PERCEPÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DE UNIVERSITÁRIOS SOBRE O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

Palavras-chave: Sistema Único de Saúde, Compreensão, Conscientização, Estudantes.

Resumo

O objetivo desse estudo foi avaliar a percepção dos acadêmicos participantes do Programa de Educação Tutorial (PET) da Universidade Estadual de Maringá (UEM) sobre o Sistema Único de Saúde (SUS) e elucidá-los sobre os serviços disponibilizados pelo sistema, bem como seus direitos e deveres enquanto usuários. Um questionário semiestruturado foi aplicado e simultaneamente desenvolveu-se um processo de conscientização dos acadêmicos sobre a importância e funções do sistema para o Brasil por meio de dinâmicas e debates. Ao final do processo de conscientização, 97,97% dos petianos afirmaram ser usuário do SUS, comparado aos 72,97% que inicialmente declararam fazer uso do sistema. O conhecimento dos acadêmicos do PET-UEM sobre o SUS, embora satisfatório, é ainda limitado e carece de informações a respeito dos direitos e deveres enquanto usuários, sendo influenciado pela perspectiva midiática.

Biografia do Autor

Karla Larissa Trassi Ganaza, Universidade Estadual de Maringá (UEM).
Acadêmica de Biomedicina pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) - Centro de Ciências da Saúde - Departamento de Análises Clínicas e Biomedicina - Maringá, Paraná, Brasil.
Patricia Alexandra da Silva Saavedra Romão, Universidade Estadual de Maringá (UEM).
Acadêmica de Biomedicina pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) - Centro de Ciências da Saúde - Departamento de Análises Clínicas e Biomedicina - Maringá, Paraná, Brasil.
Renato Marques Domingues, Centro Universitário de Maringá (UNICESUMAR).
Acadêmico de Odontologia pelo Centro Universitário de Maringá (UNICESUMAR) - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - Maringá, Paraná, Brasil.
Jorge Juarez Vieira Teixeira, Universidade Estadual de Maringá (UEM).
Doutorado em Saúde Pública pela USP (2003) e Pós-Doutorado pela USP (2012). Atualmente é docente no Departamento de Análises Clínicas e Biomedicina pela Universidade Estadual de Maringá (Maringá, Paraná, Brasil).
Izabel Galhardo Demarchi, Universidade Estadual de Maringá (UEM).
Doutorado em Ciências da Saúde pela UEM (2015). Atualmente é docente no Departamento de Análises Clínicas e Biomedicina pela Universidade Estadual de Maringá (Maringá, Paraná, Brasil).

Referências

ASCARI, R. A.e t al. Estratégia Saúde da Família: automedicação entre os usuários. Rev. UningáReview, v. 18, n. 2, p.42-47, 2014. Disponível em: <https://www.mastereditora.com.br/periodico/20140501_121413.pdf>. Acesso em: 20 mar. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Carta dos direitos dos usuários da saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2011 (Série E. Legislação de Saúde).

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes nacionais para o processo de educação permanente no controle social do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2006 (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Para entender o Controle Social na Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Legislação em saúde: caderno de legislação em saúde do trabalhador. Brasília: Ministério da Saúde, 2005 (Série E. Legislação de Saúde).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Diretrizes operacionais dos Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão. Brasília: Ministério da Saúde, 2006 (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. ANVISA: Institucional. Disponível em:<http://portal.anvisa.gov.br/institucional>. Acesso em: 28 fev. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de educação superior. Programa de Educação Tutorial (PET): manual de orientações básicas. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=338-manualorientabasicas&category_slug=pet-programa-de-educacao-tutorial&Itemid=30192> . Acesso em: 28 fev. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Conselhos de saúde: a responsabilidade do controle social democrático do SUS. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/conselhos_saude_responsabilidade_controle_2edicao.pdf>. Acesso em 05 jan. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Pacto pela Saúde. Disponível em: <http://conselho.saude.gov.br/webpacto/index.htm>. Acesso em: 24 jun. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Estratégia Saúde da Família. Disponível em: <http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_esf.php>. Acesso em: 23 fev. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Programa Academia da Saúde. Disponível em: <http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_academia_saude.php>. Acesso em: 28 fev. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Programa Farmácia Popular do Brasil. Disponível em: <http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/sctie/farmacia-popular>. Acesso em: 20 mar. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Programa Nacional de Imunizações: O que é. Disponível em: <http://portalarquivos.saude.gov.br/campanhas/pni/o-que-e.html>. Acesso em: 22 fev. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Vigilância em Saúde Ambiental. Disponível em: <http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/svs/vigilancia-ambiental>. Acesso em: 28 fev. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Sistema único de Saúde (SUS): princípios e conquistas. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/sus_principios.pdf>. Acesso em: 24 jun. 2015.

BUSANA, J. A. et al. Participação popular em um conselho local de saúde: limites e potencialidades. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, v. 24, n. 2, p. 442-9, 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/tce/v24n2/pt_0104-0707-tce-24-02-00442.pdf>. Acesso em: 04 dez. 2017.

BISPO JÚNIOR, J. P.; Gerschman, S. Ciênc. saúde coletiva, v. 18, n. 1, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232013000100002>. Acesso em: 02 dez. 2017.

DOMINGUES, P. H. F. et al. Prevalência da automedicação na população adulta do Brasil: revisão sistemática. Rev Saúde Pública, 2015. Disponível em: <http://www.journals.usp.br/rsp/article/view/101891/100359>. Acesso em: 02/12/2017.

EMERICH, T. B. et al. Necessidades de saúde e direito à comunicação em tempos de midiatização. Rev Eletron Comun Inf Inov Saúde, v. 10, n. 4, 2016. Disponível em: . Acesso em: 02 dez. 2017.

LAVOR, A. et al. O SUS que não sevê. Radis, Rio de Janeiro, n. 104, p. 9-17, 2011.Disponível em: <http://www6.ensp.fiocruz.br/radis/sites/default/files/104/radis-104.pdf>. Acesso em: 24 jun. 2015.

OLIVEIRA, V. C. A comunicação midiática e o Sistema Único de Saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v. 4, n. 7, p. 71-80, 2000. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/icse/v4n7/06.pdf>. Acesso em: 24 jun. 2015.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Atividade Física. Disponível em: <http://www.who.int/dietphysicalactivity/media/en/gsfs_pa.pdf>. Acesso em: 22 fev. 2017.

ROLIM, L. B. et al. Participação popular e o controle social como diretriz do SUS: uma revisão narrativa. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 37, n. 96, p. 139-147, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v37n96/16.pdf>. Acesso em: 02 dez. 2017.

SATO, A. P. S. Programa Nacional de Imunização: Sistema Informatizado como opção a novos desafios. Rev Saúde Pública, 2015. Disponível em: <http://www.periodicos.usp.br/rsp/article/view/101899/100367>. Acesso em: 02 dez. 2017.

SOUZA, P. S. et al.Abordagem interdisciplinar de educação em saúde: a prática da automedicação entre universitários. Rev. de Pesquisa Interdisciplinar, v. 1, p. 106-13, 2016. Disponível em: <http://revistas.ufcg.edu.br/cfp/index.php/pesquisainterdisciplinar/article/view/74>. Acesso em: 22 fev. 2017.

TEIXEIRA, S. A. Avaliação dos usuários sobre o Programa de Saúde da Família em Vitória da Conquista – Bahia – Brasil. Brasília: Organização Pan Americana de Saúde, 2004.

VILARINO, J. F. et al. Perfil de automedicação em município do sul do Brasil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 32, n. 1, p. 43-49, 1998. Disponível em:<http://www.revistas.usp.br/rsp/article/view/24342/26266>. Acesso em: 22 fev. 2017.

Publicado
2018-02-12
Seção
Artigos Originais