DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES TIPO 2

  • Vilma Souza do Nascimento Barbosa Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Leuciney Santana Gomes Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Danielly Cristina Andrade Palma Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: Dislipidemia, Hiperglicemia, Doenças cardiovasculares.

Resumo

O objetivo do estudo foi analisar a presença de dislipidemias em diabéticos tipo 2 atendidos pelas Unidades Básicas de Saúde do município de Coxim-MS. Estudo transversal observacional com abordagem quantitativa, composto por pacientes diabéticos tipo 2 cadastrados no programa Hiperdia, maiores de 18 anos, ambos os sexos, e que realizaram durante o ano de 2014 ao menos um exame de colesterol total, triglicerídeo e glicemia em jejum. Os resultados demonstram que 53,4% dos indivíduos tinham associações entre diabetes e dislipidemias reforçando que Diabetes Mellitus influi no metabolismo de lipídeos corroborando para aparecimento da dislipidemia e que o estilo de vida, sedentarismo e fatores sociodemográficos influem diretamente nesses resultados. Diante dos achados desse estudo vale ressaltar a importância em conhecer e planejar ações voltadas para promoção e prevenção desses agravos.

Biografia do Autor

Vilma Souza do Nascimento Barbosa, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Brasil.
Leuciney Santana Gomes, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Brasil.
Danielly Cristina Andrade Palma, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Doutoranda pelo Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais (Unemat). Docente Adjunto - Nível I da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (Unemat), Brasil.

Referências

ALMEIDA et al. Dislipidemias e Diabetes Mellitus: fisiopatologia e tratamento. Rev. Ciênc.Méd. v.16, n. 4-6, Campinas, 2007.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2016: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2016. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 162p. (Cadernos de Atenção Básica, n. 35). Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br>. Acesso em: 18 out 2015.

CAROLINO et al. Fatores de risco em pacientes com Diabetes Mellitus tipo 2. Rev. Latino Am Enfermagem. v. 16, n. 2, Maio-Abril, 2008.

CDC – Centro de Diabetes Curitiba. 2014. Diabetes no paciente idoso. Disponível em: <http://www.centrodediabetescuritiba.com.br/artigos/diabetes-no-paciente-idoso/>. Acesso em: 25 nov. 2017.

CORRÊA H. FERMANDA. Diabetes Mellitus tipo 2 na criança e no adolescente. Adolescência & Saúde, v.01, n.2, jun. 2004.

Milech, Adolfo et al. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes (2015-2016). São Paulo: A.C. Farmacêutica, 2016.

FALUD, A. A. et al. Atualização da diretriz brasileira de dislipidemias e prevenção da aterosclerose – 2017. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 109, n. 2 (supl. 1), 2017.

GABBAY, M., CESARINI, R. P.; DIB, A. S. Diabetes Mellitus do tipo 2 na infância e adolescência: revisão da literatura. Jornal de Pediatria, v. 79, n. 3, 2003.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Disponível em:<https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ms/coxim/panorama>. Acesso em: 25 nov. 2017.

INTERNATIONAL DIABETES FEDERATION. Disponível em: <http://www.idf.org>. Acesso em: 5 mar. 2015.

MENEZES et al. Diabetes Mellitus e fatores associados em idosos residentes em Campina Grande, Paraíba. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., v. 17, n. 4, 2014.

MORAES A. S.; CHECCHIO V. M.; FREITAS M. C. I. Dislipidemia e fatores associados em adultos residentes em Ribeirão Preto, SP. Resultados do Projeto EPIDCV. Arq Bras Endocrinol Metab. v. 57, n. 9, 2013.

OPAS – Organização Pan-Americana de Saúde. Doenças cardiovasculares. 2016. Disponível em: <http://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5253:doencas-cardiovasculares&Itemid=839>. Acesso em: 27 nov. 2017.

PEREIRA, R. A relação entre dislipidemias e Diabetes Mellitus tipo 2. Cadernos UniFOA, v. 17, dez. 2011.

PINHO, L. et al. Hipertensão e dislipidemias em pacientes Diabetes Mellitus tipo2: uma revisão integrativa. Renome: Revista Norte Mineira de Enfermagem. v. 4, n. 1, 2015.

PNS – Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Percepção do estado de saúde, estilo de vida e doenças crônicas: Brasil, Grandes regiões e unidades da federação. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv91110.pdf>. Acesso em: 25 nov. 2017.

SBD – Sociedade Brasileira de diabetes. Diabetes tipo 2. Disponível em: <http://www.diabetes.org.br/publico/diabetes-tipo-2>. Acesso em: 25 nov. 2017.

SCHOFIELD, J. D. et al. Diabetes Dyslipidemia. Diabetes Ther. v. 7, p. 203-219, 2016.

VIEGAS, K. Prevalência de Diabete Mellitus na população de idosos de Porto Alegre e suas características sociodemográficas e de saúde. 2009. 197f. Tese (Doutorado em Gerontologia Biomédica) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

Publicado
2018-02-12
Seção
Artigos Originais