CARACTERÍSTICAS ANTROPOMÉTRICAS, FÍSICAS E CARDIORRESPIRATÓRIAS DE JOVENS ATLETAS DE VOLEIBOL FEMININO

  • Hiago Albarello Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
  • Paula Caitano Fontela Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Daniela da Silva Martins Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
  • Simone Eickhoff Bigolin Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
  • Eliane Roseli Winkelmann Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUI
Palavras-chave: Voleibol, Atletas, Antropometria, Aptidão física, Aptidão cardiorrespiratória

Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar as variáveis antropométricas e de aptidão física, incluindo a avaliação por método direto da resistência cardiorrespiratória, em uma amostra de atletas de voleibol da categoria infantil feminina. Participaram 12 atletas, idade entre 13 e 14 anos. Foram avaliadas as características antropométricas (massa corporal, estatura e índice de massa corporal), a flexibilidade (flexiteste adaptado), a agilidade (teste do quadrado), a impulsão vertical e horizontal e as características cardiorrespiratórias. A maioria das atletas apresentou grande flexibilidade (58%), razoável agilidade (50%) e excelente impulsão vertical (83%). Todas as atletas apresentaram fraca impulsão horizontal. O consumo de oxigênio (VO2) máximo previsto foi de 38,6 ± 1,2 mL.kg-1.min-1 e o atingido foi de 40,44±4,76 mL.kg-1.min-1. As atletas apresentaram boa flexibilidade, fraca e razoável agilidade, excelente impulsão vertical, fraca impulsão horizontal e capacidade cardiorrespiratória de acordo com o previsto para a população ativa brasileira.

Biografia do Autor

Hiago Albarello, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
Fisioterapeuta graduado pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí (RS), Brasil.
Paula Caitano Fontela, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Mestra em Ciências Pneumológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre (RS), Brasil.
Daniela da Silva Martins, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
Acadêmica do Curso de Fisioterapia da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí (RS), Brasil.
Simone Eickhoff Bigolin, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
Mestra em Educação nas Ciências pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul; Docente no Departamento de Ciências da Vida na Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí (RS), Brasil.
Eliane Roseli Winkelmann, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUI
Doutora em Ciências Cardiovasculares pela UFRGS/RS. Docente do Programa de Pós Graduação Scricto Sensu Mestrado em Atenção Integral a Saúde (PPGAIS) - UNICRUZ/UNIJUI, Ijuí (RS), Brasil.

Referências

Viitasalo JT, Rusko H, Rahkila P. Endurance requirements in volleyball. Can J App Sport Sci. 1987;12(4):194-201.

Almeida TA, Soares EA. Nutricional and antrhropometric profile of adolescente volleyball athletes. Rev Bras Med Esporte. 2003;9(4):198-203.

Massa M. Análise de aspectos de cineantropometria morfológica e de testes de desempenho de atletas de voleibol masculino envolvidos em processos de promoção de talentos [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo, Escola de Educação Física; 1999.

Thissen-Milder M, Mayhew JL. Selection and classification of high school volleyball players from performance tests. J Sports Med Phys Fitness. 1991;31(3):380-4.

Bouchard C, Shephard RJ, Stephens T, Sutton JR, McPherson BD. Exercise, Fitness and Health. A Consensus of Current Knowledge. Champaign: Human Kinetics; 1990.

Barnes JL, Schilling BK, Falvo MJ, Weiss LW, Creasy AK, Fry AC. Relationship of jumping and agility performance in female volleyball athletes. J Strength Cond Res. 2007;21(4):1192-6.

Gabbett T, Georgieff B. Physiological and anthropometric characteristics of junior national, state, and novice volleyball players. J Strength Cond Res. 2007;21(3):902-8.

Grgantov Z, Katić R, Janković V. Morphological characteristics, technical and situation efficacy of young female volleyball players. Coll Antropol. 2006;30(1):87-96.

Grgantov Z, Nedović D, Katić R. Integration of technical and situation efficacy into the morphological system in young female volleyball players. Coll Antropol. 2007;31(1):267-73.

Tsunawake N, Tahara Y, Moji K, Muraki S, Minowa K, Yukawa K. Body Composition and Physical Fitness of Female Volleyball and Basketball Players of the Japan Inter-high School Championship Teams. J Physiol Anthropol Appl Human Sci. 2003;22(4):195-201.

Cunha C, Ferreira G, Kelvin D. Comparação entre o teste direto e indireto de avaliação do VO2máx. em atletas infanto-juvenis de voleibol. Repositório da Universidade Católica de Brasília; 2014.

CEV - Confédération Européenne de Volleyball. [acesso em 2017 ago. 21]. Disponível em: http://www.cev.lu/default.aspx.

FIVB – Volleyball. [acesso em 2017 ago. 20]. Disponível em: http://www.fivb.org/en/volleyball/Rankings.asp.

Ferreira AD, Paula AHD. Identificação e comparação do perfil de aptidão física em atletas de voleibol por posição de jogo. Movimentum Revista Digital de Educação Física. 2006.

Bangsbo J, Mohr M, Poulsen A, Perez-Gomez J, Krustrup P. Training and testing the elite athlete. J Exerc Sci Fit. 2006;4(1):1-14.

Conde WL, Monteiro CA. Body mass index cutoff points for evaluation of nutritional status in Brazilian children and adolescents. J Pediatr. 2006; 82(4):266-72.

Araújo CGS. Flexitest – an office method for evaluation of flexibility. Sports & Medicine Today. 2001;1:34-7.

Ministério dos Esportes (BR). Projeto Esporte Brasil. Porto Alegre; 2016. [acesso em 2017 ago. 17]. Disponível em: https://www.ufrgs.br/proesp/.

Fernandes Filho J. Avaliação física. Ribeirão Preto: Vermelhinho; 1998.

Kiss MAPDM. Avaliação em Educação Física: aspectos biológicos e educacionais. São Paulo: Manole; 1987.

Dall’ago P, Chiappa GR, Guths H, Stein R, Ribeiro JP. Inspiratory muscle training in patients with heart failure and inspiratory muscle weakness. A randomized trial. J Am Coll Cardiol. 2006;47(4):757-63.

Gademan MG, Swenne CA, Verwey HF, van de Vooren H, Haest JC, van Exel HJ, et al. Exercise training increases oxygen uptake efficiency slope in chronic heart failure. Eur J Cardiovasc Prev Rehabil. 2008;15(2):140-4.

American Thoracic Society, 2003. [acesso em 2017 jun. 20]. Disponível em URL: https://www.thoracic.org/statements/resources/pfet/cardioexercise.pdf.

Almeida AEM, Stefani CM, Nascimento JA, Almeida NM, Santos AC, Ribeiro JP, et al. Equação de Predição do Consumo de Oxigênio em uma População Brasileira. Arq Bras Cardiol. 2014;103(4):299-307.

Vando S, Filingeri D, Maurino L, Chaabène H, Bianco A, Salernitano G, et al. Postural adaptations in preadolescent karate athletes due to a one week karate training cAMP. J Hum Kinet. 2013;38:45-52.

Bojikian LP, Böhme MTS. Crescimento e composição corporal em jovens atletas de voleibol feminino. Rev Bras Educ Fís Esp. 2008;22(2):91-102.

Ugrinowitsch C, Barbanti VJ, Gonçalves A, Peres BA. Capacidade dos testes isocinéticos em predizer a “performance” no salto vertical em jogadores de voleibol. Rev Paul Educ Fís. 2000;14(2):172-83.

Gonçalves HR, Arruda M, Valoto TA, Alves AC, Silva FA, Fernandes F. Análise de informações associadas a testes de potência anaeróbia em atletas jovens de diferentes modalidades esportivas. Arq Ciênc Saúde Unipar. 2007;11(2):107-21.

Anza R, Denis M, Silva MF. Análise da aptidão física, da antropometria e da prevalência de sintomas osteomusculares na categoria infanto-juvenil do voleibol. Rev Bras Med Esporte. 2013;19(1):62-5.

Govind BT, Milind VB, Surdi AD. A Profile of Fitness Parameters and Performance of Volleyball Players. JKIMSU. 2013;2(2):48-59.

Cambraia AN, Pulcinelli AJ. Avaliação da composição corporal e da potência aeróbia em jogadores de voleibol de 13 a 16 anos de idade do Distrito Federal. R Bras Ci e Mov. 2002;10(2):43-8.

Simões RA, Salles GSLM, Gonelli PRG, Leite GS, Dias R, Cavaglieri CR, et al. Efeitos do Treinamento Neuromuscular na Aptidão Cardiorrespiratória e Composição Corporal de Atletas de Voleibol do Sexo Feminino. Rev Bras Med Esporte. 2009;15(4):295-8.

Publicado
2018-08-30
Seção
Artigos Originais