PREVALÊNCIA DA SÍFILIS GESTACIONAL E CONGÊNITA NA POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ – PR

  • Michelli Gouveia Ramos Unicesumar
  • Sara Macente Boni Unicesumar
Palavras-chave: Gestantes, Infecções sexualmente transmissíveis, Sífilis, Treponema pallidum

Resumo

O objetivo deste estudo foi relatar a prevalência de sífilis gestacional e congênita dos anos 2013 a 2016, com base em dados do setor de epidemiologia do município de Maringá - PR. Foi realizado um estudo descritivo retrospectivo por meio de coleta de dados em fichas de notificação compulsória de sífilis gestacional e congênita, onde foram coletados dados da pesquisa. Foram notificados 226 casos de sífilis em gestantes, cuja média de idade mais acometida é de 25,6 anos, mostrando uma prevalência elevada de sífilis primária (68,6%), quando comparado às demais fases da doença. A sífilis congênita apresentou aumento crescente entre os anos estudados, sendo notificados 134 casos da doença em recém-nascidos. Dentre esses, 8,9% apresentaram manifestações clínicas e alterações ósseas importantes. Com esse estudo, foi possível observar aumento significativo de sífilis gestacional e congênita no decorrer dos anos estudados, o que indica alguns pontos frágeis na assistência pré-natal e saúde da gestante, que necessitam de melhoras.

Biografia do Autor

Michelli Gouveia Ramos, Unicesumar
Discente do curso de Biomedicina no Centro Universitário de Maringá (UniCesumar), Brasil.
Sara Macente Boni, Unicesumar
Docente do Departamento Biomedicina no Centro Universitário de Maringá (UniCesumar), Brasil.

Referências

Cavalcante AES, Silva MAM, Rodrigues ARM, Netto JJM, Moreira AC, Goyanna NF. Diagnóstico e tratamento da sífilis: uma investigação com mulheres assistidas na atenção básica em Sobral, Ceará. DST – J. bras. Doenças Sex. Transm.2012;24(4):239-45.

World Health Organizations (WHO). Sexually Transmitted Infections (STIs).Geneva: World Health Organization; 2008.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico de Sífilis. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

Rompalo A. Preventing sexually transmitted infections: backtobasics.J Clin Invest. 2011;121(12):4580–3.

Carvalho PMRS, Guimarães RA, Moraes PA, Teles AS, Matos MA. Prevalência de sinais e sintomas e conhecimento sobre doenças sexualmente transmissíveis. Acta. Paul. Enferm. 2015;28(1):95-100.

Junior WB, Shiratsu R, Pinto V. Abordagem nas doenças sexualmente transmissíveis. An Bras Dermatol. 2009;84(2):151-9.

Lafetá KRG, Júnior HM, Silveira MF, Paranaíba LMR. Sífilis materna e congênita, subnotificação e difícil controle. Rev. Bras. Epidemiol. 2016;19(1):63-74.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico de Sífilis. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Santos VC, Anjos KF. Sífilis: Uma realidade previnível. Sua erradicação, um desafio atual. Rev Saúde e Pesquisa. 2009;2(2):257-63.

Damasceno ABA, Monteiro DLM, Rodrigues LB, Barmpas DBS, Cerqueira LRP, Trajano AJB. Sífilis na gravidez. Rev HUPE. 2014;13(3):88-94.

Sonda EC, Richter FF, Boschetti G, Casasola MP, Krumel CF, Machado CPH. Sífilis Congênita: uma revisão da literatura. RevEpidemiolControlInfect. 2013;3(1):28-30.

Oliveira FL, Silveira LKCB, Nery JAC. As diversas apresentações de sífilis secundária. Relatos de casos. Rev Bras Clin Med. 2010;10(6):550-3.

Leite I, Oliveira JM, Leão MCM, Lopes SF, França AMB. Assistência da enfermagem na sífilis na gravidez: uma revisão integrativa. Cad Graduação Ciências Biológicas e da Saúde. 2016;3(3):165-76.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Sífilis: Estratégias para diagnóstico no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Feitosa JAS, Rocha CHR, Costa FS. Artigo de revisão: Sífilis congênita. Rev Med Saude Brasilia. 2016;5(2):286-97.

Saraceni V, Guimarães MHFS, Filha MMT, Leal MC. Mortalidade perinatal por sífilis congênita: indicador da qualidade da atenção à mulher e à criança. Cad Saúde Pública. 2005;21(4):1244-50.

Magalhães DMS, Kawaguchi IAL, Dias A, Calderon IMP. A sífilis na gestação e sua influência na morbimortalidade materno-infantil. Comum Ciênc Saúde. 2011;22(1):43-54.

Tabisz L, Bobato CT, Carvalho MFU, Takimura M, Reda S, Pundek MRZ. Sífilis, uma doença reemergente. Rev Med Res. 2012;14(3):165-72.

Komka MR, Lago EG. Sífilis congênita: notificação e realidade. Scientia Medica. 2007;17(4):205-11.

Rodrigues LSA, Paiva MS, Oliveira JF, Nóbrega SM. Vulnerabilidade de mulheres em união heterossexual estável à infecção pelo HIV/Aids: estudo de representações sociais. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(2):349-55. 2012.

Costa MC, Azulay DR, Dias MFRG, Demarch EB, Périssé ARS, Nery JAC. Doenças sexualmente transmissíveis na gestação: uma síntese de particularidades. An Bras Dermatol. 2010;85(6):767-85.

Domingues RMSM,Saraceni V, Hartz ZMA, Leal MC. Sífilis congênita: evento sentinela da qualidade da assistência pré-natal.Rev Saúde Pública 2013;47(1):147-57.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico de Sífilis. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

Hebmuller MG, Fiori HH, Lago EG. Gestações subsequentes em mulheres que tiveram sífilis na gestação. Ciênc saúde coletiva. 2015;20(9):2867-78.

São Paulo. Governo do Estado de São Paulo. Secretaria de Saúde. Projeto “Linha de cuidado à gestante, parturiente e puérpera no SUS/SP. Pré-natal e puerpério: manual técnico. São Paulo (SP): Governo do Estado; 2017.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.

Carvalho IS, Brito RS. Sífilis congênita no Rio Grande do Norte: estudo descritivo do período 2007-2010. Epidemiol Serv Saúde. 2014;23(2):287-94.

Pires ACS, Oliveira DD, Rocha GMNM. Ocorrência de sífilis congênita e os principais fatores relacionados aos índices de transmissão da doença no Brasil da atualidade. Uningá Review. 2014;19(1):58-64.

Campos ALA, Araujo MAL, Melo SP, Gonçalves MLC. Epidemiologia da sífilis gestacional em Fortaleza, Ceará, Brasil: um agravo sem controle. Cad Saúde Pública. 2010;26(9):1747-55.

Araujo EC, Costa KSG, Silva RS, Azevedo VNG, Lima FAS. Importância do pré – natal na prevenção da sífilis congênita. Rev Para Med. 2006;20(1):47-51.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para prevenção da transmissão vertical de HIV, Sífilis e Hepatites virais. Brasília: Ministério da Saúde; 2018.

Boni SM, Pagliari PB. Incidência de sífilis congênita e sua prevalência em gestantes em um município do noroeste do Paraná. Saúde e Pesquisa. 2016;9(3):517-24.

Saraceni V, Pereira GFM, Silveira MF, Araujo MAL, Miranda AE. Vigilância epidemiológica da transmissão vertical da sífilis: dados de seis unidades federativas no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2017;41:e44.

Fernandes FR, Zanini PB, Rezende GR, Castro LS, Bandeira LM, Puga MA, Tanaka TS, Castro LS, Bertolacci-Rocha LG, Teles SA, Motta-Castro AR. Syphilis infection, sexual practices and bisexual behaviour among men who have sex with men and transgender women: a cross-sectional study. Sex Transm Infect. 2015;91(2):142-9.

Goldenberg RL, Culhane JF, Johnson DC. Maternal infection and adverse fetal and neonatal outcomes. Clin Perinatol. 2005;32(3):523–59.

Nonato SM, Melo APS, Guimarães MDC. Sífilis na gestação e fatores associados a sífilis congênita em Belo Horizonte – MG, 2010-2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(4):681-94.

Donalísio MR, Freire JB, Mendes ET. Investigação da sífilis congênita na microrregião de Sumaré, Estado de São Paulo, Brasil – desvelando a fragilidade do cuidado à mulher gestante e ao recém-nascido. Epidemiol Serv Saúde. 2007;16(3):165-73.

Figueiredo MSN, Cavalcante EGR, Oliveira CJ, Monteiro MDFV, Quirino GS, Oliveira DR. Percepção de enfermeiros sobre a adesão ao tratamento dos parceiros de gestantes com sífilis. Rev da Rede de Enfermagem do Nordeste. 2015;16(3):345-54.

Kamb ML, Newman LM, Riley PL, Mark J, Hawkes SJ, Malik T, Broutet N. A road map for the global elimination of congenital syphilis. Obstet Gynecol Int. 2010; 2010.pii: 312798.

Domingues RMSM, Szwarcwald CL, Junior PRBS, Leal MC. Prevalência da sífilis na gestação e testagem pré-natal: estudo nascer no Brasil. Rev Saúde Pública. 2014;48(5):766-74.

Lima MG, Santos RFR, Barbosa GJA, Ribeiro GS. Incidência e fatores de risco para sífilis congênita em Belo Horizonte, Minas Gerais, 2001-2008. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(2):499-506.

Silva LCVG, Teodoro CJ, Silva JK, Sanros DAS, Olinda RA. Perfil dos casos de sífilis congênita em um município do sul de Mato Grosso. J Health NPEPS. 2017;2(2):380-90.

Ximenes IPE, Moura ERF, Freitas GL, Oliveira NC. Incidência e controle da sífilis congênita no Ceará. Rev Rene. 2008;9(3):74-80.

Cavalcante PAM, Pereira RBL, Castro JGD. Syphilis in pregnancy and congenital syphilis in Palmas,Tocantins State, Brazil, 2007-2014. Epidemiol Serv Saude. 2017;26(2):1-10.

Costa CC, Freitas LV, Sousa DMN, de Oliveira LL, Chagas ACMA, Lopes MVO, Damasceno AKC. Congenital syphilis in Ceará: epidemiological analysis of one decade. Rev esc enferm USP. 2013;47(1):152-9.

Magalhães DMS,Kawaguchi IAL, Dias A,Calderon IMP. Sífilis materna e congênita: ainda um desafio. Cad. Saúde pública. 2013;29(6):1109-20.

Publicado
2018-11-13
Seção
Artigos Originas - Promoção da Saúde