CRONOTIPO E QUALIDADE DO SONO DE ACADÊMICOS DO PRIMEIRO ANO DO CURSO DE MEDICINA DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

  • Bruna Jordana de Mello Universidade Estadual de Maringá
  • Sonia Trannin de Mello Universidade Estadual de Maringá
  • Ana Paula Vidotti Universidade Estadual de Maringá
  • Josiane Medeiros de Mello Universidade Estadual de Maringá
Palavras-chave: memória, ritmo circadiano, estresse

Resumo

O impacto da má qualidade do sono e da dimensão matutinidade e vespertinidade podem interferir no comportamento social e na saúde do indivíduo. Além das funções fisiológicas, o sono é fundamental para a consolidação da memória. Nosso objetivo foi avaliar o cronotipo e qualidade de sono dos 31 alunos do primeiro ano do curso de medicina da Universidade Estadual de Maringá, no Paraná. Utilizamos o questionário cronobiológico, que avalia o cronotipo do indivíduo e PSQI, que avalia a qualidade de sono. Quanto ao cronotipo, perante uma amostra de 18 acadêmicos analisados, 8 deles mostraram-se com tendência à vespertinidade, 6 moderadamente vespertinos e 4 indiferentes. Para a qualidade do sono, dos 31 acadêmicos, 61,29% (n=19) apresentaram qualidade ruim de sono. Os resultados chamam a atenção para a necessidade de intervenções destinadas à promoção de ações preventivas e de autocuidado sobre a importância do sono para o bem-estar físico, psicológico e cognitivo.

Biografia do Autor

Bruna Jordana de Mello, Universidade Estadual de Maringá
Acadêmica do curso de Medicina da UEM. Bolsista PIBIC-AF.
Sonia Trannin de Mello, Universidade Estadual de Maringá
Departamento de Ciência Morfológicas; Anatomia Humana. Orientadora.
Ana Paula Vidotti, Universidade Estadual de Maringá
Departamento de Ciência Morfológicas; Anatomia Humana
Josiane Medeiros de Mello, Universidade Estadual de Maringá
Departamento de Ciência Morfológicas; Anatomia Humana

Referências

Faría Ribeiro, Cairon Rodrigo ; Prata da Silva, Yasmin Maria Garcia ; Carvalho de Oliveira SM. O impacto da qualidade do sono na formação médica. Rev Soc Bras Clínica Médica. 2014;55(68):8-14.

McCormick DA, Westbrook GL. Sono e sonhos. In: Princípios de Neurociências. 5. ed. Porto Alegre: Artmed; 2014. p. 991.

Figuerola WB, Ribeiro S. Sono e plasticidade neural. 2013;17-30.

Guissoni Campos LM, Hataka A, Vieira IZ, Buchaim RL, Robalinho IF, Arantes GEPS, et al. Circadian Clock Proteins and Melatonin Receptors in Neurons and Glia of the Sapajus apella Cerebellum. Front Physiol [Internet]. 2018;9(February):5. Available at: http://journal.frontiersin.org/article/10.3389/fphys.2018.00005/full

Tan E, Scott EM. Circadian rhythms, insulin action, and glucose homeostasis. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 2014;17(4):343-8.

Arora T, Taheri S. Is sleep education an effective tool for sleep improvement and minimizing metabolic disturbance and obesity in adolescents? Sleep Med Rev [Internet]. 2017;36:3-12. Available at: https://doi.org/10.1016/j.smrv.2016.08.004

Marques N, Menna-Barreto L. Cronobiologia: Princípios e aplicações. 3. ed. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2003. 435 p.

Lima ÁM, Dutra JRM, Tolentino Junior JC, Cortez AF, Passos RBF,

Figueiredo WM de. Correlação entre Distúrbios do Sono e Avaliação Cognitiva em Estudantes de Medicina. Iniciação Científica Cesumar [Internet]. 2016;18(1):5. Available at: http://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/iccesumar/article/view/4546

Chagas Cardoso H, Bueno FCC, da Mata JC, Rodrigues Alves AP, Jochims I,

Runulfo Vaz Filho IH, Hanna MM. Avaliação da qualidade do sono em estudantes de Medicina. Rev Bras Educ Med [Internet]. 2009;33(3):349-55. Available at: http://penelope.uchicago.edu/Thayer/E/Roman/Texts/Celsus/home.html

Short MA, Gradisar M, Lack LC, Wright HR. The impact of sleep on adolescent depressed mood, alertness and academic performance. J Adolesc [Internet]. 2013;36(6):1025-33. Available at: http://dx.doi.org/10.1016/j.adolescence.2013.08.007

Lopes FCH. Stresse académico, afecto e qualidade do sono. Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra; 2015.

Buysse DJ, Reynolds CF, Monk TH, Berman SR, Kupfer DJ, III CFR, et al. The Pittsburgh Sleep Quality Index: a new instrument for psychiatric practice and research. Psychiatry Res [Internet]. 1989;28(2):193-213. Available at: http://eutils.ncbi.nlm.nih.gov/entrez/eutils/elink.fcgi?dbfrom=pubmed%7B&%7Did=2748771%7B&%7Dretmode=ref%7B&%7Dcmd=prlinks

Horne JA, Osteberg O. A self-assessement questionnaire to determine morningness-eveningness in human circadian rhythms. Int J Chronobiol. 1976;4(2):97-110.

Summa KC, Turek FW. Dessincronia circadiana e saúde. In: Atlas clínico de medicina do sono. Rio de Janeiro: Elsevier; 2015. p. 138.

Adam A, Archer SN, Hidalgo MP, Milia L Di, Vicenzo N, Christoph R. Circadian typology: A comprehensive review. Chronobiol Int. 2012;29(9):1153-75.

Önder I, Beşoluk Ş, Iskender M, Masal E, Demirhan E. Circadian Preferences, Sleep Quality and Sleep Patterns, Personality, Academic Motivation and Academic Achievement of university students. Learn Individ Differ. 2014;32:184-92.

Vollmer C, Pötsch F, Randler C. Morningness is associated with better gradings and higher attention in class. Learn Individ Differ [Internet]. 2013;27:167-73. Available at: http://dx.doi.org/10.1016/j.lindif.2013.09.001

Spaeth AM, Abe T, Schneiderman JS. Restrição de sono. In: Atlas clínico de medicina do sono. Rio de Janeiro: Elsevier; 2015. p. 96.

McCall C, Shapiro CM, McCall WV. Sono e doença psiquiátrica. In: Atlas clínico de medicina do sono. Rio de Janeiro: Elsevier; 2015. p. 362.

Publicado
2018-08-30
Seção
Artigos Originas - Promoção da Saúde