SAÚDE MASCULINA: O PARALELO PREVENÇÃO X CUIDADO À LUZ DA TEORIA DA AÇÃO PLANEJADA (TAP)

  • Jéssica Bazilio Chaves
  • Maria Lúcia Vicente da Silva
  • Daniela Santos Bezerra
  • Sheyla C. S. Fernandes Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Professora Adjunta.
  • Emanuel Duarte de Almeida Cordeiro
Palavras-chave: Saúde masculina, Atitude, Atenção primária à saúde

Resumo

Este estudo teve como objetivo avaliar a intenção de homens, entre 25 e 59 anos, em um distrito sanitário de Maceió (AL), por procurar a Unidade Básica de Saúde (UBS). Realizaram-se duas etapas: (1) análise das crenças de uma parcela da amostra, para a confecção de um instrumento quantitativo (N=25); (2) aplicação desse instrumento em uma amostra maior dessa população (N=106). Os resultados demonstraram que a intenção dos homens em procurar a UBS está associada aos atributos que facilitam e/ou dificultam a realização desse comportamento. Concluiu-se que apenas o construto Percepção de Controle se relacionou com a Intenção Comportamental. No entanto, os construtos Norma Subjetiva e Atitude não apresentaram impacto significativo sobre a Intenção dos homens de procurar a UBS. Discutiu-se a importância da elaboração de políticas públicas mais eficientes para o cuidado da saúde masculina, bem como a relevância de evidências empíricas para reflexões mais consistentes nessa área.

Biografia do Autor

Jéssica Bazilio Chaves
Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Terapeuta Ocupacional pela Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL), atuando nas áreas de Saúde da Família, Saúde Mental e Reabilitação Cognitiva.
Maria Lúcia Vicente da Silva
Graduanda em Psicologia pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL).
Daniela Santos Bezerra
Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL).
Sheyla C. S. Fernandes, Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Professora Adjunta.
Doutora em Psicologia Social pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). É professora adjunta da Universidade Federal de Alagoas - UFAL. Tem experiência na área de Psicologia Social, atuando principalmente nos seguintes temas: preconceito, valores sociais e relações intergrupais.
Emanuel Duarte de Almeida Cordeiro
Graduado em Psicologia pela Universidade Federal de Alagoas (2014). Mestrado no programa de Psicologia Cognitiva pela Universidade Federal de Pernambuco (2017). Doutorado com início em 2018 no programa de Psicologia Cognitiva pela Universidade Federal de Pernambuco. Com interesse em Psicologia Social, Avaliação Psicológica, Psicometria, Psicologia Educacional.

Referências

Rocha EM, Medeiros ADL, Rodrigues KSLF, Cruz JPMC, Siqueira MFC, Farias EFNF, Lemes AG. A Política Nacional de Saúde do Homem e os Desafios de sua Implementação na Atenção Primária à Saúde. Interdisciplinar: Rev Elet Universidade [Internet]. 2016 [Acesso em: 07 out. 2017]; 15(1): 43-48. Disponível em: <http://www.univar.edu.br/revista/index.php/interdisciplinar/article/view/476>.

Instituto Brasileiro De Geografia e Estatística . Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais. Tábua completa de mortalidade para o Brasil: breve análise da evolução da mortalidade no Brasil. 2015 [acesso em: nov. 2016]; Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em: <ftp://ftp.ibge.gov.br/Tabuas_Completas_de_Mortalidade/Tabuas_Completas_de_Mortalidade_2015/tabua_de_mortalidade_analise.pdf>.

Moreira MCN, Gomes R, Ribeiro CR. E agora o homem vem?! Estratégias de atenção à saúde dos homens. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2016 [acesso em 2018 Maio 07]; 32(4). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2016000400710&lng=pt. Epub 10-Maio-2016. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00060015.

Storino LP, Souza KV, Silva KL. Necessidades da saúde de homens na atenção básica. Esc Anna Nery [Internet]. 2013 [Acesso em 21 dez. 2017]; 17 (4): 638-45. Disponível em: <http://saudepublica.bvs.br/pesquisa/resource/pt/lil-697753>.

Albuquerque GA, Leite MF, Belém JM, Nunes JFC, Oliveira MA, Adami F. O homem na atenção básica: percepções de enfermeiros sobre as implicações do gênero na saúde. Esca Anna Nery [Internet]. 2014 [Acesso em dez. 2017]; 18(4): 607-14. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452014000400607&lng=en. http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140086.

Souza AR, Queiroz A,M, Florêncio RMS, Portela PP, Fernandes JD, Pereira A. Homens nos serviços de atenção básica à saúde: repercussões da construção social das masculinidades. Rev Baiana Enferm [Internet]. Jul./set.2016 [Acesso em nov. 2017]; 30(3): 1-10. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/16054. doi:http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v30i3.16054.

Schraiber LB. Necessidades de saúde, políticas públicas e gênero: a perspectiva das práticas profissionais. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2012 [Acesso em: 07 out. 2017]; 17(10): 2635-2644. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=63024360013>.

Portela GZ. Atenção Primária à Saúde: um ensaio sobre conceitos aplicados aos estudos nacionais. Physis [Internet]. 2017 [Acesso em nov. 2017]; 27(2): 255-76. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312017000200255&lng=pt. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-73312017000200005.

Brasil. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: princípios e diretrizes, de novembro de 2008.Ministério da Saúde, Brasília, DF, 2009.

Moura EC, Santos W, Neves ACM, Gomes R, Schwarz E. Atenção à saúde dos homens no âmbito da Estratégia Saúde da Família. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2014 [Acesso em dez. 2017]; 19(2): 429-38. Disponível em: Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232014000200429&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014192.05802013.

Separavich MA, Canesqui AM. Saúde do homem e masculinidades na Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: uma revisão bibliográfica. Saúde Soc [Internet]. 2013 [Acesso em out. 2017]; 22(2): 415-428. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902013000200013&lng=pt&tlng=pt. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902013000200013.

Moutinho K, Roazzy A. As Teorias da Ação Racional e da Ação Planejada: relações entre intenções e comportamentos. Aval. psicol. [Internet]. 2010 [Acesso em: 07 out. 2017; 9(2): 279-287. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielophp?script=sci_arttext&pid=S1677-04712010000200012&lng=pt&tlng=pt.>.

Fishbein M, Ajzen I. Belief, attitude, intention, andbehavior: anintroductiontotheoryandresearch. Reading, MA: Addison-Wesley; 1975.

Ajzen I. The theory of planned behavior. Organizational Behavior and Human Decision Process. 1991;50(2):179-211. doi:https://doi.org/10.1016/0749-5978(91)90020-T.

Ajzen I. Behavioral Interventions: Design andevaluationguidedbythe theory of planned behavior. In: Mark M M, Donaldson S I, Campbel B. (Ed.). Social psychology and evaluation. New York: Guilford Press; 2011. p. 72-100.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo, SP: Edições; 70, 2011.

Hair JRJF, Black WC, Babin BJ, Anderson RE, Tatham RL. Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman; 2005.

Vieira KLD, Gomes VLO, Borba MR, Costa CFS. Atendimento da população masculina em unidade básica saúde da família: motivos para a (não) procura. Esc Anna Nery [Internet]. 2013 [Acesso em: 21 dez. 2017]; 17(1):120-7. Disponível em: <http://www.portalsaude.ufms.br/posts/view/214?s=2#>.

Chinazzo IR, Câmara SG, Frantz DG. Comportamento sexual de risco em jovens: aspectos cognitivos e emocionais. Psico-USF, Bragança Paulista [Internet]. jan./abril, 2014 [Acesso em: nov. 2017];19(1):1-12. Disponível em: <http://www.scielo.brscielophp?script=sci_arttext&pid=S1413-82712014000100002&lng=pt&nrm=iso>. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712014000100002.

Mendes FL, Batista JO, Cacho ANB, Soares ALV. Aplicativos Móveis e Turismo: um estudo quantitativo aplicando a Teoria do Comportamento Planejado. Revista Rosa dos Ventos - Turismo e Hospitalidade [Internet]. abr/jun, 2017 [Acesso em: 21 dez. 2017]; 9(2):179-99. Disponível em: http://ucs.br/etc/revistas/index.php/rosadosventos/article/download/4787/pdf.

Torquato R, Franco CMA, Bianchi A. SeatBelt Use Intention among Brazilian Undergraduate Students. Revista Colombiana de Psicología, Bogotá [Internet]. july/dec. 2012 [Acesso em: 07 out. 2017]; 21(2): 253-63. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0121-54692012000200005&lng=en&nrm=iso.

Cabral TRP. Intenção do uso de preservativo das mulheres de João Pessoa:aspectos psicológicos e sociais. 2014. 136f. [Dissertação] [Internet] - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2014. [Acesso em: nov. 2017]. Disponível em: http://tede.biblioteca.ufpb.br/handle/tede/7562.

Maciel MG, Veiga RT. Intenção de mudança de comportamento em adolescentes para a prática de atividades físicas de lazer. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte, São Paulo [Internet]. out./dez. 2012 [Acesso em: 21 dez. 2017]; 26(4): 705-16. Disponível em: www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1807-55092012000400014.

Souza GFM, Borges FRF, Lopes ALM, Muniz RM. Propagação de mensagens na internet: Teoria do comportamento planejado. Pretexto [Internet]. jul/set. 2012 [Acesso em: 21 dez. 2017]; 13(3): 11-27. Disponível em: http://www.fumec.br/revistas/pretexto/article/view/1258.

Hoppe A, Barcellos MD, Vieira LM, Matos CA. Comportamento do consumidor de produtos orgânicos: uma aplicação da teoria do comportamento planejado. Rev Base (Administração e Contabilidade) da UNISINOS [Internet]. 2012 [Acesso em: 06 de out. 2017]; 9(2): 174-88. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=87880103.

Heath Y, Gifford R. Extending The Theory Of Planned Behavior: predicting the use of public transportation. J Appl Soc Psychol [Internet]. 2002 [Acesso em: dez. 2017]; 32(10): 2154-89. Disponível em : https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111j.1559-1816.2002.tb02068.x

Publicado
2018-08-30
Seção
Artigos Originas - Promoção da Saúde