CONHECIMENTO DE PAIS/CUIDADORES SOBRE SAÚDE BUCAL NA INFÂNCIA

  • Dírlia Silva Cardoso Macambira Prefeitura Municipal de Fortaleza
  • Emilia Soares Chaves UNILAB
  • Edmara Chaves Costa UNILAB
Palavras-chave: Conhecimento, Saúde bucal, Crianças

Resumo

A informação acerca da importância dos aspectos nutricionais, higiênicos e outros relativos aos cuidados básicos de saúde bucal tende a resultar em uma redução da doença cárie. Objetivou-se avaliar o conhecimento de pais/cuidadores sobre saúde bucal na infância. Estudo quantitativo, transversal comparativo, realizado no período de outubro/2015 a março/2016 em uma unidade de atenção primária à saúde. A amostra de 62 pais/cuidadores foi dividida em dois grupos: com puericultura odontológica e sem puericultura odontológica. O instrumento de coleta de dados consistiu de formulário com perguntas fechadas. Maior adesão e frequência diária de escovação dentária, maior número de crianças com primeira consulta ao dentista, menor consumo diário de açúcar e doces e maior consumo de verduras e suco sem açúcar foram achados do grupo com puericultura odontológica. Pais/cuidadores que receberam orientações do cirurgião-dentista sobre cuidados em saúde bucal demonstraram maior conhecimento e melhores práticas relativos a este tema quando comparados àqueles que não receberam.

Biografia do Autor

Dírlia Silva Cardoso Macambira, Prefeitura Municipal de Fortaleza
Unidade Básica de Saúde do município de Fortaleza-CE
Emilia Soares Chaves, UNILAB
Docente Adjunto da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB), Brasil.
Edmara Chaves Costa, UNILAB
Docente Adjunto II da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB), Brasil.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: crescimento e desenvolvimento. Cadernos de Atenção Básica, n° 33. Brasília, DF, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. 3 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

CAMPOS, R. M. C.; RIBEIRO, C. A.; SILVA, C.V.; SAPAROLLI, E.C.L. Consulta de enfermagem em puericultura: a vivência do enfermeiro na Estratégia de Saúde da Família. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 45, n. 3, p. 566-574, Jun. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342011000300003&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 26 Out. 2014.

CASTILHO, A. R. F.; BARBOSA, T. S.; MIALHE, F. L.; PUPPIN-RONTANI, R. M. Influência do ambiente familiar sobre a saúde bucal de crianças: uma revisão sistemática. J. Pediatr. (Rio J.), Porto Alegre. v. 89, n. 2, p. 116-123, Apr. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572013000200003&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 03 Set. 2017.

CURY, J. A.; TENUTA, L. M. A. Riscos do uso do Dentifrício Fluoretado na Prevenção e Controle de Cárie na Primeira Infância. Rev. Fac. Odontol., Porto Alegre, v. 53, n. 3, p. 21-27, set./dez. 2012.

FERREIRA, J. M. S.; SILVA, S. F.; ARAGÃO, A. K. R.; DUARTE, R. C.; MENEZES, V. A. Conhecimento de pais sobre saúde bucal na primeira infância. Pediatria Moderna, Paraíba, v.46, n.6, p.224-230, nov/dez. 2010.

FORTALEZA. Prefeitura Municipal de Fortaleza. Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico. Desenvolvimento Humano por Bairro em Fortaleza_CE. 2010. Disponível em: <http://www.fortaleza.ce.gov.br/sites/default/files/u2392/livreto_idh-b_fortaleza_1.pdf>. Acesso em: 06 ago. 2016.

GUEDES-PINTO, A. C. Odontopediatria. São Paulo: Santos, 2010. 1007 p.

MEDEIROS, L. F. Porque crianças com menos de 5 anos ainda tem cárie no Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ODONTOPEDIATRIA, 25, 2015, Porto de Galinhas-PE. Relatório de Simpósio. Disponível em: http://abodontopediatria.org.br/site/wp-content/uploads/2015/09/relat%c3%93rio-simp%c3%93sio-porque-crian%c3%87as-com-menos-de-5-anos-ainda-tem-c%c3%81rie-no-brasil-25%c2%ba-cbo-porto-de-galinhas-2015.pdf . Acesso em 28 maio 2017.

OLIVEIRA, W. F.; FORTE, F. D.S. Construindo o significado da saúde bucal a partir de experiência com mães. Pesq Bras Odontoped Clin Integr, João Pessoa, v.11, n.2, p. 183-191, abr/jun. 2011.

TENUTA, L. M.; CHEDID, S. J.; CURY, J. A. Uso de Fluoretos em Odontopediatria - mitos e evidências. In: Maia L. C.; Primo L. G. Odontopediatria Clínica Integral. Ed.Santos, 2011.

STOCCO, G.; BALDANI, M. H. O controle das consultas odontológicas dos bebês por meio da carteira de vacina: avaliação de um programa-piloto desenvolvido na Estratégia Saúde da Família em Ponta Grossa (PR, Brasil). Rev. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v.16, n.4, abr. 2011.

SILVA, R. A.; NÓIA, N. B.; GONÇALVES, L. M.; PINHO, J. R. O.; CRUZ, M. C. F. N. Avaliação da participação de mães em um programa de prevenção e controle de cáries e doenças periodontais para lactentes. Rev. paul. Pediatr. São Paulo, v. 31, n. 1, p. 83-89, mar. 2013. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/rpp/v31n1/15.pdf>. Acesso em: 07 jun. 2015.

VIDAL, V.U.A. Puericultura e autonomia das mães: uma relação possível? 115f. Dissertação de Mestrado em Saúde Coletiva Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, 2011.

WALTER, L. R. F.; LEMOS, L. V. F. M.; MYAKI, S. I.; ZUANON, A C. C. Manual de Odontologia para bebês. São Paulo: Artes Médicas. 2014. 168 p.

Publicado
2018-02-12
Seção
Artigos Originais