EPIDEMIOLOGIA DO TRAUMA EM ATENDIMENTOS DO SAMU NOVO HAMBURGO/RS NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015

  • Acza Mirian Araujo da Silva
  • Solange Fatima Mohd S. Shama Universidade Feevale, Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo
Palavras-chave: Serviços médicos de emergência, Ferimentos e lesões, Estudos epidemiológicos

Resumo

O trauma é considerado um problema de importância epidemiológica no cenário brasileiro e mundial, constitui-se num dos principais desafios à saúde pública e aos gestores. Trata-se de um estudo epidemiológico, documental, composto por 444 boletins de atendimento de trauma realizados pelo Samu no município de Novo Hamburgo/RS no primeiro trimestre de 2015, com o objetivo de determinar os motivos de ocorrência e sua correlação com as variáveis clínico-epidemiológicas. Os dados apontam que o principal motivo de trauma se deu em função de colisão, seguido por queda e atropelamento, além disso foram caracterizadas as variáveis relacionadas ao tipo de suporte de vida, desfecho, horário, dias e locais. Os resultados mostram a importância de estabelecer maiores estudos sobre o trauma nesse município e ações estratégias a partir de indicadores que subsidiem a gestão e contribuam para a melhoria da assistência à saúde.

Biografia do Autor

Acza Mirian Araujo da Silva
Enfermeira, Especialista em Urgência e Trauma, Mestranda do Programa de Pós-graduação em Ensino na Saúde, pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Brasil.
Solange Fatima Mohd S. Shama, Universidade Feevale, Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo
Mestre em Ciências Veterinárias, Médica veterinária, Departamento de Vigilância em Saúde de Novo Hamburgo/RS, Professora titular do Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Feevale

Referências

BAGHI, I. et al. Mechanism of Injury, Glasgow Coma Scale, Age, and Systolic Blood Pressure: A New Trauma Scoring System to Predict Mortality in Trauma Patients. Trauma Monthly, Tehran, v. 20, n. 3, p. 1-4, Ago. 2015. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.5812/traumamon.24473>. Acesso em: 03 dez. 2017.

BRASIL. Portaria GM/MS n.2048, de 5 de novembro de 2002. Aprova o Regulamento Técnico dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência. Diário Oficial da União, Brasília, 12 nov. 2002. Seção 1, p. 32-54. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt2048_05_11_2002.html>. Acesso em: 03 dez. 2017.

BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Saúde Brasil 2011: uma análise da situação de saúde e a vigilância da saúde da mulher. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_brasil_2011.pdf>. Acesso em: 03 dez. 2017.

BRASIL. Portaria n. 1365, de 8 de julho de 2013. Aprova e institui a Linha de Cuidado ao Trauma na Rede de Atenção às Urgências e Emergências. Diário Oficial da União, Brasília, 12 jul. 2013. Seção 1, p. 166. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt1365_08_07_2013.html>. Acesso em 03 dez. 2017.

CARVALHO, I. C. C. M.; SARAIVA, I. S. Perfil das vítimas de trauma atendidas pelo serviço de atendimento móvel de urgência. R. Interd., Teresina, v.8, n.1, p. 137-148, jan. fev. mar, 2015. Disponível em: <https://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/view/392>. Acesso em: 03 dez. 2017.

CHAMPION, H. R. et al. A revision of the Trauma Score. The Journal of Trauma, Baltimore, v. 29, n. 5, 1989. Disponível em: <http://journals.lww.com/jtrauma/abstract/1989/05000/a_revision_of_the_trauma_score.17.aspx>. Acesso em: 03 dez. 2017.

DATASUS. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância. TABNET. Informações de Saúde: Mortalidade Rio Grande do Sul. Município Novo Hamburgo. Brasília, DF, 2015. Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sim/cnv/obt10rs.def>. Acesso em: 04 dez. 2017.

DETRAN-RS. Departamento Estadual de Trânsito. Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Estatística: Estatísticas de Trânsito. Porto Alegre, 2015. Disponível em:<http://www.detran.rs.gov.br/conteudo/27452/perfil-dos-condutoresdo-rs>. Acesso em: 03 dez. 2017.

FERREIRA, M. A. F.; FELIZZARI, C. T. Correlação entre a epidemiologia do trauma e o atendimento de enfermagem em uma unidade de pronto-socorro. Revista Eletrônica da Faculdade Evangélica do Paraná, Curitiba, v. 1, n.1, p.2-12, 2011. Disponível em: <http://www.fepar.edu.br/revistaeletronica/index.php/revfepar/article/view/10/0>. Acesso em: 03 dez. 2017.

GARBIN, C. A. S. et al. Desafıos do profıssional de saúde na notifıcação da violência: obrigatoriedade, efetivação e encaminhamento. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 6, p. 1879-1890, Jun. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232015000601879&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 03 dez. 2017.

IBGE. Projeções e estimativas da população do Brasil e das unidades da federação. Brasília, 2015. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/>. Acesso em: 01 jul. 2015.

MALTA, D. C. et al. Características e fatores associados às quedas atendidas em serviços de emergência. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v.46, n.1, p.128-137, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003489102012000100016&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 03 dez. 2017.

MARTINS, J. G. Perfil de pacientes vítimas de trauma torácico atendidos por um servico de atendimento móvel de urgência de um município da região do Vale dos Sinos/RS. 2014. 58f Monografia (Conclusão do Curso de Enfermagem) - Feevale, Novo Hamburgo-RS, 2014. Disponível em : <http://biblioteca.feevale.br/Monografia/MonografiaJulianaMartins2.pdf>. Acesso em: 03 jan 2016.

MARQUES, G. Q.; LIMA, M. A. D. S.; CICONET, R. M. C. Agravos clínicos atendidos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) de Porto Alegre – RS. Acta Paul Enferm, v. 24, n. 2, p. 18591, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002011000200005>. Acesso em: 03 dez. 2017.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Associação de cirurgia do trauma e terapia intensiva; Sociedade Internacional de Cirurgia. Diretrizes para o desenvolvimento de programas de qualidade no atendimento ao trauma. Bogotá: Distribuna, 2009. 147 p. Disponível em: <http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/44061/3/9789241597746_por.pdf?ua=1>. Acesso em: 04 dez. 2017.

PARREIRA, J. G. et al. Análise comparativa entre as lesões encontradas em motociclistas envolvidos em acidentes de trânsito e vítimas de outros mecanismos de trauma fechado. Rev Assoc Med Bras, v. 58, n. 1, p. 76-81, 2012. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302012000100018>. Acesso em: 04 dez. 2017.

NAEMT. PHLTS Atendimento pré-hospitalar ao traumatizado. Comitê do PHTLS da National Association of Emergency Medical Technicians (NAEMT) em cooperação com o Comitê de Trauma do Colégio Americano de Cirurgiões. 7. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011. 618 p.

REICHENHEIM, M. E. et al. Violência e lesões no Brasil: efeitos, avanços alcançados e desafios futuros. The Lancet. Londres, p. 75-89, 2011. Disponível em: <http://www.thelancet.com/pdfs/journals/lancet/PIIS0140-6736(11)60053-6.pdf>. Acesso em: 04 dez. 2017.

SANCHES, S.; DUARTE, S. J. H.; PONTES, E. R. J. C. Caracterização das vítimas de ferimentos por arma de fogo, atendidas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência em Campo Grande-MS. Saúde Soc. São Paulo, v.18, n.1, p. 95-102, 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902009000100010&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 04 dez. 2017.

SEMENSATO, G.; ZIMERMAN, L.; ROHDE, L. E. Avaliação Inicial do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência na Cidade de Porto Alegre. Arq Bras Cardiol, v. 96, n.3, p. 196-204, 2011. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2011005000019>. Acesso em: 04 dez. 2017.

SES-RS. Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Sul. Urgência e Emergência - SAMU e UPAs: Informações para os Gestores e Equipes do SAMU. Porto Alegre, 2015a. (Nota Técnica n.º 13). Disponível em: <http://www.saude.rs.gov.br/upload/arquivos/carga20170543/09104309-nota-tecnica-13-boletim-de-atendimento-ba.pdf>. Acesso em: 04 dez. 2017.

TAVARES, F. L.; COELHO, M. J.; LEITE, F. M. C. Homens e acidentes motociclísticos: caracterização dos acidentes a partir do atendimento pré-hospitalar. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro , v. 18, n. 4, p. 656-661, Dec. 2014. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140093>. Acesso em: 04 dez. 2017.

VILELA, L. F. Manual para Atendimento às Vítimas de Violência na Rede de Saúde Pública do Distrito Federal. Brasília: Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal, 2008. 68 p. Disponível em: <http://pfdc.pgr.mpf.mp.br/atuacao-e-conteudos-de-apoio/publicacoes/crianca-eadolescente/Manual_de_atendimento_as_vitimas_de_violencia_na_rede_de_saude _publica_do_df_secretaria_de_saude_do_df_2009.pdf>. Acesso em: 04 dez. 2017.

Publicado
2018-02-12
Seção
Artigos Originais