OS PROBLEMAS DO RIO SÃO FRANCISCO NA PERCEPÇÃO DE MORADORES DE PETROLINA E JUAZEIRO: A SAÚDE EM FOCO

  • Juliana Linhares Brant Reis UNIVASF - Universidade Federal do Vale do São Francisco http://orcid.org/0000-0002-5942-3062
  • Bruno Otávio de Lacerda Abrahão Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF
  • Diego Luz Moura Universidade Federal do Vale do São Francisco
Palavras-chave: Resíduos, Saneamento Básico, Saúde Ambiental, Meio Ambiente.

Resumo

O objetivo desta pesquisa é analisar a percepção de moradores de Petrolina/PE e Juazeiro/BA em relação aos problemas enfrentados pelo rio São Francisco. A fim de compreender o assunto, foi realizada uma pesquisa de campo, em que foram entrevistados 77 sujeitos que moram, trabalham ou frequentam aqueles espaços e utilizam o rio de diferentes formas. A partir da análise de conteúdo, foi possível perceber que, para os entrevistados, o rio se apresenta como o principal bem natural presente no Vale do São Francisco. No entanto, na percepção dos sujeitos da pesquisa, o rio enfrenta problemas como o descarte de lixo e esgoto, que prejudicam a saúde, a qualidade de vida e o trabalho da população. Portanto, faz-se necessária uma mudança de comportamento e uma gestão que se preocupe com as questões ambientais e sociais, a fim de minimizar os impactos causados por aquelas ações e, assim, caminhar em direção a um desenvolvimento social, ambiental e economicamente sustentável.

Biografia do Autor

Juliana Linhares Brant Reis, UNIVASF - Universidade Federal do Vale do São Francisco
Mestre em Ciências, pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf). Docente da Faculdade São Francisco de Juazeiro (FASJ), Brasil.
Bruno Otávio de Lacerda Abrahão, Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF
Doutor em Educação Física. Docente Adjunto do departamento de Educação Física, Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia (UFBA) e Docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação Física da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), Brasil.
Diego Luz Moura, Universidade Federal do Vale do São Francisco
Doutor em Educação Física. Professor Adjunto da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), Brasil.

Referências

ALVES FILHO, J. Uma análise da viabilidade do projeto de transposição de águas do rio São Francisco. In: ALVES FILHO, J. (Org.). Toda a verdade sobre a transposição do Rio São Francisco. Rio de Janeiro: Mauad X, 2008. p. 13-58.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução Luís Augusto Reto, Augusto Pinheiro. Almedina Brasil. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARROS, R. T. de V. Elementos de resíduos sólidos. Belo Horizonte: Tessitura, 2012. p. 11-68.

BESEN, G. R. et. al. Coleta seletiva na região metropolitana de São Paulo: impactos da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 17, n. 3, p. 259-278, jul/set, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde Ambiental para o setor saúde. Brasília: Secretaria de Políticas de Saúde,1999.

CAMPOS, H. K. T. Renda e evolução da geração per capita de resíduos sólidos no Brasil. Eng Sanit Ambient, v. 17, n. 2, p. 171-180, abr./jun. 2012.

CANÇADO, C. J. et al. Gestão de resíduos sólidos de microcomputadores no município de Contagem/MG: uma análise dos atores envolvidos. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GeAS, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 1-18, jan./jun. 2012.

GERBASE, A. E; OLIVEIRA, C. R. Reciclagem do lixo de informática: uma oportunidade para a química. Quim. Nova, v. 35, n. 7, p. 1486-1492, 2012.

GERHARDT, T. E.; SIVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2009. 120 p.

GIARETTA, J. B. Z; TANIGUSHI, D. G; et al. Hábitos relacionados ao descarte pós-consumo de aparelhos e baterias de telefones celulares em uma comunidade acadêmica. Saúde Soc., São Paulo, v. 19, n. 3, p. 674-684, 2010.

GOUVEIA, N. Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n. 6, p. 1503-1510, 2012.

HIROTA, M. Realidade espelhada. In: VOZES do Velho Chico. Caderno. São Paulo: Ed. 09, p. 28-29. 2016.

IBGE. Censo Demográfico de 2010. Disponível em: <http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=261110>. Acesso em: 10 fev. 2017.

JACOBI, P. R.; BESEN, G. R. Gestão de resíduos sólidos em São Paulo: desafios da sustentabilidade. Estudos Avançados, v. 25, n.71, p. 135-158, 2011.

MARCHI, C. M. D. F. Novas perspectivas na gestão do saneamento: apresentação de um modelo de destinação final de resíduos sólidos urbanos. Revista Brasileira de Gestão Urbana, p. 91-105, jan./abr. 2015.

PONTO CRÍTICO. Brasil registra 1.326 casos de microcefalia. Ponto Crítico. Maio, 2016. Disponível em: <http://pontocritico.org/11/05/2016/brasil-registra-1-326-casos-de-microcefalia/>. Acesso em: 05 nov. 2016.

MUCELIN, C. A.; BELLINI, M. Lixo e impactos ambientais perceptíveis no ecossistema urbano. Sociedade e Natureza, Uberlândia, p. 111-124, jun. 2008.

OLIVEIRA, L. F. C. de et al. Sorção de elementos traços em solos de áreas de disposição final de resíduos sólidos urbanos. Ambiente & Água-An Interdisciplinary Journal of Applied Science, v. 9, n. 2, p. 288-301, 2014.

POMMER, W. M. A interdisciplinaridade e o ensino de engenharia: ensaio sobre um projeto articulados. Revista Educação, v. 7, n 1. p. 35-47, 2012.

SANTIAGO, L. S.; DIAS, S. M. F. Matriz de indicadores de sustentabilidade para a gestão de resíduos sólidos urbanos. Eng Sanit Ambiental, v. 17, n. 2, p. 203-212, abr/jun. 2012.

Publicado
2018-02-12
Seção
Artigos Originais