DESENVOLVIMENTO DE UM PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE PARA TRABALHADORES ADMINISTRATIVOS

  • José Adolfo Menezes Garcia Silva Universidade de São Paulo
  • Tássia Tamy Hirono Hotta Universidade Federal do Triângulo Mineiro
  • Thiago Henrique da Silva Universidade de São Paulo
  • Maria Helena Morgani de Almeida Universidade de São Paulo
  • Fátima Aparecida Caromano Universidade de São Paulo http://orcid.org/0000-0003-4235-2138
Palavras-chave: Trabalho, Qualidade de vida, Saúde do trabalhador, Modalidades de fisioterapia.

Resumo

Este estudo objetivou aplicar um programa educacional e intervencional de fisioterapia visando melhorias na qualidade de vida de funcionários administrativos. Participou do estudo um grupo de 13 funcionários, avaliados pelo questionário SF-36, pelo o índice de incapacidade de Oswestry e pelo acompanhamento do desempenho durante as atividades físicas. O protocolo de intervenção foi composto por atividades físicas, aulas ministradas por profissionais da saúde e atividades sociais-recreacionais, que ocorreram ao longo de dois meses. Também foram realizadas orientações ergonômicas de posto de trabalho, de forma individualizada. A análise estatística foi realizada por meio do programa GraphPadPrism®. Foi encontrada diferença significativa (p=0,03) entre a pontuação inicial média obtida no SF-36, com melhorias pronunciadas nos domínios “Vitalidade” (p<0,01) e “Aspectos sociais” (p=0,05). O programa de promoção de saúde incrementou a qualidade de vida dos trabalhadores, com desenvolvimento de qualidades físicas e aspectos sociais. A orientação profissional foi fundamental neste processo. O programa possibilitou maior conhecimento sobre saúde e incentivo à prática de atividades físicas.

Biografia do Autor

José Adolfo Menezes Garcia Silva, Universidade de São Paulo
Mestre em Desenvolvimento Humano e Tecnologias, pela Universidade Estadual Paulista, Brasil.
Tássia Tamy Hirono Hotta, Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Graduada em Fisioterapia, pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Brasil.
Thiago Henrique da Silva, Universidade de São Paulo
Fisioterapeuta. Programa de Pós-graduação em Ciências da Reabilitação da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), Brasil.
Maria Helena Morgani de Almeida, Universidade de São Paulo
Doutora, Docente Doutora do Curso de Terapia Ocupacional da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e Docente do Programa de Pós-graduação em Ciências da Reabilitação da FMUSP, Brasil.
Fátima Aparecida Caromano, Universidade de São Paulo
Doutora, Docente Doutora do Curso de Fisioterapia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e Docente do Programa de Pós-graduação em Ciências da Reabilitação da FMUSP, Brasil.

Referências

AKKARAKITTICHOKE, N.; JANWANTANAKUL, P. Seat Pressure Distribution Characteristics During 1 Hour Sitting in Office Workers With and Without Chronic Low Back Pain. Safety and health at work, 2017.

ALVES, D. C.; DOMINGUEZ UGÁ, M. A.; PORTELA, M. C. Promoção da saúde, prevenção de doenças e utilização de serviços: avaliação das ações de uma operadora de plano de saúde brasileira. Cadernos Saúde Coletiva, v. 24, n. 2, 2016.

BARROS, S. S.; ANGELO, R. C. O.; UCHOA, E. P. B. L. Lombalgia ocupacional e a postura sentada. Rev. dor, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 226-230, Sept. 2011.

BRASIL.Política Nacional de Promoção da Saúde. Revisão da Portaria MS/GM nº 687, de 30 de março de 2006. Secretaria de Vigilância à Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Ministério da Saúde, 2014.

BRETLAND, R. J.; THORSTEINSSON, E. B. Reducing workplace burnout: The relative benefits of cardiovascular and resistance exercise. PeerJ, v. 3, p. e891, 2015.

BURGARD, S. A.; LIN, K. Y. Bad jobs, bad health? How work and working conditions contribute to health disparities. American Behavioral Scientist, v. 57, n. 8, p. 1105-1127, 2013.

CICONELLI, R. M. et al. Brazilian-Portuguese version of the SF-36. A reliable and valid quality of life outcome measure. Rev Bras Reumatol, v. 39, n. 3, p. 143-50, 1999.

D’ANGELO, S. et al. Job dissatisfaction and the older worker: baseline findings from the Health and Employment After Fifty study. Occup Environ Med, v. 73, n. 8, p. 512-519, 2016.

D’ETTORRE, G.; GRECO, M. Healthcare work and organizational interventions to prevent work-related stress in Brindisi, Italy. Safety and health at work, v. 6, n. 1, p. 35-38, 2015.

DEL POZO-CRUZ, B. et al. An occupational, internet-based intervention to prevent chronicity in subacute lower back pain: a randomised controlled trial. Journal of rehabilitation medicine, v. 44, n. 7, p. 581, 2012.

ELLIOTT, K; SHELLEY, K. Impact of employee assistance programs on substance abusers and workplace safety. Journal of Employment Counseling, v. 42, n. 3, p. 125-132, 2005.

FAIRBANK, J. C. et al. The Oswestry low back pain disability questionnaire. Physiotherapy, v. 66, n. 8, p. 271-273, 1980.

FISKER, A. et al. Early coordinated multidisciplinary intervention to prevent sickness absence and labour market exclusion in patients with low back pain: study protocol of a randomized controlled trial. BMC musculoskeletaldisorders, v. 14, n. 1, p. 93, 2013.

FREITAS, K. P. N. et al. Occupational low back pain and postural in the sitting position: labor kinesiotherapy. Rev. dor, São Paulo, v. 12, n. 4, p. 308-313, Dec. 2011.

FRESE, E. M.; FICK, A.; SADOWSKY, H. S. Blood pressure measurement guidelines for physical therapists. Cardiopulmonary physical therapy journal, v. 22, n. 2, p. 5, 2011.

GANESAN, S. et al. Prevalence and Risk Factors for Low Back Pain in 1,355 Young Adults: A Cross-Sectional Study. Asian Spine Journal, v. 11, n. 4, p. 610-617, 2017.

GOUVEIA, N. et al. Prevalence and social burden of active chronic low back pain in the adult Portuguese population: results from a national survey. Rheumatologyinternational, v. 36, n. 2, p. 183-197, 2016.

HENSCHKE, N.; KAMPER, S. J.; MAHER, C. G. The epidemiology and economic consequences of pain. In: Mayo Clinic Proceedings. Elsevier, 2015. p. 139-147.

HENSCHKE, N. et al. Understanding cultural influences on back pain and back pain research. Best Practice & Research Clinical Rheumatology, 2017.

LUCKHAUPT, S. E. et al. Prevalence of obesity among US workers and associations with occupational factors. American journal of preventive medicine, v. 46, n. 3, p. 237-248, 2014.

MALTA, D. et al. Política Nacional de Promoção da Saúde, descrição da implementação do eixo atividade física e práticas corporais, 2006 a 2014. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, v. 19, n. 3, p. 286, 2014.

MASSELLI, M. R. et al. Índice Funcional de Oswestry após cirurgia para descompressão de raízes nervosas. FisioterMov, v. 20, n. 1, p. 115-22, 2007.

JUNG J.et al.Association between working time quality and self-perceived health: analysis of the 3rd Korean working conditions survey (2011). Annals of Occupational and Environmental Medicine, v. 29, n. 1, p. 55, 2017.

JUNIO, J. F. V. et al. Tecnologia X Saúde: Estudo Sobre a Ocorrência de Lesões Musculoesqueléticas em Universitários Usuários de Notebooks. Saúde e Pesquisa, v. 8, n. 1, p. 63-70, 2015.

KIM, Y.; PARK, J.; PARK, M. Creating a culture of prevention in occupational safety and health practice. Safety and health at work, v. 7, n. 2, p. 89-96, 2016.

MUNRO, B. H. Statistical methods for health care research. Lippincott Williams & Wilkins, v. 1, 2005.

PEREIRA M. S. et al. A Relação entre as condições de trabalho e saúde dos estudantes trabalhadores. Saúde e Pesquisa, v. 9, n. 3, p. 525-535, 2017.

RUTANEN, R. et al. Effect of physical exercise on work ability and daily strain in symptomatic menopausal women: a randomized controlled trial. Work, v. 47, n. 2, p. 281-286, 2014.

SEIDL, E. M. F.; ZANNON, C. M. L. C. Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 580-588, Apr. 2004.

SHOJAEI, S. et al. A Multidisciplinary Workplace Intervention for Chronic Low Back Pain among Nursing Assistants in Iran. Asian spine journal, v. 11, n. 3, p. 419-426, 2017.

TUNG, C. et al. An analysis of healthy workplace accreditation and health promotion efforts based on employees’ perspectives. Archives of Environmental & Occupational Health, p. 1-8, 2017.

VIGATTO, R. et al. Development of a Brazilian Portuguese version of the Oswestry Disability Index: cross-cultural adaptation, reliability, and validity. Spine, v. 32, n. 4, p. 481-486, 2007.

WAONGENNGARM, P.; RAJARATNAM, B. S.; JANWANTANAKUL, P. Perceived body discomfort and trunk muscle activity in three prolonged sitting postures. Journal of physical therapy science, v. 27, n. 7, p. 2183-2187, 2015.

WARE JR, J. E.; SHERBOURNE, C. D. The MOS 36-item short-form health survey (SF-36): I. Conceptual framework and item selection. Medical care, p. 473-483, 1992.

YORKS, D. M.; FROTHINGHAM, C. A.; SCHUENKE, M. D. Effects of Group Fitness Classes on Stress and Quality of Life of Medical Students. The Journal of the American Osteopathic Association, v. 117, n. 11, p. e17, 2017

ZENK, R. et al. Spine loading in automotive seating. Applied ergonomics, v. 43, n. 2, p. 290-295, 2012.

Publicado
2018-02-12
Seção
Artigos Originais