CÂNCER DE PELE EM IDOSOS RURAIS: PREVALÊNCIA E HÁBITOS DE PREVENÇÃO DA DOENÇA

  • Denise Somavila Przylynski Castro Universidade Federal de Pelotas
  • Celmira Lange Universidade Federal de pelotas
  • Carla Alberici Pastore Universidade Federal de Pelotas
  • Lígia Carreira Universidade Estadual de Maringá
  • Andressa Hoffmann Pinto Universidade Federal de Pelotas
  • Leticia Pilotto Casagranda Universidade Federal de Pelotas

Resumo

O objetivo do estudo é avaliar a prevalência e hábitos de prevenção do câncer de pele em idosos rurais. Estudo quantitativo e transversal. Amostra composta por 820 idosos rurais. Utilizou-se instrumento com questões estruturadas. O período de coleta dos dados foi de julho a outubro de 2014. As variáveis foram analisadas utilizando-se o pacote estatístico Stata®11.1 e, utilizados os testes Qui-quadrado e teste exato de Fisher, adotando-se 5% para o nível de significância. A prevalência de câncer de pele foi de 4,8% nesta amostra. Considerando-se os hábitos de exposição solar, 83,5% deles estão expostos ao sol neste estudo, 66,2% estão expostos durante o período em que a radiação ultravioleta é mais intensa e 73,0% nunca usaram protetor solar. Os resultados do estudo reforçam a necessidade de investimentos em prevenção e educação para este tipo de câncer.

Biografia do Autor

Denise Somavila Przylynski Castro, Universidade Federal de Pelotas
Enfermeira. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), Brasil.
Celmira Lange, Universidade Federal de pelotas
Enfermeira. Doutora. Professora adjunto da Faculdade de enfermagem da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), Brasil.
Carla Alberici Pastore, Universidade Federal de Pelotas
Nutricionista. Doutora em Saúde e comportamento pela Universidade Católica de Pelotas (UCPEL), Brasil.
Lígia Carreira, Universidade Estadual de Maringá
Enfermeira. Doutora. Professora Associada do curso de Graduação e Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Brasil.
Andressa Hoffmann Pinto, Universidade Federal de Pelotas
Enfermeira. Doutoranda do programa de pós-graduação em enfermagem da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), Brasil.
Leticia Pilotto Casagranda, Universidade Federal de Pelotas
Enfermeira. Doutoranda do programa de pós-graduação em enfermagem da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), Brasil.

Referências

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva – INCA. Câncer de pele não melanoma. [Acesso em 2018 jul 20]. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/pele_nao_melanoma. INCA 2018a.

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva – INCA. Câncer de pele não melanoma. [Acesso em 2018 jul 20]. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/pele_nao_melanoma. INCA 2018b.

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva – INCA. Estimativa 2018: Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro; 2017. 128 p.

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva – INCA. Radiação Solar. [Acesso em 2018 jul 20]. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/conteudo_view.asp?ID=21

Fartasch M, Diepgen TL, Schmitt J, Drexler H. The relationship between occupational sun exposure and non-melanoma skin câncer. Rev. Deutsches Ärzteblatt International. 2012; 43(109):715-20.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Tábua completa de mortalidade para o Brasil 2013. [Acesso em 2018 jul 20]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/00000019794312112014432701710507.pdf.

Focchesatto A, Rockett FC, Perry IDS. Fatores de risco e proteção para o desenvolvimento de doenças crônicas em população idosa rural do Rio Grande do Sul. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, 2015; 18(4):779-95.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Distribuição da população por sexo segundo os grupos de idade Brasil (RS) -2010. [Acesso em 2018 jan 13]. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/webservice/frm_piramide.php?codigo=431440&corhomem=3d4590&cormulher=9cdbfc.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. População. [Acesso em 2018 jul 21] Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/pelotas/panorama.

Llano PMP, Lange C, Nunes DP, Pastore CA, Pinto AH, Casagranda LP. Fragilidade em idosos da zona rural: proposta de algoritmo de cuidados. Acta Paul Enferm. 2017; 30(5):520-30.

Vaz MRC, Bonow CA, Piexak DR, Kowalczk S, Vaz JC, Borges AM. Câncer de pele em trabalhadores rurais: conhecimento e intervenção de enfermagem. Rev. Esc. Enferm. USP. 2015;49(4):564-71.

Simões TC, Souza NVDO, Shoji S, Peregrino AAF, Silva D. Medidas de prevenção contra câncer de pele em trabalhadores da construção civil: contribuição da enfermagem. Rev. gaúch. enferm. 2011; 32(1): 100-6.

Pompeu GF, Bortolança PC, Grignoli CRE, Simionato MIV, Grignoli LCE. Estudo comparativo sobre a conscientização o dos hábitos de foto proteção o e dos fatores de risco da carcinogênese de pele em trabalhadores de rua. Revista Científica da UNIARARAS. 2013;1(2).

Margotto FS, Silva HP, Meireles RS, Neugebauer MGFP, Abrahão GF, Rauber JL. Fotoexposição e fatores de risco para câncer de pele: avaliação de hábitos e conhecimentos da população participante da campanha de prevenção ao câncer de pele em Morro Redondo/RS. Rev. AMRIGS. 2016;60(1).

Firmino Bezerra ST, Lemos AM, Souza SMC, Carvalho CML, Fernandes AFC, Alves MDS. Promoção da saúde: A qualidade de vida nas práticas da enfermagem. Enferm. glob. 2013;(32):270-9.

Malak AT, Yildirim P, Yidiz Z, Bektas M. Effects of Training about Skin Cancer on Farmers’ Knowledge Level and Attitudes. Asian Pacific Journal of Cancer Prevention. 2011;12.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. 95 p.

Couto MT, Pinheiro TF, Valença O, Machin R, Silva GSN, Gomes R, Schraiber LB, Figueiredo WS. O homem na atenção primária à saúde: discutindo (in)visibilidade a partir da perspectiva de gênero. Interface comum. saúde educ. 2010;14(33):257-70.

Bonita R. Epidemiologia básica. 2. ed. São Paulo, Santos; 2010.

Publicado
2018-11-13
Seção
Artigos Originas - Promoção da Saúde