FAMÍLIAS NO CUIDADO À SAÚDE DE PESSOAS COM TRANSTORNO MENTAL: REFLEXOS DO MODELO DE ASSISTÊNCIA

Palavras-chave: Enfermagem, Saúde mental, Família, Cuidados de enfermagem

Resumo

O objetivo deste estudo foi conhecer as necessidades de cuidado em saúde mental de familiares e pessoas com transtorno mental que participam de um projeto de extensão universitária. Trata-se de uma pesquisa-ação desenvolvida em Curitiba, Paraná, Brasil, com seis pessoas com transtorno mental e sete familiares. A coleta dos dados foi por meio de entrevista semiestruturada individual e seminários educativos. Os dados foram categorizados pela análise temática. Os resultados apontaram que a família e a pessoa com transtorno mental precisam receber orientações e suporte para que possam reorganizar e reordenar seus papéis diante desta realidade. Isso equivale à pessoa doente ser cuidada e respeitada pelos profissionais que trabalham na área da saúde, bem como a receber informações para o enfrentamento deste transtorno. Desta forma, considera-se necessária a criação de espaços de cuidado na comunidade para que estas pessoas possam ser acolhidas e orientadas.

Biografia do Autor

Tatiana Brusamarello, Universidade Federal do Paraná
Enfermeira. Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Brasil.
Mariluci Alves Maftum, Universidade Federal do Paraná
Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente Adjunto da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Coordenadora do Programa de Iniciação Científica da UFPR. Docente do PPGENF/ UFPR. Vice-líder do Nepeche, Brasil.
Camila Bonfim de Alcantara, Universidade Federal do Paraná
Bolsista de Iniciação Científica CNPq. Membro do Núcleo de Estudos, Pesquisa e Extensão em cuidado humano em Enfermagem (Nepeche), Brasil.
Fernanda Carolina Capistrano, Universidade Federal do Paraná.
Enfermeira. Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Paraná. Membro do Núcleo de Estudos, Pesquisa e Extensão em Cuidado Humano em Enfermagem (Nepeche), Brasil.
Ângela Gonçalves da Silva Pagliace, Universidade Federal do Paraná
Enfermeira. Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Paraná. Membro do Núcleo de Estudos, Pesquisa e Extensão em Cuidado Humano em Enfermagem (Nepeche), Brasil.

Referências

AMARANTE, P. Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2007.

ASSUNÇÃO, C. F. D. et al. A Enfermagem e o relacionamento com os cuidadores dos portadores de esquizofrenia. Rev enferm cent-oeste min, Divinópolis, v.1, n.6, p.2034-2051, jan-apr 2016. Disponível em: <http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/709/1011>. Acesso em: 03 maio 2017.

BORBA, L. O. et al. Tratamento no modelo hospitalocêntrico: percepções de familiares e portadores de transtorno mental. Rev enferm UERJ, Rio de Janeiro, v.23, n.1, p.88-94, jan-fev 2015. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2015.4689>. Acesso em: 03 maio 2017.

BRISCHILIARI, A. et al. Concepção de familiares de pessoas com transtorno mental sobre os grupos de autoajuda. Rev. Gaúcha Enferm, Porto Alegre, v. 35, n. 3, p. 29-35, 2014. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2014.03.41015>. Acesso em: 03 maio 2017.

CAMPANA, M. C.; SOARES, M. H. Familiares de pessoas com esquizofrenia: sentimentos e atitudes frente ao comportamento agressivo. Cogitare Enferm, Curitiba, v. 20, n. 2, p. 338-344, 2015. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.5380/ce.v20i2.40374>. Acesso em: 03 maio 2017.

FARIAS, C. A. et al. Sobrecarga em cuidadores de usuários de um centro de atenção psicossocial infanto-juvenil no sul do Brasil. Ciênc saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 12, p. 4819-4827, 2014. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=63032604022>. Acesso em: 03 maio 2017.

FERNANDES, M. A. et al. Transtorno afetivo bipolar, episódio atual maníaco com sintomas psicóticos e o cuidar de enfermagem. Rev enferm UFPE on line, Recife, v. 10, n. 2, p. 669-674, 2016. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/view/7544/pdf_9651. Acesso em: 03 maio 2017.

GUIMARÃES, A. N. et al. Mudanças na atenção à saúde mental decorrentes de reforma psiquiátrica: percepções de profissionais de enfermagem. Cienc Cuid Saude, Maringá, v. 14, n. 1, p. 830-838, 2015. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v14i1.22187>. Acesso em: 03 maio 2017.

HANSEN, N. F. et al. A sobrecarga de cuidadores de pacientes com esquizofrenia: uma revisão integrativa da literatura. Rev eletrônica enf, Goiania, v. 16, n. 1, p. 220-227, 2014. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.5216/ree.v16i1.20965>. Acesso em: 03 maio 2017.

JÚNIOR, J. M. P. et al.Reforma psiquiátrica e transtornos mentais na estratégia saúde da família: opinião de familiares e profissionais. Cienc Cuid Saude, Maringá, v. 13, n. 2, p. 271-277, 2014. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v13i2.19402>. Acesso em: 03 maio 2017.

KEBBE, L. M. et al. Cuidando do familiar com transtorno mental: desafios percebidos pelos cuidadores sobre as tarefas de cuidar. Saúde debate, Londrina, v.38, n.102, p.494-505, 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/0103-1104.20140046. Acesso em: 03 maio 2017.

MELMAN, J. Família e doença mental. 2. ed. São Paulo: Escrituras; 2006.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

NASCIMENTO, K. C. et al. O desafio familiar no cuidado às pessoas acometidas por transtorno mental. Rev enferm. UFPE on line, Recife, v.10, n.3, p.940-948, 2016. Disponível em: <10.5205/reuol.8702-76273-4-SM.1003201601>. Acesso em: 02 mar. 2017.

SANTOS, Q. G. et al. Os serviços de saúde mental na reforma psiquiátrica brasileira sob a ótica familiar: uma revisão integrativa. Rev pesqui cuid fundam, Rio de Janeiro, v.8, n.1, p.3740-3757, 2016. Disponível em: <10.9789/2175-5361.2016.v8i1.3740-3757>. Acesso em: 25 mar. 2017.

SILVA, N. S. et al. Conhecimento dos coordenadores de centros de atenção psicossocial sobre política nacional de saúde mental. Cienc Cuid Saude, Maringá, v.14, n.2, p.1106-1114, 2015. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v14i2.21666>. Acesso em: 16 abr. 2017.

SINIAK, D. S.; PINHO, L. B. Caracterização do apoio de informação recebido por familiares de usuários de crack. Cienc Cuid Saude, Maringá, v.14, n.30, p.1339-1345, 2015. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v14i3.26019>. Acesso em: 08 maio 2017.

SUGUYAMA, P. et al. Desvelando a vivência da equipe multiprofissional no cuidar do paciente esquizofrênico. Revista Saúde e Pesquisa, Maringá, v.9, n.1, p.65-71, 2016. Disponível em: <http://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/saudpesq/article/view/4574/2750>. Acesso em: 18 maio 2017.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 15. ed. São Paulo: Cortez; 2011.

Publicado
2018-02-12
Seção
Artigos Originais