DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE SÍFILIS DURANTE A GESTAÇÃO: DESAFIO PARA ENFERMEIRAS?

  • Isadora Machado Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA
  • Victória Agna Nascimento da Silva Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA
  • Renata Martins da Silva Pereira Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA
  • Cristiane Gorgati Guidoreni Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA
  • Mariane de Paula Gomes Centro Universitário de Volta Redonda (UniFOA)
Palavras-chave: Sífilis, Saúde da mulher, Atenção básica, Pré-natal

Resumo

Identificar dificuldades ou facilidades que enfermeiras (os) encontram para realizar o tratamento da sífilis na gestante e em seus parceiros sexuais. Pesquisa exploratória, descritiva e qualitativa. Participaram 29 enfermeiras que atuam em Unidades Básicas de Saúde e responderam a um questionário. A maioria (86%) das enfermeiras realiza o teste rápido, recruta parceiros sexuais das gestantes para realizar o teste e 62% responderam que administram penicilina benzatina na própria unidade para o tratamento; a oferta do teste rápido na própria unidade e a agilidade de retorno do resultado do exame foram relatadas como principais facilidades encontradas; as dificuldades foram a adesão do parceiro ao tratamento seguido da falta de comprometimento da gestante para seguir o tratamento. O objetivo foi alcançado e ainda são necessários avanços no tratamento da sífilis a ser realizado pela enfermeira na totalidade dos casos, no que diz respeito à prescrição da penicilina e seu uso nas UBS, e no acolhimento do casal para controle da sífilis na gestação.

Biografia do Autor

Isadora Machado, Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA
Acadêmica de Enfermagem do Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA
Victória Agna Nascimento da Silva, Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA
Acadêmica de Enfermagem do Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA
Renata Martins da Silva Pereira, Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA
Docente do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de Volta Redonda (UniFOA). Doutoranda em Enfermagem e Biociências - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) Lattes:http://lattes.cnpq.br/1220970752309432
Cristiane Gorgati Guidoreni, Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA
Docente do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de Volta Redonda (UniFOA). Doutora em Ciências Universidade Federal de São Paulo (2009) Lattes:http://lattes.cnpq.br/8862972045253452
Mariane de Paula Gomes, Centro Universitário de Volta Redonda (UniFOA)
Docente do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de Volta Redonda (UniFOA). Mestre em Ensino de Ciências da Saúde e Meio Ambiente (UniFOA)

Referências

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para prevenção da transmissão vertical de hiv, sífilis e hepatites virais. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Ministério da Saúde (BR). Departamento de DST, Aids e hepatites viras. Boletim epidemiológico sífilis 2016.[acesso em 2017 Mar 05] Disponível em: http://www.aids.gov.br/system/tdf/pub/2016/59222/2016_030_sifilis_publicao2_pdf_51905.pdf?file=1&type=node&id=59222&force=1.

França IFX, Batista JDL, Coura AS, Oliveira CF, Araújo AKF, Sousa FS. Fatores associados à notificação da sífilis congênita: um indicador de qualidade da assistência pré-natal. Rev Rene. 2015;16(3):374-81.

Martins KMC, Silva MAM, Albuquerque IMAN , Aquino PS, Linhares MSC. O discurso dos enfermeiros sobre assistência pré-natal de gestantes com sífilis. CIAIQ. 2016;2:1426-35.

Kuznik A, Habib AG, Manabe YC,Lamorde M. Estimating the public health burden associated with adverse pregnancy outcomes resulting from syphilis infection across 43 countries in sub-Saharan Africa. Sex Transm Dis, Bethesda, July. 2015. [acesso em 2017 Out 02]. Disponível em:https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26222749.

Conselho Federal de Enfermagem. Nota Técnica COFEN/CTLN Nº03/2017. Brasilia, 14 Jun. 2017. [acesso em 2017 Out 02]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2017/06/NOTA-T%C3%89CNICA-COFEN-CTLN-N%C2%B0-03-2017.pdf.

Siqueira AM, Siqueira WL, Rodrigues FSM, Errante PR, Ferraz RRN. Sífilis em gestantes atendidas em unidades de saúde da região metropolitana do município de São Paulo - SP: um estudo qualitativo de casos múltiplos. Atas Cienc Saude. 2016;4(2):31-46. [acesso em 2017 Set 15]. Disponível em: http://www.revistaseletronicas.fmu.br/index.php/ACIS/article/view/1109.

Santos VC, ANJOS KF. Sífilis: uma realidade prevenível. Sua erradicação, um desafio atual. Saúde e Pesqui. 2009;2(2):257-63. [acesso em 2017 Out 02]. Disponível em: http://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/saudpesq/article/view/1027.

Vasconcelos M, Guimarães R, Magalhães A, Oliveira K, Linhares M, Albuquerque I, et al. Estratégias e Desafios dos Enfermeiros da Atenção Básica para o Tratamento Simultâneo da Sífilis. CIAIQ. 2016;2: 1584-92.

Publicado
2018-08-30
Seção
Artigos Originais