.G.; TRUZZI, O.M.S.; PAVARINI, S.C.L. Programas para idosos independentes: um estudo sobre seus egressos e a prevalência de doenças crônicas. Texto e Contexto Enferm., v.13, n. 1, p. 107-114, 2004.

VEIGA, B. et al. Avaliação de funcionalidade e incapacidade de idosos longevos em acompanhamento ambulatorial utilizando a WHODAS 2.0. Rev Bras Geriatr Gerontol, v. 19, n. 6, p. 1015-1021, 2016.

ZAITUNE, M. P. A. et al. Fatores associados ao tabagismo em idosos: Inquérito de Saúde no Estado de São Paulo (ISA-SP). Cad Saúde Pública, v. 28, n. 3, p. 583-595, 2012.

ZANIN, C. et al. Autopercepção de saúde em idoso com hipertensão arterial sistêmica. Rev Interdisciplinar de Ciências Médicas – MG, v. 1, n.1, p. 26-33, 2017.

Publicado
2017-07-21
Seção
Artigos Originas - Promoção da Saúde