A VIOLÊNCIA E SEUS IMBRICAMENTOS COM O CAMPO DA SAÚDE MENTAL: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

  • Ricardo Otávio Maia Gusmão Universidade Estadual de Montes Claros
  • Suelen Ferreira Rocha Universidade Estadual de Montes Claros
  • Andréia Tatielli Alves Urcino Universidade Estadual de Montes Claros
  • Bruna Stefany Ribeiro Souza Universidade Estadual de Montes Claros
  • Mariza Dias Xavier Universidade Estadual de Montes Claros
  • Letícia Ferreira Alkimim Ladeia Universidade Estadual de Montes Claros
  • Renê Ferreira da Silva Junior Universidade Estadual de Montes Claros
Palavras-chave: Violência, Saúde mental, Transtorno mental

Resumo

O presente estudo teve como objetivo discutir sobre os imbricamentos existentes entre o fenômeno da violência e o campo da saúde mental a partir de uma revisão integrativa da literatura brasileira sobre a temática. Propôs-se investigar o fenômeno violência e sua relação com a produção de sofrimento psíquico, verificar qual a relação existente entre o cometimento da violência e sua causalidade manifestada pela presença de transtornos mentais e uso de drogas e pesquisar sobre as principais formas de vitimização sofridas por portadores de sofrimento mental. Foi realizada busca na base de dado da Biblioteca Virtual da Saúde (BVS) identificando-se 426 artigos elegíveis para o estudo, que após análise dos critérios de inclusão resultaram em 15 artigos. Os resultados foram apresentados por meio de um quadro descritivo e, em seguida, discutidos em três categorias. Verificou-se que existe relação importante entre a vivência das diversas situações de violência e como consequência a produção de sofrimento psíquico e ocorrência de transtornos mentais.

Biografia do Autor

Ricardo Otávio Maia Gusmão, Universidade Estadual de Montes Claros
Enfermeiro. Mestre em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Docente efetivo de educação superior. Brasil.
Suelen Ferreira Rocha, Universidade Estadual de Montes Claros
Enfermeira pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES), Brasil.
Andréia Tatielli Alves Urcino, Universidade Estadual de Montes Claros
Acadêmica de Medicina pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES), Brasil.
Bruna Stefany Ribeiro Souza, Universidade Estadual de Montes Claros
Acadêmica de Medicina pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES), Brasil.
Mariza Dias Xavier, Universidade Estadual de Montes Claros
Acadêmica de Medicina pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES), Brasil.
Letícia Ferreira Alkimim Ladeia, Universidade Estadual de Montes Claros
Enfermeira pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES), Brasil.
Renê Ferreira da Silva Junior, Universidade Estadual de Montes Claros
Enfermeiro. Mestre em Ensino e Saúde Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Docente de educação superior. Brasil.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção à Saúde. Saúde Mental. Política nacional de atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2010. p.27.

Bertolote JM. Violência e saúde mental: como podemos fazer parte da solução? Rev Bras Psiquiatria. 2009; 31(2): 39-40.

Delgado PGG. Violência e saúde mental: os termos do debate. Revista O Social em Questão, Rio de Janeiro. 2012; 15 (28): 187-98.

Valadares FC, Souza ER. A gente vive equilibrando pratos: olhares sobre a violência que interroga a rede pública de saúde mental do município do Rio de Janeiro. Saúde Soc., São Paulo. 2014; 23 (3): 841-54.

Long PW. Violência e pacientes violentos. Neuropsiconews. 2000; 18: 07-13.

Teixeira EH, Pereira MC, Rigacci R, Dalgalarrondo P. Esquizofrenia, psicopatologia e crime violento: uma revisão das evidências empíricas. J Bras Psiquiatr. 2007; 56 (2): 127-33.

Marconi MA, Lakatos EM. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Atlas, 1992. 4. ed. p. 43-44.

Albuquerque FP, Barros CRS, Schraiber LB. Violência e sofrimento mental em homens na atenção primária a saúde. Rev Saúde Pública. 2013; 47(3): 531-9.

Dejours C, Abdouchelli E, Jayet C. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas; 1994.

Fatori de Sá DG, Bordin IAS, Martin D, Paula CS. Fatores de Risco para Problemas de Saúde Mental na Infância/Adolescência. Psicologia: Teoria e Pesquisa. [Internet] 2010; [Acesso em 2016 nov 3] 26(4): 643-52. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/ptp/v26n4/08.pdf>.

Ribeiro WS, AndreoliI SB, FerriICP, PrinceII M, MariJJ. Exposição à violência e problemas de saúde mental em países em desenvolvimento: uma revisão da literatura. Revista Brasileira de Psiquiatria. 2009;31 (2): 49-57.

Hildebrand NA, Celeri EHRV, Morcillo AM, ZanolliML.Violência doméstica e risco para problemas de saúde mental em crianças e adolescentes. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre. [Internet] 2015; [Acesso em 2016 nov 3] 28(2):213-21. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722015000200213&lng=en&nrm=iso>.

Souza FBC, Drezett J, Meirelles AC, Ramos DG. Aspectos psicológicos de mulheres que sofrem violência Sexual. Reprod. clim. [Internet] 2013; [Acesso em 2016 out 30] 27(3):98-103. Disponível em: <http://recli.elsevier.es/pt/aspectos-psicologicos-mulheres-que sofrem/articulo/S141320871300006X/>.

Bittar D, Kohlsdorf M. Ansiedade e depressão em mulheres vítimas de violência doméstica. Psicol. Argum. Curitiba. [Internet] jul./set 2013; [Acesso em 2016 out 30] 31(74): 447-56. Disponível em:< http://www2.pucpr.br/reol/pb/index.php/pa?dd1=12236&dd99=view&dd98=pb>.

Morais AC. Depressão em mulheres vítimas de violência doméstica.Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Bahia, Escola de Enfermagem – Salvador, 2009. [Acesso em 2016 out 30]. Disponível em: <http://www.repositorio.ufba.br:8080/ri/bitstream/ri/11425/1/Disserta%C3%A7%C3%A3o_Enf_Ariane%20Cedraz%20Morais.pdf>.

Pai DD. A violência no trabalho em pronto socorro: implicação para a saúde mental dos trabalhadores. 2011. 218 f. Tese (Programa de Pós graduação em enfermagem) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/37115/000819751.pdf?sequence=1>.

Barbosa JAG,Souza MCMR, Freitas MIF. Violência sexual: narrativas de mulheres com transtornos mentais no Brasil. Rev Panam Salud Publica. [Internet] 2015; [Acesso em 2016 out 30] 37(4/5):273–8. Disponível em: <https://www.scielosp.org/article/ssm/content/raw/?resource_ssm_path=/media/assets/rpsp/v37n4-5/v37n4-5a13.pdf>.

Valença AM, Nascimento I, Mecler K, Freire R, Mezzasalma MA. Comportamento violento, gênero e psicopatologia. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund, São Paulo. 2010; 13 (2): 238-52.

Tavares GP, Almeida RMM. Violência, dependência química e transtornos mentais em presidiários. Estudos de Psicologia I CampinasI. 2010; 27 (4): 545-52.

Benetti SPC, Ramires VRR, Schneider AC, Rodrigues APG, TremarinD.Problemas de saúde mental na adolescência: características familiares, eventos traumáticos e violência. Psico-USF. 2010; 15(3); 321-32.

Passos AF, Stumpf BP, Rocha FL. Vitimização de doentes mentais. Rev. psiquiatr. clín., São Paulo. [Internet] 2013; [Acesso em 2016 out 31] 40 (5): 191-6. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832013000500004&lng=en&nrm=iso>.

Publicado
2018-11-13
Seção
Artigos de Revisão