PRODUÇÃO DE MAMOGRAFIAS NO ÂMBITO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

  • Franciely Santos Kuhn
  • Amália Ivine Costa Santana
  • Magno Conceição das Mercês
Palavras-chave: Mamografia, Sistema Único de Saúde, Câncer de mama

Resumo

Entre as modalidades de atenção previstas para o controle do câncer de mama está a detecção precoce pela realização de mamografia. O objetivo do estudo foi caracterizar segundo informações das usuárias e do exame a produção de mamografias no âmbito do Sistema Único de Saúde. Trata-se de estudo transversal descritivo acerca dos registros das mamografias realizadas no território brasileiro entre 2009 e 2014, cujas informações constavam no Sistema de Informação do Controle do Câncer de Mama. Ficou evidenciada baixa cobertura na região Norte do Brasil. Observou-se percentual maior de realização para as mulheres brancas e que tinham ensino fundamental incompleto. Em relação às categorias do Breast Imaging Reporting and Data System, os achados benignos foram os mais recorrentes entre as mulheres brasileiras. A recomendação de conduta mais frequente foi realização de mamografia em dois anos. O conhecimento de variáveis sociodemográficas no rastreamento de câncer de mama pode identificar grupos populacionais de risco para a realização de tal prática.

Biografia do Autor

Franciely Santos Kuhn
Tecnóloga em Radiologia.
Amália Ivine Costa Santana
Enfermeira. Mestra em Saúde Coletiva. Docente na Faculdade Estácio Feira de Santana, Brasil.
Magno Conceição das Mercês
Biólogo. Enfermeiro. Mestre em Saúde Coletiva. Docente da Universidade Estadual da Bahia (UNEB), Brasil

Referências

Zeitune MM, Faria JCNM, Cruz AHS, Reis AAS, Santos RS. Relações genéticas e medidas socioeducativas para a prevenção dos carcinomas mamários. Saude e pesqui., 2013;6(2):287-93.

Instituto Nacional de Câncer. Incidências de câncer no Brasil. Estimativa 2016. [acesso em 05 de maio de 2017]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/estimativa/2016/sintese-de-resultados-comentarios.aspv.

Souza, FFS. (Vi)vendo e aprendendo: estudo com mulheres idosas sobre a prevenção do câncer de mama e colo de útero. Rio de Janeiro: Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa, Universidade Federal Fluminense, 2016. Trabalho de Conclusão de Curso em Enfermagem e Licenciatura.

Gonçalves J, Siqueira ASE, Rocha IGA, Lima EFF, Alves LS, Silva BO, et al. Evolução histórica das politicas para o controle do câncer de mama no Brasil. Rev. saúde coletiva e bioética. 2016;8(1):1-23.

Brasil. Lei nº11.664/08 de 29/04/2008. Dispõe sobre a efetivação de ações de saúde que assegurem a prevenção, a detecção, o tratamento e o seguimento dos canceres do colo uterino e de mama, no âmbito do sistema único de saúde SUS. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 29 abr 2008.

Santos SBL, Koch HA. Análise do Sistema de Informação do Programa de Controle do Câncer de Mama (SISMAMA) mediante avaliação de 1.000 exames nas cidades de Barra Mansa e Volta Redonda. Radiol Bras. 2010;43(5):295-301.

Brasil. Portaria nº 779 de 31/12/2008. Define como sistema de informação oficial do Ministério da Saúde, a ser utilizado para o fornecimento dos dados informatizados dos procedimentos relacionados ao rastreamento e a confirmação diagnóstica do câncer de mama, o Sistema de Informação do Controle do Câncer de Mama (SISMAMA). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 02 jan 2009.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2011 [acesso em 27 mar 2005]. Disponível em: http:www.ibge.gov.br

Oliveira, EXG de; Pinheiro, RS; Melo, ECP; Carvalho, MS.Condicionantes socioeconômicos e geográficos do acesso à mamografia no Brasil, 2003-2008. Ciênc. saúde coletiva, 2011;16(9):3649-64.

Xavier DR, Oliveira RAD, Matos VP, Viacava F, Carvalho CC. Cobertura de mamografias, alocação e uso de equipamentos nas Regiões de Saúde. Saúde debate, 2016;40(110):20-35.

Viacava F, Bellido JG. Health, access to services and sources of payment, according to household surveys. Ciênc. saúde coletiva, 2016;21(2):351-70.

Ohl ICB, Ohl RIB, Chavaglia SRR, Goldman RE. Ações públicas para o controle do câncer de mama no Brasil: revisão integrativa. Rev. Bras. Enferm. 2016;69(4):793-803.

Lages RB, Oliveira GP, Simeão Filho VM, Nogueira FM, Teles JBM, Vieira SC. Desigualdades associadas à não realização de mamografia na zona urbana de Teresina-Piauí-Brasil, 2010-2011. Rev. bras. epidemiol, 2012;15(4):737-47.

Ribeiro MCSA, Barata RB, Almeida MF de, Silva ZP. Perfil sociodemográfico e padrão de utilização de serviços de saúde para usuários e não-usuários do SUS - PNAD 2003. Ciênc. saúde coletiva, 2006;11(4):1011-1022.

Mazon LM, Negrelli MH. Satisfação dos usuários frente ao sistema único de saúde. Saúde Rev., 2016;16(43):45-51.

Chor D, Oliveira EXG, Melo ECP, Pinheiro RS, Carvalho MS. Desigualdade socioeconômica afeta a chance de realizar mamografia no Brasil. CMDSS 2011. [acesso em 05 de maio de 2016]. Disponível em: http://cmdss2011.org/site/wp-content/uploads/2011/10/CMDSS-1110.1v1.pdf

Brasil. Lei n° 719/07, Art. 1º. 28/12/2007. Incluir o campo Raça/Cor, nos Sistemas de Informação Ambulatorial e Hospitalar-(SIA/SIH/SUS), para efetivação do registro nos instrumento de coleta de dados de identificação do usuário do SUS. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 29 dez 2007.

Malta DC, Moura L, Bernal RTI. Differentials in risk factors for chronic non-communicable diseases from the race/color standpoint. Ciênc. saúde coletiva. 2015;20( 3):713-25.

Santos GD dos, Chubaci RYS. O conhecimento sobre o câncer de mama e a mamografia das mulheres idosas frequentadoras de centros de convivência em São Paulo (SP, Brasil). Ciênc. saúde coletiva. 2011;16(5):2533-40.

Zimmermmann JB, Lima LM, Rabelo MV, Rabello PC, Martins RT, Peixoto TAG et al. Avaliação clínica, mamográfica e frequência de doenças mamárias em pacientes de um serviço privado de saúde. Clinical & Biomedical Research. 2012;32(2):131-7.

Instituto Nacional de Câncer [homepage na internet]. Informações para o avanço das ações de prevenção do câncer de mama no Brasil. [acesso em 15 de junho de 2017]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/inca/Sismama.pdf.

Prado GLM, Guerra MTPM. Valor preditivo positivo das categorias 3, 4 e 5 do BreastImagingReportingand Data System (BI-RADS®). Radiol Bras. 2010;43(3):171-4.

Vieira AV, Toigo FT. Classificação BI-RADS™: categorização de 4.968 mamografias. Radiol Bras. 2002;35(4):205-8.

Vasconcelos RG, Uemura R, Schirmbeck T, Vieira KM. Ultrassonografia mamária: aspectos contemporâneos. Com. Ciências Saúde, 2011;22(Sup 1):129-40.

Publicado
2018-08-30
Seção
Artigos Originais